A liberdade sempre foi questionada enquanto livre arbítrio. Liberdade para se fazer o que se quer fazer. Liberdade de ir e vir. Liberdade de escolha, de expressão, de opinião. Fazer o que se tem vontade, desejo intimamente ligado à autonomia, à independência e à espontaneidade.

\\\

Milhares de questionamentos foram tecidos desde o século XVII. Podemos começar com as reflexões filosóficas dizendo que tudo é o que é, menos “eu” (o Homem). Vemos nítida separação entre corpo e mente, alma e razão, homem e natureza. Um universo dualista.

Com Platão, há duas partes representadas pelo Mito da Caverna como mundo exterior, o dos arquétipos, moldes e formas e o mundo interior, que é o meu mundo sensível. O homem é corpo e alma. O universo é o mundo e eu sou quem o percebe. E o que me torna livre é justamente aquilo que me difere da natureza: ter uma mente pensante que toma decisões que vão além dos estímulos recebidos pelo corpo.

Depois vem Descartes com o “penso logo existo”, me tornando livre para refletir sobre qualquer coisa.
Podemos ver com Kant a diferença entre vontade e desejo, em que desejos são as inclinações do Homem em meio à natureza através de seu corpo, e a vontade como a decisão consciente submetida ao desejo físico.

Com Sartre, “a existência precede a essência”, onde não somos tão livres assim, pois antes de “sermos”, “existimos” e o Ser não escolhe existir.

Com Demócrito, tudo no universo é matéria, átomo e vazio. Corpo e mente se unificam. Logo, o pensamento é intimamente relacionado ao que é sentido.

Já Espinosa vem dizer que o livre arbítrio é pura ignorância, por que de fato, não fazemos escolhas, somente nos protegemos de sofrimento e buscamos alegria, pois o mundo nos afeta de forma muito mais complexa do que podemos compreender. Então somente cabe a nós proteger-nos do que nos aflige e inclinarmo-nos ao que nos faz bem.

E então Nietzsche afirma que livre arbítrio é uma busca covarde por um mundo perfeito somente encontrado na esperança e na transcendência exemplificadas pelo cristianismo. O Homem que sofre neste mundo encontrará sua redenção e se sentirá livre eternamente em um paraíso, ao lado de Deus, após sua morte. O livre arbítrio é criado pelo e para o homem que sofre.

Já na sociologia de Durkheim, a liberdade é tolhida pela sociedade. Não há mais como crer na liberdade plena e absoluta, uma vez que vivemos em contextos sociais modernos onde os meios de comunicação, sob influência capitalista, definem os valores, as linguagens, as condutas, os caminhos ideais a serem seguidos.

Portanto temos aí uma restrição jamais vista no tema da Liberdade, uma vez que o leque de opções está muito diminuído. E aí podemos redefinir o tema transformando livre arbítrio em ação ou tomada de decisão. E vamos ligar ação à felicidade e fazer a seguinte pergunta: Como agir da forma que nos faz felizes?

O Ser Humano sofre as conseqüências dessa redução de opções através da “pressão social” sendo, desde crianças, coagidos a agir de acordo com aquilo que se deve ser. Não com aquilo que desejam ser.

Neste jogo, o sofrimento é tão nítido quanto óbvio. “Perceber” esta condição já requer um passo para trás para visualizar quais são estas traves à nossa frente que limitam o espaço por onde queremos passar.

Este passo para trás é o autoconhecimento. Ele nos possibilita saber, primeiramente, aquilo que não nos agrada. E saber o que não quero já significa boa parte da decisão. Significa identificar aquilo que me faz sofrer. Mas ainda assim, não é o que me faz feliz. O que eu quero? De quê é feito o “querer”? É uma ação ou o efeito dela? Como devo refletir sobre isto? Racionalmente ou emotivamente?

Como vimos anteriormente, desde o século XVII há essa divisão e até hoje a sociedade segue dividindo razão e emoção. Livros de auto-ajuda, palestras motivacionais, cursos e terapias mirabolantes existem para definir o que é agir com a razão e o que é agir com o coração.

Para a felicidade de muitos, escolher Yoga como meio de autoconhecimento é uma boa por que, em primeiro lugar, não separa razão da emoção. Corpo e mente estão intimamente conectados. A relação “eu e o outro” é preservada como uma. A não dualidade é condição inicial. O Eu, o outro, a natureza e todos os seres que nela habitam, juntos, formamos Um.

Partindo dessa premissa, eliminamos as categorias do agir (aqui eu ajo de uma forma, ali ajo de outra) e tornamo-nos um só perante qualquer situação. E o Yoga sugere que sejamos: calmos, amorosos, equânimes, compreensivos, respeitosos e simples.

E sugere também evitarmos a violência, a desonestidade e uma série de outras atitudes em relação ao outro e ao mundo, afinal, se somos todos um, aquilo que sou para mim serve para aquele que sou para o outro.

Em segundo lugar, aquilo que o Yoga chama de Liberdade ou Libertação é totalmente diferente e ao mesmo tempo complementar a estas outras definições e me parece muito mais profunda, complexa e, de fato, libertadora.

Libertar-se quer dizer ver-se livre de condicionamentos sociais, psicológicos, fisiológicos, alimentares, familiares, religiosos e nos coloca em condição de observadores presentes, dando-nos a oportunidade de reverenciar a tudo exatamente como é e não sob uma perspectiva pré-definida pelas experiências passadas. Do passado, retemos somente maturidade. Com os fatos presentes, damos respostas presentes.

Em terceiro lugar, o Yoga humildemente nos conduz a refletir sobre nossas ações apenas sob o ponto de vista do agir em si, e não do efeito da ação. Agir de olho no efeito é um desejo futuro que pode nos aprisionar, afinal de contas, não temos controle sobre ele. O efeito de uma ação pode ser igual, menor, maior ou totalmente diferente daquilo que desejei. E, sim, devo vislumbrá-lo, mas sem prender-me a ele.

Devo prender-me somente ao presente e à intenção de minhas ações, para que sejam sempre calmas, amorosas, equânimes, compreensivas, respeitosas e simples. Assim como eu. Desta forma, quebra-se a barreira entre razão e emoção, causa e efeito, desejo e vontade, eu e o mundo, e qualquer outro tipo de dualidade.

E isto sim, é liberdade. É uma presença. É uma consciência de atitude. É moksha, o objetivo primordial do Yoga.

Moksha é um reconhecimento. Moksha é reconhecer-se livre. É reconhecer-se além das percepções cognitivas que o corpo e a mente podem nos dar. Livre de condicionamentos que nos aprisionam no futuro ou no passado, moksha é presente. Não existem problemas no presente. Problemas estão no futuro ou no passado. No presente somente existe ação. E agir de acordo com aquilo que somos capazes de realizar, sem nos violentar ou violentarmos o outro.

Namaste!

Leia também

  • DIFICULDADES SÃO BÊNÇÃOS

    Não há maturidade sem obstáculos. A virtude deles é que nos preparam, forjando o carácter e fortalecendo o foco, ao mesmo tempo em que aprendemos a manter a calma e o contentamente na frente dos desafios que a vida nos coloca. Se conseguirmos olhar de maneira equânime para as situações em que as dificuldades surgem, não apenas iremos amadurecer emocionalmente: também estaremos tornando o mundo à nossa volta um lugar melhor.


    Pedro Kupfer
  • Do Dharma

    Apesar dos diferentes contextos, culturas e situações, o dilema de Hamlet em muito se aproxima do dilema de Arjuna, assim como de todos nós, acerca das escolhas diárias que somos obrigados a fazer. Teria o autor inglês se inspirado na Bhagavad Gita? Ou seria este o drama universal da espécie humana desde o começo de sua existência?


    Tereza Freire
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Adriane Kassis

    Olá Thais,

    belo texto!

    Eu diria que nós, conhecedores de um pouco do Yoga, damos passos em outras direções, nos damos a chance da visão lúcida e coerente. Nos cabe "coerenciar" de fato :) (novo verbo :) )

    Abraços Adriane


    Responder


  2. Paula Biral

    UAU!!!! UM PRESENTE ESSE TEXTO!!! grata
    Responder


  3. Thais de Albuquerque

    Muito grata, Namaste! =)
    Responder


  4. cintia lagrotta

    Belo texto thais, parabéns!!! Nos faz refletir sobre o real significado do yoga, como um meio de libertação de condicionamentos e ao mesmo tempo nos faz conscientes do nosso agir no mundo, de forma pacífica e amorosa, conosco e com os outros. namaste.

    Thais de Albuquerque

    Muito grata, Namaste! =)

    Responder


  5. Natália

    texto perfeito!



    Thais de Albuquerque

    Muito grata, Namaste! =)

    Responder


  6. fernando

    simplis... e ao mesmo tempo desafiador! que sejamos livres.. namastê!
    Responder


  7. Thais Galliac

    Lindo texto, chará! ;)


    Responder