Há dois tipos de dor que você pode sentir numa prática de ásana: uma positiva e outra negativa. A dor positiva é aquela que você sente nos músculos, e que é sinal de que está trabalhando e mexendo nas estruturas físicas, dando a si mesmo um novo corpo. A dor negativa, é a que você sente nas juntas, no interior das articulações, e que significa que você está forçando demasiado, fazendo os exercícios sem alinhamento ou praticando sem atenção ou sem a atitude mental correta. Se você tiver um corpo extremadamente flexível, precisa redobrar esses cuidados. Uma opção é trabalhar dentro da margem de segurança, evitando quaisquer exageros (recomendada para pessoas muito flexíveis). A outra, igualmente válida, seria trabalhar no limiar, no ponto onde o prazer se transforma em dor (mais adequada para pessoas não tão flexíveis assim). Neste último caso, se pede atenção redobrada para evitar acidentes.

Acabamos de mencionar a questão do alinhamento, mas não explicamos nada até agora. O alinhamento é um principio muito importante dentro da prática, pois ele dá segurança na execução dos ásanas. Para um praticante novo, ouvir falar sobre alinhamento pode soar um tanto 'etérico', difícil de entender e mais difícil ainda de colocar em prática. Desde o ponto de vista puramente fisiológico, o alinhamento lida com a postura ideal: ajustar e alinhar corretamente ossos e articulações pode ajudar a prevenir acidentes ou dores no corpo e potencializa o funcionamento da 'máquina', contribuindo desta forma para o bem-estar físico do indivíduo.

Entretanto, limitando-nos ao plano puramente físico, nos confrontamos com diferentes abordagens da questão do alinhamento: deveríamos nos transformar em autômatos iguais aos desenhos dos livros de anatomia ou existiria algum tipo de negociação entre os ásanas e o nosso corpo imperfeito, vitimado pelo esquecimento, a má postura ou o descaso? Responderemos essa pergunta logo mais. Não obstante, neste ponto surgem outras questões de índole prática: qual seria o encaixe ideal da pélvis? Devemos colocar o peso do corpo no meio ou à frente das articulações dos tornozelos? Dentre todas as perguntas deste tipo que você possa se formular ao longo de uma prática, o maior desafio é descobrir o que significa alinhamento na sua própria experiência.

Embora o conceito de alinhamento seja uma das coisas mais difíceis de se definir no Yoga, existem diversas abordagens que podem nos ajudar a entende-lo melhor. A primeira aproximação ao conceito de alinhamento envolve a noção dos planos sagital e frontal, que divide o corpo nos hemisférios direito e esquerdo, e partes anterior e posterior. Desde este ângulo, o alinhamento serviria para consertar as diferenças do corpo entre os lados direito e esquerdo ou anterior e posterior, resolvendo assim casos de desvios de coluna como escoliose, cifose ou lordose. Por exemplo, se ao fazer a inversão sobre os ombros, sarvangásana, surgirem dores nos lados do pescoço ou nos ombros, que é onde se coloca o peso, isso pode significar que está faltando alinhamento vertical.

Entretanto, a consciência dos planos sagital e frontal é apenas o começo. Alinhamento significa igualmente tomar consciência das diferentes maneiras em que as posturas podem vivenciar-se. Significa abrir e criar espaço não apenas ao longo de um eixo, mas no organismo inteiro. Não é unicamente se encaixar ao longo de um eixo; não é algo que se impõe externamente ao corpo: existe sim uma adaptação da postura ao corpo de cada um. Para que você possa começar a tirar alguma conclusão do diálogo interno que surgirá durante a prática, você precisa tornar-se o ásana, ser o ásana, ao invés de unicamente fazer o ásana.

Desenvolver a intuição de como o alinhamento trabalha pode despertar experiências escondidas no corpo, tornando conscientes os samskáras, os condicionamentos que moldam as nossas estruturas musculares. Nesse plano, ainda mais sutil, o alinhamento funciona para abrir caminhos para que a energia ascenda.

Desta forma, buscar o alinhamento profundo pode comparar-se à tarefa de lapidar um diamante. Em primeiro lugar, precisamos colocar muita atenção no processo e ter claro aquilo que estamos procurando. Partindo de uma pedra bruta, o lapidador consegue enxergar as linhas onde a pedra se abrirá de maneira que se revele a beleza da sua forma e usar essas linhas a seu favor. Uma vez identificadas as linhas de corte, há ainda muito trabalho pela frente, polindo e eliminando as asperezas da superfície da pedra.

A prática de ásana é como lapidar o diamante que nós mesmos somos: só podemos chegar lá sozinhos. Obviamente, um professor competente poderá ajudar, nos mostrando o caminho através de instruções ou sugestões, mas estamos falando de algo sutil, subjetivo e pessoal. Você só conseguirá entender na hora em que estiver fazendo a prática.

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Murillo

    Gratidão! Namaste!
    Responder


  2. Luiz Carlos Souza Gomes

    Na visão do Dakshina Tantra Yoga, todos os asanas só podem ser executados após os kriyas (atividade de purificação e limpeza das nadis) e após ser verificado o nabi chakra ou kanda. Esse chakra é citado na Yoga Chudamanyupanishad, cap.1, versos 13/16: "No centro do estômago, o centro do umbigo repousa no círculo conhecido como manipura. Entre o umbigo e o última vértebra da coluna está o centro do umbigo, formado como um ovo de passarinho. Encerra consigo o começo de 72.000 nadis, das quais 72 são vitais. Destas, 10 são as mais importantes. A fim de que se tenha o devido controle sobre essas 10 nadis, um deles tem que receber atenção especial". Esse chakra, na nossa visão, deve estar alinhado e no local certo, acima do umbigo, para que o prana flua pelas nadis sem bloqueio, sem o que os asanas virariam meros exercícios físicos.
    Responder