Um pouco da história suja dos europeus na terra do Yoga que nunca nos contaram: Roberto de Nobili, aristocrata italiano e missionário da Companhia de Jesus, chegou na Índia no século XVII com o firme propósito de converter os hindus à fé de Cristo. Estabeleceu-se em Madurai, cidade que, na época, era um centro de estudos e peregrinação do hinduísmo.

Ele decidiu despir o cristianismo das roupagens ocidentais e vesti-lo ao estilo indiano, adaptando-o aos costumeis locais. Assumiu a forma de vida dos bráhmanes, adotou o vegetarianismo, raspou a cabeça e usou todos os símbolos que caracterizam o sannyásin (renunciante), inclusive o cordão sagrado, com um detalhe: levava o crucifixo pendurado nele.

Apresentava-se como um príncipe e exigia direitos e privilégios dos governantes locais. Foi dele a idéia, ainda hoje usada por missionários de todas as denominações, de comprar conversões e batismos com ouro, financiado pela Companhia de Jesus.

Este bom jesuíta é responsável por uma das maiores fraudes de que se tenha notícia na literatura mundial. Ele revelou sensacionalmente, para indianos e europeus, que havia encontrado \"O Quinto Veda\".

O mais lamentável é que, antes da fraude vir à tona, ele foi considerado por Max Muller e outros indólogos como 'o primeiro grande sanscritista europeu' (Lectures on the Science of Language, p. 167).

A Enciclopédia Italiana (1951, (vol. XXV: 541) ensina-nos, sob o verbete \"Orientalismo - Índia\", que este falso Veda, chamado Ezour, foi redigido com a ajuda de um trânsfuga bengalês, que copiou e modificou alguns hinos do Yajur Veda, de forma que os textos, deformados, passaram a condenar duramente a 'idolatria' e o politeísmo dos Tantras e os Puránas, como forma de facilitar a conversão dos hindus ao cristianismo.

O \"Veda de Jesus\", como ficou conhecida esta obra na época, está escrito na forma de um debate entre dois rishis vêdicos, um politeísta e um monoteísta (como se fosse possível existir tal coisa!). Obviamente, como o único intuito da obra era a catequese, quem vence o debate é o monoteísta, que apresenta o \"verdadeiro e pristino hinduísmo\", e suas supreendentes similitudes com a fé cristã.

Causou sensação na época, chegando a enganar o próprio Voltaire, que o definiu como \"o mais precioso presente que foi dado pelo Oriente para o Ocidente\" (Essay sur les Moeurs et l\'Esprit des Nations, 1756). A mentira alastrou-se até o início do século XIX e só foi descoberta quando alguém percebeu que o papel em que este \"shastra\" havia sido escrito, tinha sido feito na Europa.

O professor José Martins Domingues, da Universidade de São Paulo, afirma que A descoberta posterior dessa contrafação levou um filósofo inglês, Dugald Stewart a sustentar que \"tanto a literatura quanto a língua sânscritas não passavam de uma falsificação, feita por hábeis brâmanes, segundo o modelo grego, após a conquista de Alexandre\" (A. Macdonell, \"A History of Sanskrit literature\" (1972, pg. 2).*

O preconceito dos missionários chegou a produzir pérolas como esta: 'eles não podem entender que, sendo nossa religião geral e para a terra toda, a deles não pode ser senão pura fábula e invencionice.'

Roberto de Nobili, que morreu em 1656, ainda é muito querido e respeitado na Companhia de Jesus pelo seu afã missionário.

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Camila

    Bom texto!
    Responder