Que Yoga devo praticar?

Pedro Kupfer - 09 de Julho de 2017 - 52 Comentários

 

O Yoga é uma das disciplinas que mais crescem no mundo. Nos Estados Unidos, já são mais de 20 milhões de praticantes e, segundo estimativas recentes, essa tendência de crescimento irá se manter, no mínimo, por mais dez anos. Aqui no Brasil não é diferente, e esta visão libertadora e forma saudável de viver atrai cada vez mais adeptos.

A pergunta que muitos se fazem é qual seria o tipo de Yoga mais adequado para cada um. Aqui no yoga.pro.br, ouvimos com bastante frequência perguntas e consultas sobre este tema, uma vez que é muito fácil para o iniciante se perder na miríade de sistemas, nomes e ensinamentos disponíveis.

Para esclarecer o panorama, disponibilizamos este texto, com o intuito de orientar àqueles que gostariam de se iniciar neste lindo ensinamento e nesta prática milenar, fazendo uma breve descrição dos métodos disponíveis hoje. É preciso esclarecer aqui que esta lista não está completa: ela inclui apenas as modalidades mais conhecidas e praticadas na atualidade.

A verdade é que nem todas as formas de Yoga são boas para todo o mundo. Existem diferentes tipos de prática, que se adaptam às possibilidades e necessidades de cada um. Diferentes formas de Yoga não dão os mesmos resultados com as mesmas pessoas e não há consenso sobre o que deveria ser ensinado em uma aula de Yoga. Portanto, a modalidade de Yoga escolhida deve estar em função das expectativas e necessidades do praticante.

Os efeitos e benefícios do Yoga, não obstante, estão acessíveis para todos, independentemente da idade ou do estado físico de cada pessoa. Basta apenas saber escolher a modalidade que melhor se adapta às necessidades e possibilidades de cada um.

Antes de mais nada, é preciso ter claro o que você quer da prática. Os objetivos mudam de pessoa para pessoa. Você pode querer praticar impelido por uma destas motivações:

1) Melhorar a qualidade de vida ou gerenciar o estresse. 
2) Manter a saúde e a vitalidade por uma disciplina não convencional. 
3) Buscar um complemento para um treinamento físico. 
4) Para algum tratamento terapêutico, ou por indicação médica. 
5) Procurando um caminho para o autoconhecimento e a liberdade. 

Este último ponto é o fundamental: originalmente, o Yoga tem como objetivo principal mostrar para a pessoa que ela já é livre, plena e feliz. É, portanto, uma espiritualidade libertadora, que nada tem a ver com religião, doutrinamento ou ideologias sectárias. Infelizmente há algumas seitas intolerantes no meio do Yoga, das quais recomendamos que o amigo leitor se mantenha afastado.

É lógico que, quanto maiores forem as suas expectativas, mais cuidadosamente você deverá procurar. Se quiser praticar para manter a forma ou combater o estresse, algumas sessões semanais de āsanas de farão o trabalho. Nesse caso, ou se você tiver algum problema de saúde ou ficou parado por um tempo, é aconselhável fazer um exame médico antes de iniciar.

Se estiver procurando uma prática desafiante e vitalizadora, onde possa explorar e extrapolar seus limites físicos através de ásanas mais potentes, algumas formas Yoga, como o Aṣṭāṅga Vinyāsa, podem ser extremadamente exigentes, adequadas para atletas e pessoas que gostem de trabalhar o corpo com disciplina e intensidade.

Porém, lembre que o Yoga não é uma atividade física, mas uma disciplina de autoconhecimento que usa o corpo como ferramenta para colocar na prática o ensinamento libertador e as atitudes que configuram um estilo de vida em harmonia com as pessoas e o mundo. 

Se você tiver praticado durante um tempo, sentido os benefícios do Yoga e quiser continuar sozinho, é recomendável mesmo assim que, de tempos em tempos, faça um workshop ou aula para corrigir eventuais erros que você mesmo possa não estar percebendo.

Se for o caso de usar Yogaterapia por indicação médica, se recomendam uma ou duas sessões diárias de exercícios específicos que incluam ásana, pránáyáma e yoganidrá, bem como aconselhamento alimentar. O professor, nesse caso, precisa ter muito estudo e experiência no assunto. Há professores que prefiram negar os efeitos terapêuticos do Yoga, o que é muito mais fácil que estudá-los.

Haṭha Yoga
A prática de Haṭha Yoga, da maneira que é abordada tradicionalmente, tem um ritmo tranquilo, pautado pelos próprios praticantes. A saúde, o relaxamento e a redução das tensões constituem o foco desta modalidade. O intenso trabalho respiratório e o relaxamento consciente auxiliam no combate ao estresse. Esta é uma ótima opção para iniciantes e pessoas com alguma limitação (problemas de coluna, cardiopatias, etc.), embora não possua finalidade de cura, como é o caso da Yogaterapia. As técnicas de relaxamento e meditação também estão presentes em muitos casos, aprimorando a integração entre corpo, mente e emoções.

Aṣṭāṅga Vinyāsa Yoga
Este sistema, oriundo do sul da Índia, está baseado em seis séries de āsanas de exigência profgressiva, nas quais cada praticante trabalha em seu próprio ritmo, através de uma técnica chamada vinyāsa, que consiste em coordenar respiração e movimento. O Aṣṭāṅga Vinyāsa é o mais exigente de todos os métodos no plano físico. Aconselha-se ter algum preparo físico, fólego e estabilidade articular  antes de começar.


Power Yoga
O Power Yoga nasceu nos Estados Unidos como uma adaptação mais acessível do Aṣṭāṅga Vinyāsa para aqueles que não querem ou não podem fazer uma prática tão exigente, mas que fosse ainda bem intensa. Através da respiração e da execução de posturas combinadas com movimento, o praticante desenvolve resistência, força, flexibilidade, consciência respiratória, concentração e vitalidade. Muitos, porém não todos os professores de Power Yoga incluem meditação nas suas aulas.

Iyengar Yoga
O Iyengar Yoga é o método de exigência física moderada, criado pelo professor indiano BKS Iyengar. Uma das características marcantes dele é o conceito de alinhamento. As práticas de prāṇāyāma são ensinadas separadamente dos āsanas.  

Os métodos de Hatha Yoga acima citados incluem não somente a prática das técnicas físicas, chamadas āsanas, mas igualmente exercícios respiratórios e relaxamento (chamados prāṇāyāmas e yoganidra, respectivamente). Os métodos podem ter abordagens diferentes, dependendo de onde cada professor coloca a ênfase.

Yogaterapia Integrativa
Desenvolvido nos Estados Unidos por Joseph Lepage, esse método coloca a ênfase no processo da cura, trabalhando em todos os níveis do ser humano: físico, mental, emocional e espiritual. Joseph diz que "a cura acontece quando estabelecemos contato com a parte mais profunda de nós mesmos? Um exemplo desta abordagem terapêutica é ensinar pessoas com problemas cardíacos a tornarem-se mais conscientes da sua condição em todos os níveis, melhorando a qualidade de vida e usando técnicas respiratórias, exercícios adequados e meditação com foco na cura do coração.

Viniyoga
A palavra Viniyoga designa uma aproximação à prática focada no indivíduo, levando em conta suas aspirações, suas possibilidades, sua saúde, seu entorno, sua forma de vida e sua cultura. a prática de viniyoga respeita o ritmo de evolução de cada um. nas práticas, as posturas físicas são sincronizadas com a respiração em seqüências que são montadas em função das necessidades de cada praticante. este método inspira-se nos ensinamentos do mestre T. Krishnamacharya.

Kripalu Yoga
Prática em três estágios baseada nos ensinamentos do mestre Kripalvananda. Os três estágios do Kripalu incluem: prática firme (com foco no alinhamento, a respiração e a atentividade); entrega (permanência nas posturas, superando limites, aprofundando a concentração e o foco no processo interno de pensamentos e emoções); e meditação em movimento. As tensões internas são completamente eliminadas do corpo, desenvolvendo confiança na sabedoria corpórea necessária para conduzir o praticante ao estado de meditação profunda.

Sivananda Yoga
Trata-se de uma prática de síntese dos principais ramos do Yoga tradicional (Karma, Bhakti, Hatha, Raja e Jñana Yoga), segundo o mestre Swami Sivananda. Este método foi elaborado na conhecida Yoga Vedanta Forest Academy de Rishikesh, Índia. Trazido pela primeira vez ao ocidente em 1957 por Swami Vishnu Devananda foi logo adaptado às necessidades da sociedade atual, propondo uma atenção especial a cinco pontos: 1) exercício, 2) respiração, 3) relaxação, 4) alimentação, e 5) meditação. Estes pontos visam sobretudo a propor um estilo de vida focado no propósito do Yoga. As aulas práticas são estruturadas em uma série de 12 āsanas principais (com variações), precedidos pela saudação ao sol e respiratórios. Há também uma ênfase no aprendizado dos mantras tanto em forma de canto como para suporte à meditação.

Como escolher um bom professor? Usando o bom senso e a capacidade de observação para escolher. Vendo se você se sente confortável na escola de Yoga que visitar. Perguntado ao professor onde ele aprendeu. Vendo se você se identifica com a proposta desse tipo de Yoga.

Para encerrar, é preciso frisar que não existe um Yoga superior, mais completo ou melhor que os demais. Cada método se adapta melhor para objetivos diferentes. O melhor Yoga é aquele que funciona para você, que satisfaz suas necessidades e preenche suas expectativas. Cabe lembrar, não obstante, que o Yoga é uma espiritualidade cuja meta fundamental é a liberdade, o reconhecimento de que já somos a felicidade que buscamos. Esse ensinamento deve estar presente nas práticas, independentemente do nome que elas tiverem. Boas práticas!

Respostas:

Vera Lucia

Postado em: 02 de Março de 2013 às 01h40

Caro Pedro, foi uma grata surpresa conhecer seu site. É muito interessante e abrangente! Para quem quer aprender a meditar, como você o descreve , como "um caminho para o auto-conhecimento e a transcendência", o que devo procurar? Existe alguma escola mais alinhada com essa prática? Gostaria que você me orientasse/sugerisse algo a respeito. Grata, Vera

Responder esse comentário

jorge luiz carvalho

Postado em: 01 de Março de 2013 às 16h24

Oi, Tenho 59 anos. Aposentei-me recentemente. Faço exercícios físicos diários com Personal sob orientação médica. Atualmente vivo sob forte stress, devido ao envelhecimento (relativamente acelerado de meus pais - Pai, 86 e Mãe, 85. Sou solteiro, e sinto-me sem apoio. Acho-me uma pessoa um tanto tradicional, para tentar algo difernte da Hata-Yoga. Não conheço muito a respeito. Mas nutro uma grande simpatia pela modalidade. Sou uma pessoa espiritualizada. Cristão. Espírita. Não me filio a qualquer corrente. Leio muito sobre religiões. Todas. Creio no "mistério" que a palavra humana não alcança: Deus. A religiosidade oriental toca-me profundamente em sua essência, ainda que não seja minha firmação. Gostaria de me ioniciar na Yoga. Moro em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. Sobre quel modalidade de Yoga você, a princípio, poderia falar-me mais alguma coisa? Akguma academia? Algum bom professor? Dede já muito agradeço por sua resposta. Jorge Luiz

Responder esse comentário

Victor Martins

Postado em: 06 de Maio de 2014 às 16h19

Jorge Luiz Tenho 63 anos e durante dois anos pratiquei yoga; na Academia do Prof. Hermógenes na Rua Uruguaiana, 118/cobertura, tel. 22249189, homepage www.profhermogenes.com.br - próxima da estação do metrô Uruguaiana no Rio de Janeiro e sob a orientação do livro "Autoperfeição com Hata Yoga. Conheça essa obra e outras do mesmo autor, que poderão ser adquiridas na Academia Hermógenes. Com o seu perfil você encontrará o caminho buscado. Mudei para Natal e por outras razões familiares, parei o meu aprendizado da Yoga e não estou conseguindo retomar. Ficarei muito feliz se minha curta experiência puder lhe ser útil. Um grande abraço e felicidades. Victor Martins

Responder esse comentário

Fernanda Nardo

Postado em: 19 de Setembro de 2012 às 16h13

Olá. Gostaria de saber a sua opinião sobre o Bikran Yoga, também conhecido como Hot Yoga. Obrigada. Fernanda.

Responder esse comentário

Roger

Postado em: 06 de Setembro de 2012 às 10h23

Muito bom seu texto...Acho que de certo modo, a escolha do professor é até mais importante do que propriamente o estilo, já que seja qual for o estilo, os benefícios sempre existem. O mais complicado mesmo, é a escolha do professor.

Muitos alunos se iludem, achando que o fato do(a) professor(a) ter um alongamento quase acrobático, isso por si só, já o define como um bom professor. Ledo engano...Já tive professora com ótimo alongamento, mas que em outras áreas deixava muito a desejar.

Em minha opinião, somente alongamento exacerbado, e conhecimento técnico, não representam um bom professor de Yoga. Existem professores no mercado, dotados de conhecimento técnico, mas escassos de algo que de certo modo deveria ser o "cartão de visita" do professor de Yoga, que é a compaixão. Simplesmente tratar com a mesma atenção e dedicação tanto aquele aluno mais descolado, quanto aquele aluno mais tímido. Muitos professores de Yoga que se consideram Yogues, são na verdade muito semelhantes a alguns professores de academia que dão toda atenção às alunas de corpo escultural, e interagem de uma maneira distante e fria com as alunas menos vistosas. A diferença é que Yoga não é musculação... Se vindo de um professor de alguns professores de musculação esse tipo de atitude é pouco profissional, vindo de professores de Yoga, é algo não apenas sem profissionalismo, mas também completamente fora da filosofia. Já vi esse tipo de coisa acontecer em mais de uma escola de Yoga. Compaixão não se restringe a ter pena das crianças de rua, isso é básico...

Compaixão, na minha opinião, é o professor dar a mesma atenção aos mais diversos tipos de aluno, sejam eles mais ou menos bonitos, mais ou menos extrovertidos. Se hoje o Yoga se encontra da maneira como está( já tendo sido associado até mesmo à revistas masculinas como foi dito numa matéria aqui), entre outro motivos é em razão da grande semelhança entre determinados professores de Yoga, e determinados professores de algumas academias, que tem todo o foco voltado a galinhar as "gatas de academia", e se esquecem daquelas alunas mais comuns.

Então, apenas complementando seu ótimo texto Pedro, para escolhermos um bom professor, além de observarmos seu "currículo", é necessário se atentar muito à maneira como os alunos são tratados de uma forma geral, e mesmo que não seja você o tratado com indiferença, atente-se que você não está de fato tendo aula com um professor de Yoga, e sim com um professor de academia que possui um conhecimento técnico de Yoga.

E nem estou me referindo a professores de uma polêmica rede já debatida aqui neste site, já conheci dissidentes e opositores dessa tal rede que são assim. Só fazendo uma ressalva, não estou dizendo que professores de academia ajam assim de uma maneira geral, mas sim comparando alguns professores de Yoga com um determinado estilo pouco profissional de alguns professores de musculação.

Inclusive eu, que já fiz musculação em uma determinada época da minha vida, posso afirmar, que no quesito compaixão, tem professores de musculação muito mais yogis do que muito professor de Yoga por aí.

O fato é que na prática, quando aceitamos continuar fazendo aula com uma professora de Yoga, na qual detectamos um tratamento excludente em relação a determinados alunos (mesmo que não sejamos nós os excluídos), estamos sim ajudando a editar mais uma página de revistas da linha pornoyoga, e estamos colaborando para empurrar o Yoga para cada dia mais longe da sua filosofia.

Responder esse comentário

Paulo Sérgio

Postado em: 17 de Maio de 2012 às 16h26

Por que você nunca comenta sobre o Kundalini Yoga?

ॐ ॐ ॐ ॐ ॐ ॐ ॐ ॐ

Não compreendi a pergunta, Paulo: aqui no site há quase 80 artigos sobre os temas correlatos ao Kundalini Yoga, na seção prana, kundalini, chakras e koshas.

Digitando a palavra kundaliní, com acento, surgem 41 artigos que mencionam o tema. Digitando a palavra kundalini sem acento aparecem mais 35 textos.

Namaste, boas leituras e boas práticas!

Pedro.

Responder esse comentário

Isabela Silva

Postado em: 03 de Maio de 2012 às 21h22

Olá, Gostaria que me respondessem algumas perguntinhas sobre o Yoga! 1- HÁ ALGUMA TÉCNICA ESPECIAL PARA DESENVOLVER A YOGA E OBTER UMA MELHOR EXECUÇÃO? 2- QUE ORIENTAÇÕES DEVEM SER SEGUIDAS PARA GARANTIR OS OBJETIVOS DA PROPOSTA DA YOGA E ASSIM OBTER MELHORES RESULTADOS? Espero que possam responder minhas perguntas! Obrigado!

=====

Essas questões só podem ser vistas dentro da sala de práticas, por um professor qualificado. Namaste!

Responder esse comentário

Regina Sara dos Santos

Postado em: 28 de Dezembro de 2011 às 09h33

Gostaria de iniciar na yoga e meditação, mas não conheço cursos aqui no Rio, poderia me indicar? Com um pouco de urgência, por favor?! Preciso pois estou depressiva e sei que esses métodos podem me ajudar. Obrigada. Regina

Responder esse comentário

Sandra Regyna Caparrós

Postado em: 08 de Novembro de 2011 às 08h30

Bom dia ! Gostaria se for possivel indicações de professores ou escolas que sigam as tradições dos Nathas na regiõa de campinas interior de Sp. Grata Namaste

Responder esse comentário

< 1 2 3 4 5 6 >

Li e concordo com os termos de uso

SEÇÃO DO MÊS

  • Vedanta
    O autoconhecimento transforma positivamente a visão que temos do mundo e da vida

MAIS LIDOS

ANÚNCIOS

CURSOS E EVENTOS

  • 10 a 28 de Fevereiro de 2018

    Ângela Sundari e Pedro Kupfer

    Yoga e Vedanta na Índia

    Esta viagem foge ao propósito da maioria das que se fazem à Índia, terra do Yoga. Não está centrada em visitar lugares históricos ou turísticos, nem em fazer compras, mas no próprio processo de crescimento pessoal do viajante. O foco está no Yoga e na descoberta de si mesmo. Essa é a razão pela qual temos apenas dois destinos: Tiruvannamalai e Rishikesh.

     

  • 01 a 28 de Julho de 2017

    Pedro Kupfer

    Formação em Yoga :: Ubatuba

    Anunciamos com satisfação o Módulo I da Formação em Yoga, que irá acontecer no próximo mês de Julho de 2017 na belíssima Praia de Itamambuca, em Ubatuba, litoral norte do Estado de São Paulo.

[veja todos]