Tradução do nome desta postura:

parivritta = torcido, parshva = lado, kona = ângulo; "postura do ângulo, em rotação lateral"

1. Esta postura é uma das mais importantes torções em pé, fundamental para fortalecer a base, as pernas e a parte inferior do tronco.

2. Como no uthitta parshvakonásana sem torcer, o pé de trás fica num ângulo de 90 a 65 graus em relação ao pé da frente.

3. Apoie firmemente a parte externa do pé de trás.

4. Deixe os arcos de ambos os pés elevados, especialmente o do pé de trás.

5. Se não conseguir, eleve o calcanhar e deixe os dedos do pé de trás voltados para a frente.

6. Em sentido longitudinal, deve manter-se entre os pés um espaço equivalente à largura do seu quadril.

7. Uma vez que você está firme nessa base, torça o tronco, a partir da ponta inferior da espinha dorsal.

8. Para fazer a torção, coloque a parte externa do braço na parte externa do joelho (se o joelho direito estiver à frente, a torção será feita com o braço esquerdo, e vice-versa).

9. Se isso não for possível, use um bloco de madeira para apoiar a mão, do lado interno do pé da frente.

10. Evite hiperflexionar o joelho da frente. A tibia fica perpendicular ao chão e o joelho sobre o tornozelo.

11. Perceba uma linha reta e contínua, desde o pé de trás até o braço estendido. O tronco fica nessa mesma linha.

12. Perceba a rotação externa da crista ilíaca de cima.

13. Mantenha o cóccix apontando para o calcanhar do pé de trás. Os ombros ficam girados em direção às escápulas. Ao torcer, evite contrair o pescoço, e mantenha espaço entre ele e os ombros.

14. Tome consciência da circulação da energia vital, entre a base do tronco e o coração, especialmente no plexo solar, ativando o uddiyana bandha.

15. Suavize o olhar e a expressão do rosto. Esforce-se, mas não exagere.


Atenção:

Estas dicas não substituem um professor de Yoga. São disponibilizadas apenas para que o praticante possa aprimorar sua técnica e sua prática pessoal. No início, a prática sob a supervisão cuidadosa de um instrutor preparado e competente é essencial para o sucesso na prática, bem como para evitar lesões. O autor não se responsabiliza pelo mal uso que possa ser feito destes textos. Obrigado pela compreensão.

Namastê e boas práticas!

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Priscila do Vale

    Gosto de praticar Yoga em casa. Não sou monitorada por um professor. Gostaria de saber uma opinião a respeito!
    Responder