Esta sequência é adequada para pessoas que estejam em meio a uma crise de dor e precisem de alívio e relaxamento das tensões advindas dela. Esta outra destina-se àqueles que precisem fortalecer as regiões lombar e dorsal a fim de evitar dores futuras, mas não estejam sentindo dor no momento da prática.
Como há muitas causas diferentes para dores na região lombar, as soluções para aliviá-las devem ser igualmente diferentes. Esteja pronto para escutar seu corpo ao longo das práticas e adaptar o que seja necessário. É importante adequar ou até mesmo eliminar posturas ou movimentos desta sequência que possam produzir dor. Esforce-se, sem forçar.

1 - Primeiramente, sentado numa posição com as pernas cruzadas e as costas eretas, faça seu mantra, refletindo sobre o que ele significa. Permaneça com os olhos fechados observando como está o corpo e quais são as partes dele que lhe solicitam mais atenção e cuidado. Depois, deite no chão em svāra śavāsana, mantendo os joelhos flexionados e os pés no chão, coloque as mãos no abdômen. Respire dessa maneira de dez a 20 vezes, bem devagar, relaxando a cada expiração.

2 - Svāra śavāsana com relaxamento do pescoço e da região dorsal: agora, com as mãos na nuca, inspire e levante a cabeça com a força dos braços, seu usar a musculatura do pescoço. Olhe em direção vertical e respire bem devagar, cinco a dez vezes. Depois, coloque com cuidado a cabeça de volta no chão. Se não houver dores nessa área, repita o movimento mas acrescentando agora um giro suave da cabeça para a direita e para a esquerda, cinco vezes para cada lado, associando esses movimentos com um ritmo respiratório suave e pausado. Mantenha o peso da cabeça sempre nos braços.

 

3 - Supta vakrāsana I: partindo da mesma posição anterior, afaste um pouco os joelhos e os pés, deixando-os separados na distância do quadril. Incline levemente o joelho esquerdo em direção ao pé direito enquanto olha para o lado, por cima do ombro esquerdo. Depois, leve o joelho direito em direção ao pé esquerdo e olhe para o outro lado. Associe o movimento com a respiração, exalando a cada vez que você rotaciona o tronco e inspirando quando retorna com o rosto em direção ao céu. O uḍḍīyaṇa e o mūla bandha (ativações do baixo ventre e do assoalho pélvico) devem estar presentes para estabilizar a lombar. Repita esses movimentos oito vezes para cada lado, suavemente. Caso sinta dor em algum ponto desse processo, evite a dor reduzindo a ampltude do movimento das pernas.

4 - Ekapāda merudaṇḍāsana, primeira variação: aproxime os joelhos mais um pouco, novamente. Mantenha as plantas dos pés apoiadas no tapete. Traga o joelho direito em direção ao peito, com a ajuda das mãos, e pressione a coxa contra as costelas inferiores com a força dos braços. Logo, traga a testa em direção ao joelho, elevando a cabeça do chão. Permaneça por dez respirações dessa maneira. Depois repita tudo da mesma forma para o outro lado.

5 - Ekapāda merudaṇḍāsana, segunda variação: ainda deitado, mantenha as pernas afastadas e os joelhos flexionados na largura do quadril. Segure um joelho com cada mão e traga-o flexionado em direção à lateral do tronco. Flexione e estenda alternadamente as pernas dez vezes, sempre segurando os joelhos. Na medida do possível, associe o movimento com a respiração, expirando a cada vez que você pressiona um joelho contra o tronco, e inspirando ao soltar essa pressão.

\\\

6 - Setubandhāsana. Para fazer esta variação da postura da ponte, ainda deitado de costas, coloque os pés paralelos no chão, separados na largura do quadril ou dos ombros. A partir daí, coloque um bloquinho, no sentido da largura, no espaço entre as partes inferiores das coxas. O bloco não deve ficar entre os joelhos nem muito perto da pube. Depois de permanecer por dez ciclos respiratórios aqui, estenda uma das pernas à frente ou para acima por mais cinco respirações. Ao concluir, repita o mesmo movimento para o outro lado. Se isso não for possível por conta do desconforto ou da dor, interrompa o exercício e passe para o próximo.

\\\

7 - Preparação para o kapoṭāsana: deitado de costas, cruze a perna esquerda sobre o joelho direito de maneira que se forme um triângulo entre as duas coxas e a canela esquerda. Depois, segure o joelho direito, traga-o para perto do tórax e balance suavemente para um lado e para o outro, massageando toda a região lombar. Repita para outro lado da mesma maneira ficando por dez respirações completas de cada lado. Novamente, interrompa a permanência se sentir dor.

\\\

 8 - Dvapāda merudaṇḍāsana com balanço sobre um lado e outro da coluna: abraçamos ambas as pernas, que permanecem fletidas. Depois, inclinamos um pouco o tronco, lateralmente, para a direita. Mantendo essa inclinação, fazemos um movimento de balanço para frente e para trás, dez vezes, associando movimento e respiração: ao inspirar, elevamos o rosto e a parte superior do tronco enquanto o peso do corpo se desloca para a região lombar e o quadril; ao expirar, elevamos o quadril enquanto o peso se desloca para a região dorsal, perto da cervical. Ao concluir, repetimos o mesmo movimento da mesma maneira, pelo mesmo número de vezes, sobre o lado esquerdo. É preciso ter cuidado para não bater o quadril no chão. Para tanto, recomenda-se ativar bem a musculatura do abdômen, arredondando a regiào lombar e mantendo mūla e uddiyana bandha bem firmes. Se o abdômen não estiver firme ou se o seu quadril for muito pesado, é melhor evitar este movimento.

\\\

\\\

 9 - Svāra śavāsana: ainda deitados de costas no chão, flexionemos as pernas e apoiemos um joelho no outro, para aliviar a lombar. Permanecemos relaxando e respirando suavemente, descontraíndo mais e mais com cada expiração, por dez a 15 minutos. Se não estivermos sentinho nenhuma dor na região lombar, poderemos concluir a sessão com uma permanência no viparītakaraṇī mudrā de 15 a vinte respirações.

\\\

 10 - Toda prática deve começar com um śāntipaṭha, invocação da paz, bem como concluir com um exercício de prāṇāyāma, uma meditação e um mantra de encerramento. Deixamos a escolha desses mantras e demais exercícios por conta do praticante. Boas práticas! 

***

Observações e cuidados.

Se sentir dor dentro das articulações ao fazer qualquer um destes movimentos, cesse imediatamente e passe ao próximo exercício. Pode acontecer de você apresentar um problema no quadril que lhe faça pensar que a dor surge da lombar. Nesse caso, um diagnóstico preciso é essencial, uma vez que se esta prática tem como objetivo aliviar dores nas costas mas seu problema não estiver naquela região, a mesma pode ser contraproducente para outras condições.

Por outro lado, há diferentes tipos de condição da lombar que pedem diferentes soluções. Por exemplo, uma hérnia anterior ou latero- anterior precisa de um tipo de prática, enquanto que uma hérnia posterior ou latero-posterior precisa de outro tipo. cada caso deve ser apreciado individualmente e feitas as adaptações do caso. No primeiro caso, devem evitar-se as flexões e torções intensas da coluna. No segundo, devemos deixar de fora da prática as ações de hiperextensão e torção da espinha.

Não tente fazer esta sequência sozinho se não tiver experiência prévia com a prática de Haṭha Yoga. Esta sequência é apresentada aqui com o intuito de servir como orientação ou conselho para pessoas que já pratiquem alguma forma de Haṭha e tenham consciência corporal ou alguma intimidade com o funcionamento do próprio corpo.

Algumas condições de saúde da coluna lombar ou dorsal podem requerer evitar algumas destas posturas. Cada condição de saúde é única e deve ser abordada de acordo com as suas características únicas. Em caso de dúvida, pratique sob a orientação de um instrutor qualificado. Estas instruções tampouco substituem o conselho de um profissional de saúde, que aliás deve ser seguido à risca.

Namaste! 

 

 

Leia também

  • Janushirshasana

    Janu = joelho, shirsha = cabeça; 'postura da cabeça em direção ao joelho'


    Pedro Kupfer
  • Revelando a postura do Guerreiro, Virabhadrásana II

    Este é o segundo de uma série de três textos que tem como objetivo desvendar a postura do guerreiro. Independentemente de ter ou não executado a outras duas variações, o praticante pode fazer o virabhadrásana II. Para compor este ásana, destacamos as ações relativas ao posicionamento e alinhamento de pés, pernas, joelhos, quadris, braços, cabeça e tronco.


    Humberto Meneghin
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Miura

    Uma crise na lombar me pegou, iniciou a queimação e já estava entrando no processo conhecido de travamento. Algo me trouxe a esse artigo, parei tudo na hora, fui para a prática. Fiz passo a passo e ao final, muito alivio. O processo regrediu. Percebi mais uma vez a relevância da respiração no processo. Busquei direcionar a respiração para a coluna, abrindo espaços e desmanchando as travas. A preparação inicial também é importante. Ao cantar o mantra a frequência mental já muda e a consciência do corpo é atividade com a presença. Percebi que a partir desse momento a dor já pode iniciar a procura do canal por onde seria liberada. Grata Pedro pela conexão! Gratidão aos mestres pela oportunidade e ensinamentos!! Com alivio . Miura 19/04/2015
    Responder


  2. RENATO GARCIA ESTEVES

    Para quem, como eu, sofre com dores na região lombar, esse artigo é importantíssimo. Eu sei o quanto é difícil, concentrar-se e tentar meditar, sentindo dores.

    Com certeza, a dor é a primeira coisa que devemos nos desapegar, para, posteriormente experimentar um nível mais elevado de consciência.

    Parabéns Pedro, por sua preocupação com quem padece desse mal.


    Responder


  3. Fauhber

    Com a prática de artes marciais tenho problemas na lombar e cervical. Valeu Pedro, qnd puder dar uma ajuda na cervical, rsrs. Abraço.


    Responder


  4. nair b.delgado

    já pratiquei estes movimentos .muito bom.
    Responder


  5. Luci

    Amiga para alivias suas dores nas costas. bjos
    Responder