Pratique, Yoga na Vida

Das escolhas

Os cães podem ser grandes professores de Yoga. Aprendemos muito só de olhar para eles. Estão sempre alerta, sempre atentos a tudo, sempre presentes, sempre no aqui e no agora! Suas mentes não guardam lembranças nem tão pouco fazem projetos para o futuro nem para quando a aposentadoria chegar.

· 2 mins de leitura >

Os cães podem ser grandes professores de Yoga. Aprendemos muito só de olhar para eles. Estão sempre alerta, sempre atentos a tudo, sempre presentes, sempre no aqui e no agora! Suas mentes não guardam lembranças nem tão pouco fazem projetos para o futuro nem para quando a aposentadoria chegar.

Eles simplesmente são. Simplesmente estão. Nos momentos em que descansam, estão sempre atentos. Sempre prontos ao menor sinal de perigo. Possuem instintivamente aquela atenção relaxada, aquele conforto na tensão, que buscamos na prática de asana: sthirasukham.

Agem através do instinto e não do discernimento, por isso não podem escolher ser vegetarianos ou praticarem hatha yoga. Mas em seu amor incondicional, em sua entrega devocional, são grandes karma yogis.

Cães que foram abandonados e adotados são pura gratidão. Puro santosha, puro contentamento, abanando o rabo e sempre prontos a nos proteger e amar. Olham profundamente em nossos olhos com uma sinceridade ímpar, e assim, nos mostram o quanto são gratos e aceitam, literalmente, qualquer migalha como se fosse o melhor presente do mundo.

Estar ao lado deles tem sido uma das mais freqüentes escolhas que tenho feito ultimamente. Muitas vezes deixo de ir a festas ou cursos que certamente me enriqueceriam muito para ser recebida por duas cadelas em um sítio onde me recolho todos os fins de semana.

Perco shows, palestras, retiros, cursos e viagens e ganho mato, rio, amor, silêncio, paz. Escolhas… Sei que cada escolha implica em perdas e sinto pelas coisas que deixo de fazer, mas recebo os frutos das minhas escolhas e aprendo com eles. Me pergunto sempre se é necessário viajar, de fato, pra conhecer o mundo.

Saramago já dizia que não é preciso sair da ilha para se descobrir a ilha. Me pergunto ainda se é preciso ter um mestre vestido de laranja. Ou ainda, se é fundamental o estudo das escrituras para me iluminar.

Quando acordo com o sol e saio descalça na terra pra assistir ao desfile de pássaros ao amanhecer, tenho fragmentos de samadhis, em que abandono qualquer identificação com meu corpo e me transformo naquilo que vejo e ouço, nos pássaros, no rio, nas árvores, no sol.

Quando vejo o desabrochar de uma flor que plantei, ou quando rego os jardins que inventei, me transformo na água que rega as flores e viro chuva, e me esqueço de nomes, de profissão, endereço e apenas sou.

Aprendo lições com a chuva, com a lua e as estrelas. Longe de TV, de DVDs, de computador, internet, e tudo aquilo que na cidade consome meus sentidos, consigo sentir a presença eterna, plena e ilimitada que sou.

Na cidade, minha meditação compete com uma quantidade enorme de estímulos. No mato, tudo leva para dentro. Tudo nos leva a meditar. Ter um rio passando constantemente diante de seus olhos nos leva a refletir sobre a impermanência da vida a cada segundo, a cada volta que o rio dá.

A natureza mudando descaradamente diante dos olhos, sem o menor pudor. Sem disfarces, botox ou photoshop. Escancarando as nossas mudanças diárias, a cada lua, a cada amanhecer, a cada chuva.

E a gente ali observando, aprendendo com cada movimento, com cada momento. No entardecer, o quanto pode um por do sol nos ensinar se soubermos olhar. O mesmo rio, os mesmos pássaros, mas tudo completamente diferente.

Então, compreendo que os ensinamentos das escrituras visam preservar uma tradição, mas a compreensão do conteúdo destes ensinamentos também podem vir da prática, de um profundo contato com a natureza, de grandes períodos de silêncio, ao lado dos animais, plantando e colhendo de forma orgânica, vivendo com o que se produz, reciclando, fazendo compostagem, produzindo a menor quantidade possível de lixo.

Amando e respeitando, reverenciando todas as estações do ano, nutrindo e preservando a natureza como um Swami faz com a sua tradição, também pode ser uma escolha. Namaste!

16 respostas para “Das escolhas”

  1. Estranha coincidência, ou coincidência significativa…

    Hoje, após visitar o local onde enterrei o Elves, meu amigão cão… hoje, após (re)encontrar o cão (Galileu) que adotou meu local espaçoso de trabalho para morar, hoje, após tomar um banho de ducha com as minhas 2 cadelas (de rua) pela primeira vez… hoje tudo isso após minha prática de Yoga…

    … li este texto sobre Yoga e o exemplo dos cães!

    Hoje fazia tempo que não chorei. Hoje sorri gostoso, rasgando a boca numa alegria bem divina prá mim.

    Obrigado pelo poema, pelo texto e poesia.

    Flávio.

  2. Mais uma vez, a sincronicidade. A quase um mês meu cachorrinho fugiu e estou sofrendo demais, mas com o coracão cheio de esperança e fé de encontrá-lo.
    Estou lutando para isso. Essa dor e esse sofrimento me fazem voltar com mais força para a prática que estava quase abandonada, o que está sendo muito bom pra mim.
    E depois de muito tempo sem abrir esse site, hoje acordei e resolvi acessar para ter um ensinamento qualquer, randómico…
    E eis o primeiro parágrafo: “Os cães podem ser grandes professores de Yoga”. Nada é por acaso.
    Para quem tiver interesse de ler um pouco a história do meu cãozinho Gandhi de como ele apareceu e desapareceu da minha vida: http://www.gandhibaldinho.blogspot.com/
    Namastê!

  3. Irmã querida,
    Adorei seu texto.
    É um prazer mais uma vez ver artigo seu publicado aqui!
    Parabéns! Namaste!

  4. Não troco minha lealdade e a dedicação que tenho pela cachorrinha Honey, por nenhum SER que podemos chamar HUMANO nesse planeta.
    Maravilhoso o texto; parabéns!

  5. Minha convivência com o Tico (meu cocker maluco preto e branco) também tem sido uma oportunidade de prática.
    Por vezes, quando abduzido por meu mesquinho eu, rechaço sua alegria em me ver com seu infinito pedido de carinho e atenção.
    Outras vezes, felizmente em maioria, com humildade me dedico a servi-lo e a amá-lo, e meu coração se enche de felicidade por vê-lo alegre e satisfeito, ao se retirar para o seu cantinho.
    Puro amor, puro Yoga.
    Namaste!

  6. Tê querida,
    Essa é a verdadeira beleza dos ensinamentos do yoga. Realizar que em cada situação que experenciamos repousa uma oportunidade de conhecimento, crescimento e de agradecimento – seja observando a natureza, estando consigo mesmo ou na companhia de pessoas, assistindo a um bom show de música ou qq outra coisa q estejamos fazendo, estando 100% presente…
    Belo texto!
    Bjs,
    Dri.

  7. Namaste querida Tereza!
    Muito lindo seu texto, tocou meu coração!
    Obrigada por partilhar conosco!
    BeijOm!

  8. É Teresa,
    os cães são grandes karma yogis : ).
    O Dalai Lama diz que os animais sao o melhor exemplo do que é um avatar: a forma como fluem com prakriti é uma verdadeira liçao para quem tiver a sensibilidade de ver.
    Também a minha existência tem sido abençoada com a companhia de uma cadela que foi abandonada, e identifico toda essa tua experiência.
    Há um mestre (nao me recordo o nome) que diz “podes conhecer o mundo e alem, sem abrires a janela do quarto”.
    Krisnhamurtii diz que nao precisas de nenhum guru,basta ouvires o teu mestre interior,sivananda,e tantos outros, dizem que um guru realizado é indispensavel.
    A voz do povo diz que sao muitos os caminhos para a casa do senhor,enfim… Dharma e a “vontade de Deus, a cada momento” são dois conceitos que se interligam e fundem (na minha opiniao), e com uma profunda atenção ao nosso self, ao segundo, podemos caminhar seguros,seja la para onde for que tenhamos de ir, de encontro a um ashram nos Himalaias ou ao centro comercial do Colombo. 🙂
    Obrigado Teresa, e aos caes, que me levaram a esta reflexao logo pela manha 🙂
    P.S.: Abraço e boas ondas, Pedro.
    Zé, de Portugal, Peniche.
    Om tat sat!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *