A palavra kúmbha ou kúmbhaka significa cântaro. Kúmbhaka bandha é a respiração completa, com ritmo e contrações. É um dos exercícios mais importantes do Yoga, tendo uma forte atuação nos órgãos internos, glândulas endôcrinas e plexos nervosos. O mais importante desta técnica, porém, não está em seu efeito fisiológico, senão no plano sutil, no estímulo produzido no corpo energético. Proporciona o bhúta shuddhi, a purificação dos elementos corporais, considerada condição sine qua non para o despertar da kundaliní.

Sentado em atitude receptiva, mantenha a coluna vertebral ereta, visualizando-a como se fosse uma quantidade de moedas empilhadas cuidadosamente umas sobre as outras. Deixe as mãos em jñána mudrá, unindo os polegares e indicadores.

Elimine o ar e inspire de forma profunda e completa. Ao concluir esta inalação feche a glote e incline a cabeça para trás. Retenha o ar nos pulmões e faça jihva bandha, pressionando a ponta da língua contra o céu da boca, no palato mole. Neste ponto, também poderá fazer múla bandha ou ashwiní mudrá, contrações dos esfíncteres, ritmadas ou não. O tempo de retenção deverá ser o dobro ou o quádruplo do da inspiração, conforme o ritmo que você tiver escolhido.

Ao exalar coloque lentamente a cabeça na sua posição natural. O rechaka é feito no dobro do tempo do púraka. Completando a expiração, faça o bandha traya, a contração tríplice. Comprima o queixo na depressão jugular e pressione firmemente a glote em jalándhara bandha. Juntamente faça uddiyana bandha, a contração dos músculos e plexos abdominais. A seguir, múla bandha, contraindo fortemente os esfíncteres do ânus e da uretra. A duração do shúnyaka associada a esses bandhas é livre. O ritmo do exercício é 1:2:1:0 ou 1:2:2:0 para os iniciantes e 1:4:2:* ou 1:4:2:0 para praticantes experientes. Se quiser, poderá concentrar-se na repetição mental do bíja mantra Om.

Efeitos: exercita todos os músculos e articulações do aparelho respiratório, aumentando a elasticidade da caixa torácica, eliminando tensões musculares e aumentando a capacidade vital do praticante.

Estimula o funcionamento do sistema endócrino e do sistema nervoso, melhora a digestão e a excreção e otimiza a oxigenação do sangue. Há ainda o estímulo produzido pela contração tríplice, bandha traya, que é fortíssimo, tanto fisiológica quanto energeticamente.

Dentre os efeitos sutis destacamos a estabilização dos pensamentos, a eliminação das instabilidade da consciência (chittavritti), a sensação de receptividade, alegria e expansão da própria consciência.

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Adalberto

    EXISTE ALGUM EXERCÍCIO PARA AJUDAR NA QUESTÃO DA EJACULAÇÃO E DA EREÇÃO?


    Responder