O Yoga como Yoga

Há muitas formas de definir o Yoga e muitas abordagens que podem ser feitas em relação a ele. Para simplificar, e não cansar o paciente leitor com repetições, digamos apenas que Yoga é uma escola de autoconhecimento, ou o exercício da prática desse conhecimento sobre si mesmo na vida real, através de atitudes e ações conscientes. Desde tempos imemoriais, o Yoga esteve vinculado à busca da liberdade. Por paradoxal que possa ser buscar algo que nós somos (uma vez que o Yoga ensina que aquilo que buscamos é o que de fato já somos), esse é o objetivo, e todo o esforço do praticante está centrado na completude desse processo de crescimento interior.

Nessa ordem de coisas, o Yoga nunca foi um método para manter a saúde ou a boa forma, nem para prosperar ou enriquecer materialmente. O tipo de prosperidade e conforto para o qual o Yoga aponta, certamente, não está centrado na realização de desejos ou na acumulação de bens materiais. A riqueza para a qual o Yoga aponta é de outra índole. A meta é cultivar um estado de pacífica plenitude, independentemente do estado da conta bancária ou da saúde física, que pontue todos os momentos da existência. Esse estado de plenitude é chamado moksha, que quer dizer liberdade, em sânscrito.

Tradicionalmente, as pessoas comprometidas com esse caminho não eram necessariamente as mais ricas ou visíveis dentro da sociedade, embora dentre os adeptos do passado não faltassem figuras como o rei Janaka, um yogi-governante lembrado pela temperança, justiça e generosidade com que reinou. No passado remoto, os yogis preferiam a vida simples, na floresta, nas montanhas, perto dos rios, ou em lugares igualmente recolhidos e tranqüilos. No passado mais recente e no presente, da mesma maneira, percebemos que muitos praticantes escolheram lugares solitários para viver, praticar e ensinar. Um exemplo é o grande erudito Georg Feuerstein, que pouco tempo atrás se recolheu numa cabana nas florestas do Canadá, deixando para trás grandes projetos profissionais e educacionais.

 

O Yoga como exercício

Originalmente, o Hatha Yoga era um dos métodos ou formas do Yoga, que tinha a peculiaridade de usar o corpo físico como veículo para atingir o estado de liberdade. A prática das posturas, por sua vez, era uma ínfima parte desse método. Com a distorção atual, vemos que essa ínfima parte do Yoga tornou-se sinônimo de Hatha, e que este termo, por sua vez, tornou-se sinônimo de Yoga. No caminho, ficaram para trás técnicas avançadas ou sofisticadas, como mudra, pranayama, mantra e meditação. A falácia de vermos o Yoga desta maneira é que se Yoga é igual a Hatha, e Hatha é igual a ásana, então, Yoga é ásana:

Yoga = Hatha; Hatha = ásana => Yoga = ásana.

Concluir isto seria tão precipitado quanto concluir que se Yoga é um conjunto de técnicas, e que o mula bandha, a contração dos esfíncteres, é uma dessas técnicas, então, qualquer pessoa que contraia os esfíncteres estará praticando Yoga.

Enquanto seja verdade que o Yoga lida com o corpo, a mente e as emoções, seu objetivo maior é a liberdade, moksha. No entanto, a visão reducionista que a sociedade tem do Yoga na atualidade é de que este seria uma espécie de exótica ginástica oriental ou exercício anti-estresse. Essa percepção equivocada é fruto da confusão entre meios e fins em algumas áreas do próprio ambiente dos professores de Yoga. Muitos instrutores desconsideram a visão da vida e o ensinamento sobre si mesmo, julgando serem mera teoria, e acabam se centrando nas técnicas, que passam a ser vistas como objetivos a serem atingidos.

Quando a mídia promove esta confusão, o público recebe a informação de que Yoga é exercício físico para o bem-estar, e mais nada. Com esta distorção na visão dos objetivos, confundem-se ferramentas e metas e o cuidado com o corpo, que sempre foi considerado um veículo para alcançar a meta maior, passa a ser considerado um fim em si mesmo. A responsabilidade, obviamente, fica com os professores que, por opiniões ou ações distorcidas, ou mesmo por omissões (por exemplo, quando um professor diz “eu não me meto nessas coisas”), dão início a esse processo de confundir meios e fins.

 

“O Yoga da Prosperidade”

Atualmente, para piorar as coisas, há autores da área da auto-ajuda que, às vezes dissimuladamente, às vezes descaradamente, expõem o Yoga como um sistema que ajudaria o praticante a fazer dinheiro. Eufemisticamente, a palavra dinheiro não é empregada. Em seu lugar, entram termos mais neutros, como prosperidade, sucesso, riqueza ou abundância. Ainda, estes ensinamentos aparecem profusa e generosamente pintados com “verniz espiritual”, adornados com citações das Upanishads e outros shastras.

Então, não testemunhamos apenas a redução do Yoga a um exercício físico, mas igualmente percebemos um uso questionável dos seus valores como ferramenta para prosperar. Assim, invertem-se os princípios fundamentais da ética yogika: onde deveria haver desapego, campa a busca da abundância, como se nela estivesse a plenitude. Onde os praticantes deveríamos ser convidados para pensar na simplicidade, propõe-se a busca do hedonismo, como se nele pudéssemos achar a felicidade. Onde deveríamos refletir sobre a nossa verdadeira identidade, nos propõem a realização das ambições como solução para a felicidade. Nessa trilha, alguém ainda vai escrever livros como O Yoga Sutra da Prosperidade, Os Sete Segredos do Yoga, ou Patañjali, o Maior Vendedor do Mundo.

Nada contra a prosperidade, o conforto material, a segurança física, a busca do prazer e as demais extensões dos conceitos de artha e kama, abundância e desejo. Pelo contário: esses dois elementos, que são propósitos humanos válidos (purusharthas), devem ser levados em conta dentro das limitações intrínsecas a eles. Não é daí que virão a felicidade ou a liberdade. Eles devem ser equilibrados com ponderadas doses de esforço em direção ao dharma e a moksha, a harmonia com a lei natural e a liberdade, que são os outros dois propósitos. Como já dissemos acima, o método do Yoga é para atingir moksha, não para se conseguir prosperidade ou satisfação dos desejos.

 

As alternativas para voltar à origem

A compreensão de que o Yoga seja algo além dessas distorções é a tábua de salvação do praticante sincero. A bem da verdade, o Yoga nunca esteve dirigido ao consumo fácil. Aqueles realmente interessados nos objetivos verdadeiros do Yoga continuam sendo uma pequena minoria dentro do imenso grupo das pessoas que se auto-definem como praticantes. Assim sendo, eles devem superar as provações que a vida lhes colocar, na forma de coisas que parecem Yoga, têm cara de Yoga, cheiro de Yoga, mas não são Yoga.

Tradicionalmente, o Yoga foi ensinado em espaços pequenos, para grupos reduzidos ou até mesmo de forma individual. As mesmas soluções que funcionaram no passado, como ilustra o exemplo do mestre Krishnamacharya, que ensinava num exíguo cômodo da própria casa, continuam funcionando e sendo aplicadas por muitos bons professores até hoje. Provavelmente, essas salas de prática não terão letreiros luminosos à porta. Provavelmente, não são lugares muito visíveis ou fáceis de se achar. Provavelmente, também, os professores que você encontre nesses lugares serão praticantes dedicados que, por estarem em casa, não têm o rabo preso para falar sobre espiritualidade.

Por sua parte, o praticante deve estar disposto a fazer frente a quaisquer dificuldades que possam aparecer no caminho. Dentre elas, podem surgir obstáculos internos como o desalento, a falta de motivação, a inércia ou a dúvida. Os obstáculos externos que o yogi encontra atualmente incluem professores despreparados e materiais de estudo e prática moderninhos e atraentes, mas vazios. Cabe a cada um, usando o bom-senso, evitar cair nessas armadilhas e trilhar pacificamente seu próprio caminho em direção à liberdade. Namaste!

 

  

Publicado originalmente na revista Prana Yoga Journal: www.eyoga.com.br.

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. IdaPingala

    Olá, Pedro.

    Gostaria de colocar uma dúvida aqui que me inquieta. Eu não sou yogue mas gosto muito do yoga e por causa dele me mantenho vegetariano há muitos anos. Por ter estato em contato com linhas de yoga no Brasil que apresentam-se como opostas a filosofia do Vedanta, fica minha dúvida em relação ao que seria samadhi e ao que seria moksha.

    É possível dizer, como fazem algumas linhas de yoga, que a filosofia tântrica é de afirmação e a filosofia vedanta é uma via de negação? Dizer que o samadhi seria a iluminação da consciência (meta do tantra) enquanto moksha (meta do vedanta) seria a busca da libertação desse mundo, negando-o assim como o próprio ser? Dizer que ter como objetivo moksha seria no sentido de anular o nosso eu em um processo de renúncia? Bom, resolvi colocar minha dúvida aqui porque essa é uma idéia muito difundida no Brasil. Talvez você já tenha escrito sobre isso alguma vez. Senão, fica a sugestão, já que confio no seu conhecimento sobre o assunto. Obrigado.

    Harih Om.

    ========

    Caro(a) IdaPingala,

    Desculpe a minha falta de sutileza, mas essa retórica parece incompreeensível para mim. O que significa exatamente "a filosofia tântrica é de afirmação e a filosofia vedanta é uma via de negação"? O Vedanta ensina quem nós somos. Saber quem somos é moksha. Isso não tem nada a ver com "anular o nosso eu". Não precisamos mudar nem apagar nem borrar o ego, se é a ele que voce se refere quando usa a palavra "eu".

    Abraços,

    Pedro.


    Responder


  2. Larissa Leal

    Pedro,

    É isto ai, mais uma ótima reflexão. Estou rindo sozinha listando mentalmente todas as coisas, aulas e lugares que nos últimos tempos mostraram cara de Yoga, cheiro de Yoga, mas não são Yoga.

    NamasteI


    Responder


  3. Rodrigo Yáñez

    Hola Pedro,

    nos conocimos hace unos años en un retiro en CanalOM en Chile. Andava dando vueltas por internet y encontré tu artículo. Tienes toda la razón. Es muy facil hoy en día ver usada la palabra Yoga para usos que uno ni se esperaría. Por lo menos en Occidente la palabra yoga suele identificarse con ejercicios fisicos, nada de pranayama, nada de meditación menos forma de vida... es una lastima, pero por otro lado, estos malos usos hacen que algunas personas se acerquen al yoga, por ese mal uso de la palabra y descubrán el otro, el verdadero (¿se puede decir el verdadero?), que les cambie y les guié, como bien dices tu, por su propio camino en dirección a la liberación (como dice un viejo refrán, "Nadie sabe para quien trabaja").

    Salud, desde más al sur.

    Rodrigo.


    Responder


  4. Luiz Carlos

    O que acontece também, é que o yoga, largamente difundido nas academias de ginástica, entrou no rol das atividades físicas, com o diferencial de mais saúde e alguma espiritualidade.

    Era comum nessas aulas alguns alunos sairem qdo cantávamos mantras ou fazíamos meditação.Não gostavam dessa parada. Para grande parte dos praticantes de academia o yoga é isso, e isso basta.

    E dessa forma, que também é positivo para o yoga, pois tem sempre alguém que se interessa mais profundamente, e é um grande mercado de trabalho para os professores de yoga, que são formados anualmente pelas diversas correntes do yoga.

    Tudo dentro da ordem.


    Responder


  5. Suzana Leandro Gonçalves

    Olá Pedro!

    Este ano estou em casa e não estou dando aulas ainda. Mas estou aprendendo e compartilhando tanto com meu filhinho, o Francisco...que simplesmente sinto que tudo é perfeito, pleno, lindo, " Moksha"!

    Simples assim... Estamos realmente felizes! Pratico o Yoga todos os dias. Confesso que não aquele; no tapetinho conforme as aulas práticas. Mas, neste momento, pratico o Yoga da música, da paciência, da dedicação e do Amor.

    E isto está sendo maravilhoso!!!

    Um abração!

    Namaste!

    Suzana.


    Responder


  6. Ricardo Vaz Monteiro

    Pedro,

    Poxa, excelente texto.

    Acho que ele vai na raiz do problema mesmo.

    Muito bohmmm!

    []\\\'s,

    Ricardo.


    Responder


  7. José Fernando

    Excelente materia, que coloca as coisas às claras e acredito ajuda muita gente a retomar o foco.

    Uma observação que fiz a algum tempo em alguns lugares o yoga está sendo modificado para atrair as pessoas para ter mais " clientes".

    Eu diria, sendo que perde toda sua verdade e essencia! pois acredito que as pessoas nunca conseguirão se realizar desta forma pois estao trilhando por um caminho que não é verdadeiro.

    O Yoga deve ser apresentado da maneira mais pura possivel , e quem quiser entrar na caminhada que venha o caminho é para todos.

    Agradeço o texto e esse espaço de estudos que nos coloca sempre em contato com a verdade!

    Namaste!


    Responder