Conheça, Entrevistas

A vida do professor de Yoga

Quando da estadia em Portugal para orientar sua primeira Formação de Professores de Yoga fora do Brasil, Pedro Kupfer respondeu uma longa lista de perguntas acerca do que significa ser professor

· 23 mins de leitura >

Esta entrevista foi concedida à professora de Yoga e jornalista Ana Sereno, durante o passado mês de Agosto de 2008. Quando da sua estadia em Portugal para orientar a sua primeira Formação de Professores de Yoga fora do Brasil, Pedro respondeu a uma longa lista de perguntas acerca do que significa ser professor de Yoga. As opiniões deste professor sobre a missão daqueles que querem passar o ensinamento e o cenário actual do ensino do yoga para ler nesta entrevista.

A Formação.

É a primeira vez que trazes esta formação para fora do Brasil? O que te motivou a fazê-la em Portugal?

Sim, é a primeira vez que ministro esta formação completa fora do Brasil. Já havia visitado Portugal várias vezes anteriormente, mas nunca conseguia aceitar convites para dar cursos, pois apenas passava pela Europa, nas viagens entre o Brasil e a Índia. Dois anos atrás, depois de recusar vários convites por esse motivo, consegui finalmente vir. Gostei tanto do que vi em Portugal que passei a incluir a terra de Camões no meu roteiro anual. Ano passado, conversando com o professor Miguel Homem, achamos que já havia um número suficiente de praticantes motivados para participarem do curso de formação, que é bastante exigente. Ele organizou belamente a primeira turma e o resultado superou todas as expectativas, tanto em termos humanos, quanto em termos de prática e estudo.

Pelo que conheces da realidade do Yoga em Portugal, como descreves o cenário da formação no nosso país?

Considero que é um privilégio participar deste momento tão especial que o Yoga está vivendo em Portugal. Percebo que muitas pessoas estão começando a “sair da casca”, a ampliar a própria visão da prática e do trabalho com Yoga. Isso me deixa muito contente e motivado para continuar esse processo. A iminente fundação do que poderá ser a Aliança do Yoga em Portugal é mais um sinal de que as coisas estão mudando para melhor aqui, uma vez que a comunidade de professores e praticantes é coesa e motivada para fazer um trabalho autêntico e transmitir livremente a tradição, desvencilhando-se das formas sectárias ou distorcidas que prevaleceram nas décadas anteriores.

Consegues identificar diferenças na forma como o Yoga é ensinado em Portugal, relativamente ao Brasil?

Não percebo alguma diferença essencial, já que o Yoga é universal e a forma de transmiti-lo não tem mudado significativamente ao longo dos tempos. Porém, percebo uma grande sede de aprender e motivação muito profunda nos portugueses, e isso faz uma bela diferença no resultado.

E os portugueses? Qual é a tua opinião sobre esta primeira “fornada” de professores formados por ti?

A convivência com os praticantes daqui foi a coisa mais agradável que vivi este ano! Como disse acima, fiquei admirado com a firmeza da resolução dos portugueses em aprender. Lembre que o professor somente realiza sua missão quando há praticantes motivados para aprender. De nada adianta sabermos muito, se estamos sozinhos e sem poder compartilhar aquilo que amamos. Essa motivação poderá ajudar imenso esta primeira geração de professores a superar as eventuais e inevitáveis dificuldades que possam surgir ao longo do caminho de cada um. Igualmente, impressionou-me a solidariedade, a flexibilidade e a harmonia no convívio que tivemos durante este primeiro módulo na Quinta das Águias, em Paredes de Coura.

Ser Professor de Yoga

O que deve um professor de yoga cultivar?

Na verdade, esta pergunta já está respondida no código de conduta yogíca. São aquelas dez coisas que Patãnjali propõe, ou aquelas outras vinte que estão no código de conduta de Svatmarama, que estão na Hatha Yoga Pradípika. No mínimo dos mínimos o professor de Yoga deveria cultivar o código de Patãnjali.

Qualquer código de conduta é baseado na importância que a sociedade dá ao dharma e a regra de ouro do dharma é ‘não faça aos outros aquilo que não gostaria que eles fizessem consigo’, portanto, ahimsa é a base para tudo. Neste sentido, o professor de yoga precisa de saber que ele é, em primeiro lugar, um yogi e, em segundo lugar, um professor de yoga. Isto não pode ser invertido.

O yogi deve então cultivar a não violência, no sentido em que todos à sua volta não devem vê-lo como uma ameaça. Esta é a primeira coisa que a pessoa deve cultivar, primeiro como ser humano, depois como yogi e em terceiro lugar como professor. Sem ahimsa não há humanidade no ser humano.

Satya. O professor tem de ser verdadeiro. Não pode dizer uma coisa e fazer outra. Não pode haver incoerência entre o que se pensa, o que se diz e o que se faz. Mas também isto é aplicável primeiro ao ser humano, depois ao yogi e em terceiro lugar ao professor de yoga. A questão é que este está numa situação peculiar pois ocupa uma determinada imagem na sociedade. Dentro da sala o professor tem poder e é possível que os alunos idealizem e achem que ele é um santo, coisa que ele não é. Ele é um ser humano normal como qualquer outro, que aprecia as qualidades de um santo mas que, muito provavelmente, ainda não se conseguiu estabilizar dentro destas virtudes.

Se formos olhar para os exemplos do passado, há muito poucos de conduta irrepreensível. Apesar de tudo, sejam quais forem os problemas que o professor de yoga tenha, nunca deveria derramá-los para dentro da sala ou para cima de alguém ? isto é continência, que nos yamas aparece como bramacharya em relação à conduta, e que no código dos nyamas aparece como esforço sobre si mesmo ou tapas, que é a capacidade de criar um limite para si mesmo, e de crescer a partir desse limite.

Neste contexto cabe ainda asteya, não tirar aos demais tempo, energia ou emoções e tão pouco permitir que os outros façam isso consigo. Assim, na sua conduta o professor de yoga também deve ser parcimonioso ao não exigir dos outros professores, dos amigos, da família, dos alunos o seu tempo, por exemplo.

Aparigraha, que se traduz como satisfazer-se com o mínimo, e que pode ser resumido com duas palavras – não possessividade – é outra questão interessante para o professor de yoga cultivar. Todos nós, naturalmente, queremos o mínimo, mas querer o mínimo e entendê-lo não é a mesma coisa. Na medida em que o yogi estiver tranquilo em relação à questão da abundância do Universo e estiver sintonizado e aberto para ela, a prosperidade flui em direcção a si, isto está no Yoga Sútra ? quando a pessoa se contenta em ter o estritamente necessário, todas as riquezas fluem em sua direcção.

Estes são os primeiros cinco yamas de Patañjali que o próprio afirma serem elementos universais, ou seja, eles deveriam ser cultivados por todas as pessoas, independentemente de posição social, de profissão, de tempo, de lugar ou de circunstância. O professor de yoga especialmente deveria cultivar isto – coerência, veracidade, honestidade e não-violência.

O que é que um professor de yoga pode ter de sobra e o que não deve ter nem um bocadinho?

Na minha opinião, o professor de yoga não deveria ser chato. Ninguém vai querer praticar com um professor chato. Não importa se a pessoa sabe muito, fala bem, tem um belo sotaque. Não importa as palavras que usa, o discurso, o currículo. O professor de yoga precisa de ser um ‘cara bacana’, tem de ser uma pessoa de boa índole, de carácter, que tenha abertura e simpatia para comunicar com os praticantes.

Swami Vivekananda dizia ‘cara feia não é sinal de espiritualidade mas sim de disepsia’. Ás vezes, vemos alguns jovens entusiastas e alguns velhos ‘avinagrados’ assumirem uma postura absolutamente seca e amargurada. Pode ser apenas uma opinião minha, mas se eu vejo que Patãnjali fala em santosha e que Krishna fala a Arjuna de kshanti, que é essa capacidade de estar tranquilo, de estar em paz, de estar feliz por mais que a situação seja de instabilidade, aceitando o fluxo do devir, então isto é o que não deve faltar a um professor de yoga.

O que distingue um professor de um praticante experiente e dedicado? Para além da formação, ao primeiro colocam-se mais exigências?

Dependendo daquilo que entendermos por experiente e dedicado, a diferença pode ser apenas o facto do professor ensinar. Se este praticante é um yogi e se o professor também é um yogi, a única diferença formal é que um dá aulas de yoga e o outro tem outra actividade.

Não diria que se coloquem mais exigências ao professor, porque um praticante dedicado, um yogi, não vai ter uma conduta diferente da conduta do professor e espera-se, igualmente, que este também tenha a conduta de um yogi, portanto, neste sentido, não podem haver diferenças. Se existirem, é pelo facto de o professor de yoga ter assumido como adequado que todas as suas acções girassem em torno do yoga, o que não quer dizer levar uma vida de yoga. Um praticante sério e dedicado pode viver uma vida de yoga sem ser professor, sem ter apenas amigos praticantes, sem frequentar apenas ambientes de yoga, sem ser casado com um professor de yoga ou com outro praticante… Viver uma vida de yoga é sermos capazes de aplicar o ensinamento no quotidiano.

Uma melhor compreensão do yoga faz com que uma pessoa se afaste em relação a hábitos como sejam o álcool, o fumo, as drogas ou uma alimentação desequilibrada?

Sim, porque esta lista de coisas são atitudes auto-destrutivas, ou seja, não têm ahimsa. Na medida em que nos tornamos conscientes de que as nossas decisões nem sempre foram nossas, mas que vieram na forma de condicionamentos externos, quando aprendemos a discernir o que é bom e o que não é bom para nós, naturalmente, afastamo-nos do que é mau, pernicioso e perigoso e estabelecemo-nos dentro daquilo que é sadio. Desta maneira, existe o pratyahara, que é o quinto passo do Yoga de Patãnjali e que tem o objectivo de fazer a pessoa ver o que lhe faz bem e afastar-se daquilo que não lhe faz bem. Desta forma, a prática dentro da sala duas vezes por semana, nem que seja só de ásana e pranayama, serve como um gatilho para desencadear iniciativas de mudança para melhor nos hábitos da pessoa.

Estarão estes hábitos relacionados com a cultura onde cada um se insere ou serão uma realidade intrínseca da cultura do yoga?

Onde o yoga nasceu, o vinho, por exemplo, é algo recente. Na Índia, o consumo de álcool é algo muito mal visto. Culturalmente falando, o hábito de comer ou beber ‘maconha’ em algumas festas não é visto da mesma forma como beber álcool. O objectivo não é o mesmo daquele que se procura quando se faz uma festa no Ocidente e se oferece champanhe aos convidados. O consumo desta droga na sociedade indiana está directamente associado com a devoção às formas do divino. No Holi, que é o aniversário de Krishna, todos os indianos, novos ou velhos, tomam bhang lassi, mas é uma vez por ano e com aquele objectivo. Agora, nunca vi um professor de yoga indiano com uma lata de cerveja na mão.

Como é que estes hábitos estão descritos nos textos antigos?

O consumo de álcool, na forma de ritual, aparece no Kularnava Tantra, mas não é embebedar-se, muito menos todos os dias, é beber um cálice de vinho num ritual que faz parte de uma ideia maior que consiste em quebrar com os condicionalismos que a sociedade coloca no indivíduo, dentro daquela cultura. Este ritual chama-se panchamakara ? o ritual das cinco letras ‘m’. No quarto capítulo do Yoga Sútra diz-se que existem yogis que entram em samádhi, usando aushadhi que se traduz como erva, e que no contexto em que Patãnjali a coloca se refere ao haxixe, ao ópio e à maconha. O Yoga Sutra apresenta uma lista de práticas pois Patãnjali não ia deixar de registar aquilo que se fazia na sua época. Hoje em dia, há yogis na Índia que se vêm como continuadores do trabalho de Goraksha e que fumam maconha, são conhecidos como Nágabhavas, são shivaístas. Dentro dos vaishnavas existe um outro grupo de yogis que se conhecem como Kyaghis e que fazem a mesma coisa. Faz parte, então, da tradição e da cultura da Índia. Estes hábitos estão descritos nos textos, sempre dentro de contextos rituais.

A este propósito, saiu há tempos um artigo no New York Times, anunciando um retiro em Itália cujo mote era ‘Yoga and Wine ? práticas e degustações de vinho’. Qual é a tua opinião sobre isto?

Se alguém me convidasse para um retiro de yoga com vinho eu não iria, porque se yoga trata de descondicionar, de livrar-se de hábitos mecânicos de condicionamento, yoga e vinho parece-me contrário ao propósito de moksha, liberdade e auto-conhecimento. Parece-me uma iniciativa da Kali Yuga, a época de conflito que estamos a viver, na qual a distorção do yoga é cada vez mais flagrante.

Em relação àqueles hábitos de que falamos, onde está a barreira para um professor de yoga? No exagero?

Sim. Nesta questão moderação talvez seja a palavra chave e depois a decisão cabe a cada um. Eu conheço um professor de yoga que fuma tabaco. Ele é um bom professor de yoga mas nunca conseguiu desenvencilhar-se daquele hábito de muitos anos e que por isso está muito enraizado…

Mas existem muitos outros problemas humanos que não estão nesta lista, os problemas emocionais, por exemplo. Às vezes as emoções transformam-se em vícios muito piores do que estes hábitos que listamos e se eu quero ser livre tenho de me livrar delas também. O professor de yoga pode não fumar, não beber, não comer carne mas isto é secundário, porque o principal é se ele está bem resolvido emocionalmente e se as suas acções, as suas palavras e as suas atitudes no mundo condizem com o estado de santosha (contentamento). Mais ainda, se ele é capaz de levar isso para o convívio com os demais e se ele é capaz de inspirar outras pessoas neste sentido.

Há um ditado taoísta do qual eu gosto bastante, não me recordo exactamente como é, mas didacticamente diz que às vezes algo que não faz muito bem ao corpo, mas que conforta a pessoa, é melhor do que livrar-se desse algo e ficar carente e desequilibrado por dentro.

A atitude subjacente à adopção ou rejeição de hábitos em consonância com o ensinamento deve ser de renúncia, aliada a força de vontade, ou de desapego?

A repressão não funciona. Reprimir ou conter sem haver entendido o porquê dá sempre errado. O que funciona e produz mudanças definitivas e duradouras nas atitudes das pessoas, o que promove a cura ou a transcendência em relação a um hábito auto-destrutivo, é a compreensão. Esta leva-me a exercer o desapego, que consiste em ver as coisas exactamente como elas são. Ao olhar para um hábito auto-destrutivo eu tenho de vê-lo exactamente como ele é ? o consumo de tabaco é o consumo de tabaco e não é uma fonte de felicidade.

Intrinsecamente, renúncia e desapego são a mesma coisa, e quando eu vou trabalhar neste sentido eu vou também precisar de força de vontade. Tudo o que nós fazemos com apego fazemos porque, em algum nível, achamos que daquela acção vem felicidade. Quando nos damos conta disto as máscaras das coisas caem e, assim, se antes o fazíamos por hábito para podermos ser felizes, depois percebemos que a nossa felicidade não depende desse hábito. Isto é visão objectiva, ver as coisas como elas são.

Onde se situa a fronteira entre a liberdade individual do professor e aquilo que ele deve representar, enquanto um exemplo a seguir pelos alunos?

Esta é uma pergunta delicada. Pessoalmente, eu acho que não poderia haver nenhum milímetro de distância entre o que eu sou e o que eu demonstro ser. Estas duas coisas deveriam estar completamente coladas, de modo que, exercendo a honestidade, eu não esconda nunca questões que ainda não resolvi. Não pode haver incongruência, incoerência entre o professor e a pessoa. Não é sequer questão de ser professor ou não, mas de ser um humano coerente, estabelecendo uma coerência entre o discurso e a acção. O melhor exemplo que o professor pode dar, então, é simplesmente ser coerente.

Na tua perspectiva, qual a importância da prática pessoal para um professor de yoga?

Como ensinar a tocar violino sem saber quantas cordas tem um violino? Como ensinar algo sem possuir uma certa familiaridade e intimidade com aquilo que nos propomos a ensinar? Como se constrói um professor de yoga? A partir de um praticante sério e dedicado. A prática pessoal é fundamental porque dali vem o substrato com o qual se vai construir as aulas que se dão. Esta prática vai evoluindo e a aula é um reflexo de como está a prática pessoal do professor. Observamos que quando há pouco tempo e muito trabalho a pessoas sacrificam a sua prática pessoal. Mas o que entendemos por prática: é fazer ásana, meditação, pranayma, é estudar, é aplicar o estudo na vida quotidiana? Na vida de yoga, prática é ter um momento do dia para a sua reflexão pessoal, para o seu estudo, independentemente se isto é feito através de uma meditação de um pranayama de uma saudação ao sol, o que for… Depois a aplicação do ensinamento sobre o qual se fez a reflexão na prática vem para o quotidiano e aí sim temos um yogi, que é coerente entre o que faz e o que ensina.

Qual a importância para um professor de yoga de conhecer a Índia?

Nenhuma. Um professor de yoga pode ser um óptimo professor sem nunca ter pisado a Índia. Um exemplo disso é Georg Feuerstein que foi pela primeira vez à Índia há dois anos atrás e, no entanto, escreveu mais de 30 livros sobre yoga.

Existe aquela ideia de que ir à Índia funciona como uma pós-graduação. Pela ordem: eu sou um praticante dedicado, depois torno-me vegetariano, depois faço uma formação, dou aulas de yoga e faço uma viagem de estudos à Índia. Uma viagem de estudos pode ser feita para qualquer lugar. O conhecimento está onde estiver o professor, não necessariamente na Índia, principalmente nestes tempos globalizados em que vivemos. A Índia em si não tem o yoga, o yoga está na Índia como em muitos outros lugares.

Como hoje em dia existe aquela popularização massiva do yoga no Ocidente, muita gente viaja para a Índia em busca do yoga, tendo lá surgido uma nova geração de professores ambiciosos que não são honestos e que querem enganar estas pessoas. Quando fui à Índia pela primeira vez tive dificuldade em arranjar bons professores.

Algum tempo depois, fiquei com dúvidas e decidi voltar para lá para reaprender tudo o que sabia, porque algumas coisas percebia que estavam equivocadas, para me reprogramar com alguém que me corrigisse tudo. No primeiro dia encontrei logo aquele que seria o meu professor, hoje em dia não é tão fácil. Recebo muitos emails de pessoas que dizem que vão para a Índia sem expectativas, de mente aberta, à espera que algo de mágico aconteça, mas geralmente, se a pessoa não prepara a viagem frustra-se. A Índia dos livros de fotografia não é a Índia, mas um pequeno ângulo dela.

Hoje em dia, os professores que se encontram na rua e que oferecem aulas de yoga ou sámadhi instantâneo, em 90% dos casos querem enganar as pessoas. Há menos de 10% de chance de encontrar um professor bom e honesto. O facto de estar na Índia não ensina yoga a ninguém. Pode ser uma experiência de vida, uma experiência gastronómica, musical, mas se o objectivo for yoga é necessário preparar-se antes, pesquisar, interrogar, pedir conselhos…

O ensino do Yoga na actualidade

Hoje em dia, no Ocidente, o yoga aparece cada vez mais como técnica e menos como cultura. Achas que existem cada vez menos professores de yoga e cada vez mais professores de técnicas de yoga?

Neste momento de popularização extrema do yoga, não apenas no Ocidente, mas na Índia também, existem muitos professores de técnicas e poucos yogis.

Desde antigamente, o yoga nunca foi dirigido ao grande público. Se formos procurar nos shastras verificamos que o yoga nunca foi destinado às massas. Krishna diz a Arjuna na Baghavad Gita ‘são poucos os que têm interesse em moksha e, desses poucos, menos são os que conseguem realizar alguma coisa, e destes, são muito menos ainda aqueles que conseguem realizar a vida na sua plenitude máxima’.

Neste sentido, se formos ainda mais para trás até às Upanishads, lê-se aquela afirmação da Katha Upanishad que fala sobre o fio da navalha ‘estreito é o caminho’. Não há muita gente disposta a andar no fio da navalha. Então yoga como fenómeno para o combate ao stress, para a manutenção da saúde e do bem?estar é uma coisa, agora yoga como caminho para moksha, como instrumento para colocar em prática o auto-conhecimento é para poucos e neste sentido, deparamo-nos hoje com esse paradoxo de ver muita gente a ensinar yoga, transmitindo técnicas baseadas na presunção de que yoga é um sistema para manter conforto, bem-estar e saúde e poucos, inclusivamente dentro da nação dos professores de yoga, o vêem como o que ele desde sempre foi ? o caminho para a liberdade.

A diferença poderá estar vinculada com o estilo de vida ou com a cultura à qual o professor pertence?

O estilo de vida ou a cultura na qual nos inserimos são secundários em relação a isso. Voltando à Baghavad Gita, quando Arjuna pergunta a Krishna ‘como age esse yogi liberto?’ ele quer saber como reconhecer o sábio, mas olhando por fora não existe nenhuma diferença. É como diz o ditado do budismo zen ? ‘antes da iluminação cortar lenha, carregar água. Depois da iluminação cortar lenha, carregar água’. Não muda nada. Se o estilo de vida era ocidental deverá continuar a sê-lo e se era oriental, igualmente. A pessoa aprecia as coisas da própria cultura e sociedade e dá-se conta que precisa de devolver alguma coisa para esta mesma sociedade onde nasceu. Ela não renuncia à sociedade, desconsiderando tudo o que ela lhe deu de bom, isso seria uma atitude de ingratidão.

Tudo o que nós somos e temos veio da sociedade. Na Índia existem dois nascimentos, o primeiro e o segundo no qual o hindu recebe o cordão Yajñopavitam, com três fios ? ida, píngala e sushumna; tamas, rajas e satva; os três princípios da realidade. Eles representam três dívidas que a pessoa tem de pagar: a dívida para com os ancestrais (pitra rihna), que se paga tendo e educando os filhos e assistindo e cuidando dos pais; a dívida para com os sábios (rishi rihna), que ensinam a arte de viver ou a vida de yoga e que se paga ensinando a próxima geração; a dívida para com a sociedade (dharma rihna), segundo a qual eu devo dedicar uma parte do meu tempo para o bem-estar das outras pessoas.

Qual o papel do karma yoga na vida de um professor?

Existe um consenso em alguns sectores da nação yogika que diz que a sua maneira de pagar a dívida com a sociedade deveria acontecer levando o yoga até às pessoas que à partida poderiam não ter acesso a ele. Neste sentido, o professor de yoga não precisa deixar de fazer a sua actividade, mas dentro daquilo que faz, dedica um momento, da sua semana ou do seu dia, aos demais, levando o yoga até aqueles que não conseguem ter acesso à sua escola, ensinando em hospitais, instituições ou prisões, por exemplo. Neste contexto, então, karma yoga é o que se conhece como o yoga da acção social.

O papel do karma yoga é, por um lado, o pagamento dessa dívida que o ser humano tem desde o nascimento e, por outro lado, tem a função de acumular punya, através da acção adequada, que é aquela que é meritória e que traz paz e tranquilidade.

Que estilos de vida estão em consonância com o dharma?

Todos. Qualquer sociedade humana sempre criou formas de interrelacionamento, nas quais aquele princípio áureo do dharma de não fazer aos outros aquilo que não gostaria que fizessem comigo, estivesse sempre presente. Se considerarmos estilos de vida como formas em que a sociedade se organiza, todos os estilos de vida, de todas as civilizações, culturas e continentes, estão baseados no dharma. Agora, dentro de uma sociedade, seja ela qual for, nós vemos que existem indivíduos com estilos de vida diferentes. Quando um estilo de vida atropela esse princípio áureo da equidade e do equilíbrio e a pessoa exige mais do que dá, então isso chama-se de conduta adhármica ou que vai contra o dharma. Logo, os estilos de vida que estão em consonância com o dharma são aqueles nos quais o indivíduo, a família, ou a nação respeitam o direito comum e reconhecem que o outro, seja homem ou mulher, branco ou negro, cristão ou pagão, muçulmano ou judeu, hindu ou budista, têm os mesmos direitos do que eu.

Como procedes quando as tuas preferências não coincidem com o dharma?

As preferências de cada um não são as preferências do Ser, porque o Ser não tem ego. Quando ganhamos aquilo a que se chama livre-arbítrio temos de aprender a usá-lo e, para isso, se não formos capazes de nos colocar no lugar do outro, os frutos das nossas acções vão-se voltar contra nós. Assim, liberdade é algo que precisa de ser bem compreendido para procedermos quando as preferências do ego não coincidem com o bem comum. Se eu perceber que alguma preferência que eu tenha esteja a prejudicar o bem comum, outros seres vivos, ou a mim mesmo, renuncio a essa preferência, ela deixa de ter valor porque existe um valor maior, que é o dharma.

Onde se situa a barreira entre o professor e o empresário?

Tradicionalmente, o yoga sempre foi ensinado dentro de famílias, em grupos pequenos ou ‘tête a tête’. Conforme vai aumentando a procura, o mercado responde gerando mais professores. O sistema capitalista tende a massificar meios de produção e de consumo, então para baixar o custo aumenta-se a produção. A diferença entre um grupo de yoga dentro de um esquema de produção massiva e um grupo pequeno de alunos que se ensina em casa, é equivalente à diferença entre a guitarra que foi feita na cadeia de produção e a outra, que foi feita por um artesão, sozinho em sua casa, e com tempo para trabalhá-la. Nesta sociedade contemporânea em que vivemos temos muito o paradoxo do cash&carry, não queremos esperar.

Mas a resposta a esta pergunta é que não existe barreira. Cada um escolhe de que forma se vai relacionar com o trabalho de yoga. Algumas pessoas vão olhar para o yoga como um produto e, analisando, o mercado, vão ver de que maneira aquilo poderá ser apresentado para que tenham um retorno. O foco para o professor-empresário deveria ser ainda o yoga e não apresentar o yoga como um meio para aplicar a mais-valia em professores e pensar em massas de alunos para ter retorno financeiro. Em todo o caso, este é um efeito subsequente, não deveria ser o foco.

Há um fruto que retorna para o professor a partir do seu trabalho. Mas o foco para o ensinamento é moksha não é dinheiro. Ali está a diferença entre o professor-empresário em sintonia com a essência do yoga, e o outro que está focado apenas em ganhar dinheiro. O que busca moksha, paradoxalmente, obtém um resultado por vezes mais eficiente do que aquele que está centrado no dinheiro, porque este, muitas vezes, perde a credibilidade e perde o apoio das pessoas. Ninguém quer praticar com alguém que está centrado única e exclusivamente no dinheiro.

Eu gosto sempre de olhar para a forma com que se lidou com as questões na tradição do yoga, nos tempos passados, e sempre houve pagamento ao professor (dakshina ? que quer dizer direito). O Yoga nunca foi dado de graça, o conhecimento nunca foi de graça. Então, findos os estudos o aluno tinha a obrigação de dar dinheiro ao professor. Na Taittirya Upanishad, que é uma das mais antigas, descreve-se a situação de um menino que está a deixar a casa do professor na qual dormiu, aprendeu e estudou, durante anos e tem de deixar dinheiro antes de partir. Conta-se que este menino entrega o que é descrito como um presente digno (naquela época, vacas, tecidos, grãos?) e havendo oferecido este dakshina o professor dá-lhe um discurso final sobre como ele se deve comportar dali por diante.

Quando o aluno não tinha meios, pedia um mecenato, pedindo dinheiro ao Rei, que financiava os estudos dos alunos que não podiam pagar, pois aquele era o destino natural de uma parte dos impostos que ele recolhia da sociedade. Uma parte desses impostos ia para a manutenção de templos, estradas, obras públicas, e outra parte ia para financiar a educação daqueles que não tinham posses. Então, sempre houve uma retribuição do trabalho do professor, mesmo que não viesse directamente do aluno.

Dinheiro é uma forma de energia, é a energia de Lakshmi que é a Deusa da saúde, da beleza e da prosperidade. Em sintonia com Lakshmi, se eu me dedico ao meu trabalho e se dedico os frutos do meu trabalho a Ísvara, naturalmente vem alguma coisa para mim nessa forma de energia, que se chama dinheiro. Se eu não tiver como foco fazer muito dinheiro, é provável que eu ganhe mais do que se estiver totalmente centrado nessa ideia. O professor trabalha relaxado, porque ele faz o trabalho pelo dharma e aquilo é mais uma consequência, juntamente com os outros frutos que se ganham e que são imensuráveis.

O professor de Yoga na sociedade

Porque é que frequentemente os professores de yoga são vistos como indivíduos que vivem uma vida de sacrifícios e privações?

Depende muito do olhar de quem faz o julgamento. Pessoalmente, não acho que seja sacrificante ou difícil escutar ou repetir o ensinamento do yoga e, basicamente, o professor de yoga é alguém que partilha a prática com as pessoas porque ele próprio precisa de fazer essa prática e de ouvir o ensinamento. Então, dá-se aqui um processo de retroalimentação. Se nós escolhemos ser professores porque nos demos conta de que o ensinamento é interessante, é importante e precisa de ser compartilhado, qual é o sacrifício em ficar perto disso?

Talvez as pessoas olhem dessa forma para o professor de yoga, porque acham que a vida deste professor não tem nenhuma alegria. Se o professor de yoga não tem aquela vontade de adolescente de sair à sexta à noite e de andar sempre pelas festas, talvez quem olhe de fora pense ‘coitados, eles acordam cedo, não podem comer carne, não podem beber, não podem sair à noite?’ . Mas é tudo uma questão de prioridades, nada é imposto ou forçado. Muitas vezes o que as pessoas não se apercebem é que aquele desapego que foi exercido sobre estas pequenas situações do quotidiano, ou sobre a alimentação, foi exercido porque aquilo deixou de ter valor, não há um sacrifício. O facto de algumas pessoa seguirem um ritmo e outras seguirem outro diferente, faz com que as pessoas que seguem o ritmo predominante vejam as as outras como se elas se sacrificassem. Mas a bem da verdade, o professor de yoga não se priva de nada, ele definiu quais são as suas prioridades e age de acordo com elas.

Como agir para desmistificar a ideia de que o professor de yoga é um ser alienado da sociedade com hábitos diferentes, pontos de vista diferentes, valores diferentes??

Depende do que se entender por sociedade e por alienação. Na verdade, a presumida alienação do yogi não é uma alienação grave porque esta, literalmente, aplica-se a alguém que não pertence à sociedade. O professor de yoga constrói o seu próprio caminho nas seguintes bases: ele respeita as leis, mas não só respeita as leis humanas como também olha para o dharma que é a lei da harmonia universal e que tem regras que não estão escritas na lei humana. O dharma fala sobre o convívio entre os humanos, mas também da relação destes com a natureza, o cosmos e as gerações futuras.

Nesse sentido, existe um compasso entre o ponto de vista do yogi e o ponto de vista prevalecente na sociedade, em que o primeiro não está apenas respeitando a lei porque é necessário, senão porque ele próprio opta por levar uma vida em harmonia com o dharma, pois isso redunda num bem maior para si e para a sociedade. Depois, como o professor de yoga também é uma espécie de embaixador de outra cultura, porque a cultura do dharma nasceu no Oriente, através do budismo e do hinduísmo, tem algumas coisas que são ligeiramente diferentes ? alguns símbolos, roupas? mas isso acaba por funcionar como uma marca de identidade que todos os grupos sociais têm. Os surfistas têm a sua linguagem, o seu lugar de encontro, os seus lugares sagrados como Bali e Hawaii. Numa palavra – os professores de yoga também formam uma sub-cultura.

Porque se criam quase comunidades de professores?

Quando não nascemos numa família de yogis, mas nos reconhecemos como tal, é natural que o estilo de vida daqueles que compartilham os mesmos ideais nos atraiam. Então as comunidades são, na verdade, famílias, kulam em sânscrito, que quer dizer clã ou família estendida. Eu tenho uma família biológica e depois tenho outra família que é a família do yoga. Esta família não é uma abstracção, entre ela criam-se laços que permanecem em harmonia, tolerância e aceitação mútua, sendo o resultado desta convivência positiva.

Então, esta comunidade é uma família, com todos os problemas que uma família tem mas que não se separa por causa do dharma que mantém as pessoas unidas, dentro do mesmo ideal e objectivo ? moksha. Este objectivo vence todas as diferenças que existam entre os membros da família. Quando olho para um colega praticante vejo alguém que caminha na mesma direcção que eu.

Como lidar com os amigos, com as limitações que eles projectam em nós?

Amigo que é amigo vai compreender o que o amigo está a fazer e mesmo que não compartilhe o mesmo ideal ou a mesma visão a amizade não muda.

Como permanecer integrado numa comunidade cujas estruturas sociais estabelecidas, sobretudo para os mais jovens, marginalizam aqueles que não respeitam essas estruturas?

Isto Tem a ver com as sub-culturas que naturalmente se formam dentro das grandes estruturas culturais. Enquanto eu me enquadro nesses valores, repito esses gestos, pertenço a essa sub-cultura, mas se em algum momento eu deixo de ostentar esses símbolos sou colocado para fora pela minha própria atitude.

Neste sentido, as estruturas das tribos dos jovens por mais que pareçam coloridas, modernas e abertas são medievais, super fechadas ‘ senão pensas como eu és um alienígena’, ‘eu só falo com quem fala a minha língua’. Então quando temos amigos dentro de uma destas tribos, se eu mudo a minha forma de ser, mas a amizade existe, ela não se perde. A resposta à pergunta é que é impossível. O facto de eu viver a vida de yoga e seguir os seus valores não me vai colocar fora da sociedade mas é possível sim que, em algum momento, alguma pessoa observe ou se dê conta e mude determinados hábitos ? como deixar as drogas ou o álcool. A pergunta que eu faço é: eu preciso de pertencer a um grupo no qual eu sou julgado pelos meus actos e do qual eu vou ser irradiado se os meus actos não se encaixarem com os actos que esse grupo aprova? Posso pertencer se para mim isso for importante, por uma questão de identidade cultural, mas se eu achar que não preciso disso não fico, e as amizades verdadeiras vão permanecer por mais que as pessoas naveguem em navios diferentes.

2 respostas para “A vida do professor de Yoga”

  1. Embora só lí essa entrevista hj, achei mais atual que nunca, ou melhor, atemporal. Muito lúcida e capaz de trazer luz sobre a questão de ser ou não um professor de yoga, de estar preparado para os desafios, os olhares, as cobranças, e também para a parte boa; poder compartilhar o que aprendeu, a partilha e a força do grupo, e até para a parte perigosa; estar no centro das atenções, se expor.
    Obrigada de coração, foi bom ler sua entrevista, O Divino em mim reverencia o Divino em você, hj e sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *