Como você conheceu a prática de Haha Yoga?

Através da indicação de um amigo que a recomendou, no centro Satyananda Niketan, de Montevidéu, no outono de 1982. O Yoga que pratiquei na época, é conhecido hoje como Satyananda Yoga, pois foi ensinado por Swāmi Satyananda, de Almora, Índia. Porém, na época, quando perguntei ao meu professor, Janardhana Zoppolo, que tipo de Yoga nós praticávamos, ele apenas respondeu: “Yoga. Só Yoga”.

 

Você já praticou outras modalidades de Yoga?

Já fiz práticas de Kuṇḍalinī Yoga, Kriyā Yoga, Mantra Yoga, Bhakti Yoga, Iyengar Yoga e Aṣṭāṅga Vinyāsa Yoga, mas não considero nenhuma dessas “modalidades” como sendo diferentes do Haha Yoga, embora a linguagem e as abordagens difiram. Creio que nos dias de hoje há uma grande confusão em relação ao tema dos nomes e modalidades. A recente aparição das marcas registradas no mundo do Yoga só acrescenta mais confusão ainda.

 

O que lhe atrai nesta prática?

O Hatha Yoga permite muita flexibilidade e liberdade em termos de investigação pessoal. Isso talvez não atraia pessoas em busca de uma doutrina salvadora, mas pode ser útil para quem não tem receio de assumir a responsabilidade pelo seu próprio crescimento pessoal. Também são dignas de menção, como motivações para esta prática, a adaptabilidade e a abordagem não-dogmática, bem como a instrumentalidade e a capacidade de responder às necessidades de cada pessoa de maneira personalizada e eficiente.

 

Como você acha que essa prática pode ajudar as pessoas hoje em dia?

Dando às suas vidas significado, foco e profundidade. Respondendo às questões mais importantes que um ser humano possa se postular. Num plano mais prosaico, e muito embora esses não sejam mesmo os objetivos do Haṭha, os efeitos colaterais das práticas podem trazer às pessoas bem-estar, saúde, calma e tolerância.

 

Há um público especial para o qual o Haṭha Yoga seja mais indicado?

Qualquer pessoa que tenha curiosidade pelo autoconhecimento, independentemente do estado físico ou a idade, pode praticar Haṭha Yoga, pois sempre haverá amplas chances de adaptar a prática às características e possibilidades de cada um.

 

O que você considera uma prática de Haṭha Yoga completa?

Penso que uma prática completa seja aquela na qual estejam presentes pelo menos a maioria dos elementos essenciais do Haha tradicional: um mantra invocatório, um tema para refletir, e técnicas como ṣaṭkarma, āsana, mudrā, prāāyāma e relaxamento. Nessas técnicas aplicam-se ainda recursos como os bandhas, as ativações de certos plexos e músculos, bem como os dṛṣṭis, as fixações do olhar em determinados pontos. Toda sessão de Yoga deve (ou deveria) concluir-se com uma meditação e um mantra de encerramento. As práticas, em todos os casos pedem igualmente uma complementação didática fora da sala, na forma de leituras, estudos e sessões de perguntas e respostas com os professores para dirimir as inevitáveis dúvidas.

 

Qual é o conceito fundamental que embasa o Hatha Yoga, qual o seu objetivo e como as técnicas são aplicadas para alcançar esse objetivo?

Há muitas formas diferentes de olhar para a prática do Haṭha, pois este é um nome genérico usado por pessoas diferentes com finalidades distintas. Desde a compreensão que tenho desta prática, baseado no que aprendi com meus mestres e professores, vejo-a como um nididhyāsanam, uma reflexão sobre o Ser ilimitado. Como toda forma de Yoga, o Haṭha tem como objetivo mokṣa, a liberdade. Assim sendo, a técnica é secundária e se presta ao número e grau de adaptações que for o caso aplicar. O que importa não é seguir receitar ou se deter em pormenores técnicos relativos ao corpo ou à respiração, mas a atitude com a qual se pratica.

Leia também

  • Porno Yoga

    O fim da picada: mistura de Yoga e pornografia promovida pela revista Playboy para vender seus hipersexualizados “produtos”. Essa iniciativa visa, assim como as ações das outras multinacionais que tentam associar sua imagem ao Yoga, o claro e excuso objetivo de lucrar com nosso estilo de vida.


    Pedro Kupfer
  • Proibido praticar

    Este texto não noticia que o Yoga esteja sob ataque de forças ocultas, nem fala sobre um complô ou propõe uma teoria conspiratória contra ele. Não obstante, lista uma série de acontecimentos, alguns recentes e outros nem tanto, que revelam a forma em que certas lideranças religiosas e políticas orientam as pessoas sob sua égide a se relacionar com esta escola de vida que é o Yoga.


    Pedro Kupfer
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Meire. Caethano

    Bravooo.

    Amo todos os textos...

    Este ficou perfeito.


    Responder


  2. pedro salazar

    Gostei da parte em que voce fala sobre adaptar a prática. Sem dúvida, o Yoga em todo seu potencial foi feito para ser individualizado atendendo as necessidades, as características e os objetivos de cada praticante Cada corpo é um corpo e cada um de nós está passando por um diferente momento na vida. É o praticante que deve moldar sua prática e não o inverso. abs Pedrão Hari om tat sat
    Responder


  3. Flávia

    Tb tenho interesse em praticar e aprender Yoga, poderia indicar em SP capital. Estou na zona leste de São Paulo. Muito obrigada
    Responder


  4. Eliana Batista Pontes

    Olá Pedro,

    muito prazer, meu nome é Eliana. Achei bastante esclarecedora a entrevista e gostaria de saber se você poderia indicar uma escola, levando em consideração que não tenho nenhum conhecimento e nenhuma prática de Yoga, porém intuitivamente sei que isto será importante para mim, física e espiritualmente. Moro em São Paulo. Há alguma escola por aqui ou sómente em outro país. Aguardo com muito interesse sua resposta.

    Um grande abraço e muitas bençãos de Deus.


    Responder