tadā draṣṭuḥ svarūpe\\\'vasthānam || 3 ||

Então, aquele que vê se estabelece
em sua própria natureza.


tadā = então, somente depois
draṣṭuḥ = possesivo de draṣṭṛ, “aquele que vê”, a consciência testemunha
svarūpa = em sua própria natureza. Literalmente, “sua própria forma”
avasthānam = estabilidade, estado de consciência

O sábio Patañjali nos ensina que o natural (svarūpa) do ser humano é o próprio Yoga. A palavra svarūpa, que significa literalmente “sua própria forma”, define a volta para casa, o reconhecimento de si mesmo como alguém livre de limitações. É importante lembrar que Yoga não é um estado de consciência nem uma experiência mas uma atitude.

Nesse reconhecimento, o yogi repousa em sua própria natureza essencial. A realização advém somente quando o yogi evita se deixar arrastar pelos vṛttis, movimentos da psiquê. Uma vez que a consciência se vê livre dessas flutuações e suas consequências, os karmas indesejáveis, essa identificação com os objetos exteriores cessa. Esse é o objetivo do Yoga, chamado kaivalya ou libertação, por Patañjali.

O único propósito do Yoga, segundo Patañjali, é desenvolver a capacidade de estarmos dentro de nós mesmos ou, usando suas palavras, “nos estabelecer em nossa própria natureza”.

Neste sūtra, ao mesmo tempo em que o autor explica o que acontece em nirodha, a cessação da identificação com a vida psicomental, também define e limita o propósito do Yoga. Esse propósito, segundo Patañjali, é assumir o que somos ou, usando suas palavras, “estabelecermo-nos em nossa própria natureza”.

A palavra draṣṭṛ, que significa literalmente “aquele que vê”, aponta para o Ser, que será chamado Ātma e Puruṣa nos sūtras subsequentes. Para compreender quem ele é, o yogi precisa transcender a identificação com os conteúdos mentais, os pares de opostos como atração e aversão, e os julgamentos limitadores.

Vigília distraída ou vigília lúcida?

Passar da ignorância existencial (avidyā) para aquilo que é o “natural” (svarūpa) é o primeiro passo. Adquirir a capacidade de permanecer na própria natureza, o segundo. Isso significa passar da vigília distraída (vyutāna citta) para a vigília lúcida (nirodha citta).

Como exercício preliminar, para compreender como viver essa vigília lúcida, o praticante explora nas práticas os diferentes graus de meditação e samādhi. Kaivalya significa literalmente “isolamento”. No entanto, esse termo não se refere a ficar de costas para as realidades da vida, nem a fugir dos próprois problemas.

A palavra isolamento não aponta para uma experiência nem para um estado de consciência, mas para a capacidade de separar-se dos próprios medos, crenças, condicionamentos.

Esse é o terceiro e último passo, no qual a identificação da consciência com os vṛttis simplesmente desaparece, ao invés de ficar temporariamente suspensos (nirodha), como nos estágios anteriores. Esse estágio final da prática é abordado no último capítulo desta obra chamado justamente de Kaivalya pāda ou “Caminho da Libertação”.

Leia também

  • Equanimidade ou indiferença?

    Você está andando numa rua escura. Virando uma esquina, vê um homem batendo numa mulher. O que você faz? Passa ao longo fingindo que nada viu ou intercede em favor da vítima? Possuo a firme convicção de que a postura do yogi perante o mundo (bem como o lugar que ele ocupa em nossa sociedade), deve ser embasada na correta compreensão dos ensinamentos que a nossa bela tradição nos legou.


    Pedro Kupfer
  • Yoga Sutra, 1.40-51: Após Estabilizar a Mente

    A mente fica como um cristal transparente: Uma vez que a mente esteja razoavelmente clara e estabilizada (1.33-1.39), o processo profundo do Yoga pode ter início. Eventualmente, a mente fica como um cristal transparente (1.41), sendo uma ferramenta purificada para as explorações mais refinadas dos níveis denso e sutil. Tal mente pode explorar toda uma gama de objetos, desde os menores até os maiores (1.40).


    Swami Jñaneshvara Bharati
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. larissa

    Sou muito feliz por praticar. Faz parte da minha vida!
    Responder


  2. sandra azambuja

    Gostei muito da explicação. Obrigada Pedro.


    Responder