Um mestre e seu discípulo estavam morando recolhidos num lugar tranquilo e isolado. Tinham algumas vacas para lhes fornecer leite, que eram cuidadas pelo estudante. De manhã, depois das aulas, ele as levava até o pasto e no fim do dia as conduzia novamente até o estábulo.

Um dia, de noitinha, depois do pôr-do-sol, quando as vacas já estavam no estábulo, ele reparou que as cordas com as quais elas eram amarradas tinham sido perdidas no pasto. Foi, alarmado, falar com o mestre, pois elas poderiam sumir durante a noite se não fossem amarradas.

"Não se preocupe", disse o professor, "faça de conta que você as amarra, uma a uma, em seus respectivos lugares e elas ficarão quietas até amanhã". O discípulo coça a cabeça, duvidando, e pergunta: "E depois?"

"Depois veremos", responde o guru. O rapaz volta ao estábulo, faz de conta a amarra as vacas, e vá dormir. No dia seguinte, volta ao estábulo e repara que todas as vacas estão nos seus lugares. Fica agradavelmente surpreso.

Porém, quando as chama, elas não se movem. Tenta puxá-las, e nada. Aí, ele imagina que o mestre tem algum tipo de mantra mágico imobilizar as vacas. Vai até ele e lhe conta o que está acontecendo.

O guru pergunta: "Mas você as desamarrou? Ontem você fez de conta que as tinha amarrado. Elas estão esperando para ser desamarradas. Volte la e solte-as!"

A pessoa em mokṣa não mais vê a si mesma como condicionada pela identificação com o corpo físico ou os pensamentos, sujeita à morte, à passagem do tempo. Conhecendo a si mesmo como Brahman, a pessoa se desvencilha da ideia de ser limitada, assim como as vacas se libertam da noção de estarem amarradas.

É só uma noção, lembre disso. É só uma mudança de visão de si mesmo. Não há necessidade de se fazer mais nada, nenhuma ação e precisa para se ter mokṣa. É só se dar conta de que você já é livre.

Se você está pronto para se dar conta disso, e as condições internas e externas assim o possibilitam, se a mente está preparada e purificada, se o pramāṇam, o meio de conhecimento está disponível, se o professor está disponível, mokṣa inevitavelmente acontece.

No sétimo capítulo da Chāṇḍogyopaniṣad aparece o mahāvākyam, a grande afirmação védica tat tvam asi: "você é esse [Ilimitado]". Dizer que você é Ilimitado, que você é a causa de tudo, pode parecer arrogante. Toda forma de arrogância é uma forma de ignorância.

Porém, não há arrogância alguma em se reconhecer como Brahman em se reconhecer como satyam, como o verdadeiro. Pelo contrário, o autoconhecimento dá à pessoa tranquilidade e humildade.

------------------------

Tradução de Pedro Kupfer. 

Leia também

  • O desejo e Atma

    Se me privar de algo que gosto, o desejo não desaparece simplesmente. Desejos não saciados podem desvanecer-se com o tempo, mas às vezes isto não acontece. Tentar livrar-se deles pela mera repressão parece inútil porque eles podem permanecer por anos.  


    Swami Tadatmananda
  • Eu é uma porta. Parte 1: Ramana Maharshi

    Uma das citações mais ouvidas no caminho da iluminação seja talvez a do ‘abandono do ego’. Mas o que se quer dizer com isso? Não se fala aqui da forma ‘bruta’ do ego, isso levaria a uma porta escancarada. Com efeito, a forma egoísta e evidente, como no exemplo ‘primeiro eu e o resto que se dane’, é na verdade por todo mundo rejeitada (em todo caso quando isso vale pra outra pessoa) mesmo que ele não se encontre num caminho espiritual.


    Philip Renard
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. sandra azambuja

    acho que não é nem arrogância , é medo mesmo, de sermos livres, de sermos tudo que buscamos :). Obrigada Pedro.
    Responder


  2. Alba ZAmpese

    A prática, caminho completo para a liberdade!!!
    Responder


  3. Bruno Bartulitch

    Essa estorinha é "brutal", como se diz aqui em Portugal.

    :)


    Responder