Meditação, Pratique

Gaṇeśa Mātrikā Nyāsa

Nyāsa é uma palavra sânscrita que significa “colocar”, “aplicar” ou “tocar”. Esse termo define uma série ampla de práticas tántricas. Nyāsa consiste em tocar ou colocar os dedos ou as mãos em diferentes lugares do corpo, obedecendo a uma certa seqüência ritual. Através desse passeio sagrado pelo corpo, chamado parikrāma ou pradakṣina, cada uma das partes do corpo é “animada” e “sacralizada” por um mātrikā bīja, uma dos “mães-sementes”, ou sílabas sagradas do alfabeto sânscrito. Isto se faz associando a cada um desses sons um mantra específico.

Escrito por Pedro Kupfer · 11 mins de leitura >

Nyāsa: o corpo como espelho do Cosmos

Nyāsa é uma palavra sânscrita que significa “colocar”, “aplicar” ou “tocar”. Esse termo define uma série ampla de práticas tántricas. Nyāsa consiste em tocar ou colocar os dedos ou as mãos em diferentes lugares do corpo, obedecendo a uma certa seqüência ritual.

Através desse passeio sagrado pelo corpo, chamado parikrāma ou pradakina, cada uma das partes do corpo é “animada” e “sacralizada” por um mātrikā bīja, uma dos “mães-sementes”, ou sílabas sagradas do alfabeto sânscrito. Isto se faz associando a cada um desses sons um mantra específico.

O nyāsa cria conexões entre as diferentes dimensões dentro do ser humano, integrando e conectando as redes de neurônios com as sensações físicas, os pensamentos e sentimentos vinculados à cura, ao despertar da sacralidade, da felicidade e da própria identidade, bem como à tomada de consciência das diversas dimensões que somos enquanto humanos.

Este é um ritual de consagração e uma mentalização para restabelecer, proteger e manter a saúde, o diálogo e a integração entre todas as forças do corpo, a energia, as emoções, os pensamentos, o ego e a inteligência superior, para que o Ser possa revelar-se.

Esse ritual consiste em criar e manter “espaços sagrados” no corpo físico, e inicia-se pela tomada de consciência da dimensão divinal do corpo físico.

Essa tomada de consciência consiste em constatar no nível do próprio organismo o grande princípio da unidade do Tantra: yatabrahmande tatapiṇḍade: “Assim como é na Consciência Cósmica, da mesma forma é no corpo humano”, e ainda ao aforismo Sarva sarvātmāka: “Todas as coisas que existem configuram a essência de todas as demais coisas”.

Isso é feito “infundindo” força vital no corpo, através da repetição dos bīja mantras e sua “colocação” nas diversas partes do corpo, tocando-as sucessivamente com os dedos da mão direita. Assim, o praticante “cosmiciza” – isto é, torna cósmico seu próprio corpo, ao assimilá-lo ao corpo de Devī, a Grande Deusa.

O corpo da Grande Deusa, que aliás, na visão do Tantra, é o universo inteiro, está composto pela interação da vibração das cinqüenta e uma sílabas do alfabeto sânscrito, chamadas mātrikās, ou “mãezinhas”.

Diagrama do mātrikā nyāsa

nyasa

Qual é a origem desta prática?

O Gaeśa Mātrikā Nyāsa que apresentamos aqui é uma das seis partes de uma prática chamada Ṣohana Nyāsa, que significa “Nyāsa Séxtuplo”. Ela faz parte do ritual cotidiano de adoração da deusa Lalitā Tripurasundarī.

Os mantras deste sādhana foram traduzidos de um śāstra chamado Nityotsava (“A Festa dos Seres Eternos”), que é, por sua vez, um comentário do célebre Kalpa Sūtra (“Os Aforismos dos Ciclos Cósmicos”), de Paraṣurāma.

Paraṣurāma foi um yogi iniciado pelo lendário mestre Śrī Dattatreya no culto de Tripurasundarī. A obra acima mencionada é um guia para esse culto. O diálogo entre mestre e discípulo que registra essa instrução recebida por Paraṣurāma aparece no excelente trabalho Tripura Rahasya (“O Segredo dos Três Mundos”), atribuída a Śrī Dattatreya

Śrī Dattatreya foi um mestre de Yoga pós-clássico, que ensinava um método de Yoga consistente de oito estágios, chamado Aṣṭāṅga Yoga, e claramente inspirado no sistema do sábio Patañjali, mas que, em termos práticos, parecia estar mais identificado com a tradição dos “santos loucos” (avadhūtas) da Índia.

Sua vida e obra foram tão relevantes que tanto os śaivas o consideram uma encarnação de Śiva, como os vaiṣṇavas o consideram uma encarnação de Viṣṇu. São atribuídas a ele obras como o Tripura Rahasya, a Jīvanmukti Gītā e a Avadhūta Gītā, que expõem brilhantemente os ensinamentos do Advaita Vedānta.

Neste Ṣohana Nyāsa ensinado por Dattatreya, a prática consiste em perceber a manifestação da Grande Deusa das seis seguintes maneiras:

1) como as cinqüenta e uma manifestações de Gaṇeśa, o deus com cabeça de elefante;

2) como os nove planetas (navagrahas);

3) como as vinte e sete estrelas (nakatras) da Astrologia Hindu (jyotiśa);

4) como as sete forças elementais (yoginīs) que regulam os sete constituintes corpóreos do Āyurveda (dhatus);

5) como as doze casas do zodíaco sideral; e

6) como os cinqüenta e um lugares sagrados do Hinduísmo (pithas), no sub-continente indiano.

Esta prática está descrita em vários Tantras diferentes, como o Vāmakeśvara Tantra, o Gandharva Tantra, o ānarava, o Lalitā Sahāśranāma, o Yoginī Hdāya, e outros.

Qual é a intenção do nyāsa?

O ritual consiste em fazer o praticante tomar consciência da sua identidade com a Deusa, cuja natureza real é Pura Consciência (Cit Śaktī). Ela se manifesta como os três guṇas (tamas, rajas e sattva, ou estabilidade, movimento e harmonia) que, por sua vez, são as manifestações de seus três poderes: Vontade (Icchā), Conhecimento (āna) e Ação (Kriyā). Esses três poderes da Deusa expressam-se como os quinze Seres Eternos (Nityas) que, por sua vez, dão existência ao espaço-tempo.

O símbolo da Deusa é o Śrī Yantra, que contém todas as letras do alfabeto sânscrito (mātrikās) em suas pétalas e linhas de força. Este símbolo representa igualmente a Unidade presente tanto na Criação, como no corpo humano. A intenção do ritual é auxiliar o (a) praticante a tomar consciência da sua identidade com a Consciência Maior, sob a forma da Grande Deusa.

Uma curiosidade: como nasceu o yoganidrā que você pratica hoje

Os exercícios de descontração guiada que hoje em dia são chamados yoganidrā (termo que significa literalmente, “sono yogue”) nada mais são do que uma simplificação dos complexos nyāsas tántricos de outrora, meditações supinas nas quais o praticante “colocava” os sons mântricos nas diferentes partes do corpo, para sacralizá-las.

No início da década de 1960, Swāmi Satyānanada percebeu que a linguagem simbólico-religiosa hindu associada a esta prática poderia provocar uma rejeição nos praticantes ocidentais, por faltar a estes os elementos culturais necessários para decifrar esses símbolos.

Antes dessa inovação, somente existia, em termos de prática deitada, o nyāsa e as técnicas de exploração do sonho consciente, conhecidas nos Tantras como Nidrā Yoga.

O nyāsa está entre as práticas espirituais mais antigas do hinduísmo, remontando sua idade aos tempos dos Brahmāṇas, anterior à era das Upaniṣads (1500 a.C.). As formas mais conhecidas, oriundas do culto tántrico, aparecem no śāstra chamado Śrīmad Devī Bhagavāta, no qual Swāmi Satyānanada inspirou-se para elaborar o yoganidrā que todos conhecemos e usamos atualmente.

Antes de começar, uma prática simplificada para compreender como funciona o nyāsa

Para fazer uma prática bem simples de nyāsa, siga as seguintes instruções. Deite confortavelmente no chão, feche os olhos e respire fundo algumas vezes, descontraíndo profunda e progressivamente, a cada expiração.

Relaxe cada parte do corpo, começando pela cabeça e o pescoço, e descendo com a atenção para os braços, o tronco, as pernas e os pés. Suavize e relaxe conscientemente cada parte do corpo. Sinta-se bem confortável na postura que você escolheu.

Agora, visualize seu coração sorrindo. Contemple esse sorriso no seu coração, até que seus lábios, e o rosto inteiro, comecem igualmente a sorrir. Se o sorriso não subir naturalmente para seu rosto, faça um risinho hipócrita, ou até mesmo amarelo. O sorriso natural virá espontaneamente. Nunca falha.

Mantendo-se deitado de olhos fechados, toque seu coração com a mão direita, para “selar” o sorriso nele. Então, faça alguns movimentos circulares com a mão sobre o peito, ao mesmo tempo em que você repete mentalmente “felicidade, felicidade, felicidade”.

Depois, repita o processo, “colocando” o sorriso sobre o abdômen e o ventre, enquanto continua repetindo mentalmente a palavra felicidade. Torne-se consciente do efeito desta prática nos níveis corpóreo, energético, emocional e mental.

Você sente sensações de calor, bem-estar, conexão consigo próprio, alegria? Repita então o mesmo processo, colocando agora o sorriso sobre outras partes do seu corpo que estejam necessitando sua atenção: articulações doloridas, músculos tensos, etc.

Conclua a prática levando lentamente a atenção para a respiração, fazendo algumas inspirações profundas, movimentando o corpo no chão, espreguiçando e bocejando. Observe o efeito desta breve prática sobre seu corpo físico, sobre sua vitalidade e sobre sua paisagem interior.

nyasa

Gaṇeśa Mātrikā Nyāsa: como proceder

Escolha um lugar adequado para praticar, onde você tenha tranquilidade. Desligue o telefone e certifique-se de que não existam interferências no ambiente que possam distrair você. Uma vez iniciada a prática, evite interrompê-la e mantenha-se focado nela.

Para uma melhor compreensão, e para uma maior agilidade na prática, os diferentes nomes de Gaṇeśa e da Deusa foram traduzidos literalmente. Se não estiver fazendo uma prática guiada, você precisará manter este texto por perto para poder ler a lista dos mantras.

Uma palavra sobre a pronúncia: lembre que a letra , chamada anusvāra em sânscrito, pronuncia-se como uma nasalização da vogal anterior: a base da língua bloqueia a passagem de ar pela garganta e o som precedente transforma-se nessa nasalização. Esta nasalização se chama anunāsika em sânscrito, que significa literalmente “com o nariz”, e deriva da palavra nāsika, que quer dizer “nariz”.

Quando o ar flui pelo nariz, expande a vibração para dentro do crânio, fazendo-a ressoar na hipófise e na glândula pineal, que se relacionam com os cakras da cabeça e que regulam entre outras coisas o ritmo da respiração e segregam numerosos hormônios como a melatonina e a serotonina, as chamadas “drogas de felicidade”, que produzem estados duradouros de paz e alegria. Neste ponto da vocalização, o som vibra com mais intensidade no crânio.

Existem três possibilidades para se fazer esta prática:

1) Usando os mantras completos, inclusive a tradução dos nomes de Gaṇeśa e as formas da Deusa (Devī), conforme a lista que segue a continuação.

2) Usando apenas as mātrikās, associadas ao mantra Ai Hrī Śrī. Por exemplo, Ai Hrī Śrī A. Para iniciar, recomendamos esta, que é mais simples porém não menos eficiente.

3) Usando somente as mātrikās. Nesse caso, você irá repetir oito vezes cada uma das mātrikās, numa única expiração. Por exemplo: A, A, A, A, A, A, A, A.

Faça uma pausa para inspirar lentamente pelo nariz e depois continue: Āṁ, Āṁ, Āṁ, Āṁ, Āṁ, Āṁ, Āṁ, Āṁ, outra pausa para inspirar e prossiga: I, I, I, I, I, I, I, I, etc. Se você tiver dificuldade para pronunciar ou lembrar do mantra Ai Hrī Śrī, poderá iniciar sua prática de mātrikā nyāsa com esta opção, que é mais simples ainda.

Use os dedos mediano e anular da mão direita para “colocar” as mātrikās nos diferentes pontos do corpo. Use os mesmos dedos da mão esquerda para fazer o nyāsa no braço e na mão do lado direito, bem como na perna e no pé direitos também. Há formas de nyāsa nas quais cada mātrikā se coloca em seu devido lugar através de gestos (mudrās) específicos.

A meditação introdutória

A meditação introdutória deve ser feita sobre esta imagem de Gaṇeśa: brilhando como o Sol nascente, com rosto de elefante, olhos compassivos, portador da lança, do laço, e fazendo o gesto de outorgar bênçãos (abhāya), protegendo sua Śaktī no colo, cuja pele brilha com a cor vermelha, e cujo corpo é decorado por toda espécie de pedras preciosas.

A tromba do deus está curvada para o lado esquerdo. A Śaktī sustenta uma flor de lótus em sua mão esquerda, enquanto que com a direita toca o ligam de Gaṇeśa.

Havendo meditado nesta imagem por alguns minutos, o nyāsa começa, plasmando as mātrikās nas diferentes parte do corpo, de acordo com a seqüência a seguir.

A seqüência dos mantras

I) Na cabeça

1. Ai Hrī Śrī A nama, reverências ao Senhor dos Obstáculos, com a Senhora da Prosperidade e da Graça, Śrī. No topo da cabeça.

2. Ai Hrī Śrī ṇṁ nama, saudações ao Rei dos Obstáculos, com a Senhora da Modéstia, Hrī. Na testa.

3. Ai Hrī Śrī I nama ao Guia, com a Senhora do Contentamento, Tuṣṭī. No olho direito.

4. Ai Hrī Śrī Ī nama ao Mais Auspicioso, com a Senhora da Paz, Śāntī. No olho esquerdo.

5. Ai Hrī Śrī U nama para o Coração dos Obstáculos, com a Senhora da Opulência e do Crescimento, Pustī. No ouvido direito.

6. Ai Hrī Śrī Ū nama para o Fazedor dos Obstáculos, com a Deusa da Sabedoria, Sarasvatī. No ouvido esquerdo.

7. Ai Hrī Śrī Ṛṁ nama para o Chefe dos Obstáculos, com a Senhora do Desfrute e do Prazer, Ratī. Na narina direita.

8. Ai Hrī Śrī ­Ṝ nama ao Senhor dos Gaṇas, com a Senhora da Vigor Mental e da Prudência, Medhā. Na narina esquerda.

9. Ai Hrī Śrī Lṛṁ nama para Aquele com Uma Presa, com a Deusa do Amor, Kaṇṭī. Na face direita.

10. Ai Hrī Śrī Lṝ nama para o de Duas Presas, com a Senhora do Desejo, Kāminī. Na face esquerda.

11. Ai Hrī Śrī E nama ao Cabeça de Elefante, com a Encantadora, Mohinī. No lábio superior.

12. Ai Hrī Śrī Ai nama para O Honesto, com Aquela do Cabelo Trançado, Jaṭā. No lábio inferior.

13. Ai Hrī Śrī O nama para Aquele com o Cabelo Trançado como um Caracol, com Aquela que é Intensa, Tīvrā. Nos dentes superiores.

14. Ai Hrī Śrī Au nama para O de Rosto Grande, com a Senhora do Resplendor, Jvalinī. Nos dentes inferiores.

15. Ai Hrī Śrī A nama para Aquele de Orelhas Pontudas, com a Senhora da Felicidade, Nandā. Na língua.

16. Ai Hrī Śrī Aa nama para Aquele que leva o Touro como Bandeira, com a Encantadora, Surasā. Na garganta.

II) Nos braços

17. Ai Hrī Śrī Ka nama ao Senhor dos Números, com Aquela que tem a Forma do Desejo, Kāmarūpinī. No ombro direito.

18. Ai Hrī Śrī Kha nama para o Elefante de Indra, com a Senhora do Brilho, Subhrā. No cotovelo direito.

19. Ai Hrī Śrī Ga nama para Aquele com Orelhas como Bandejas de escolher Trigo, com a Senhora da Vitória, Jayinī. No punho direito.

20. Ai Hrī Śrī Gha nama para O de Três Olhos, com a Senhora da Verdade, Satyā. Nas bases dos dedos da mão direita.

21. Ai Hrī Śrī Ṅa nama para O que tem Barriga de Pote, com Aquela que Elimina os Obstáculos, Vighneṣī. Nas pontas dos dedos da mão direita.

22. Ai Hrī Śrī Cha nama para o Grande e Sonoro, com Aquela que tem Forma Elegante, Surūpā. No ombro esquerdo.

23. Ai Hrī Śrī Chha nama para Aquele dos Quatro Braços, com a Deusa do Desejo, Kāmadā. No cotovelo esquerdo.

24. Ai Hrī Śrī Ja nama para Sadaśiva, com a Senhora da Paixão, Madavihvalā. No punho esquerdo.

25. Ai Hrī Śrī Jha nama para o Feliz, com Aquela que é Extraordinariamente Bela, Vikaṭā. Nas bases dos dedos da mão esquerda.

26. Ai Hrī Śrī Ña nama para Aquele de Rosto Engraçado, com a Senhora dos Homens, Pumā. Nas pontas dos dedos da mão esquerda.

III) Nas pernas

27. Ai Hrī Śrī Ṭa nama para Aquele de Rosto Atraente, com a Senhora da Compreensao, Bhūtidā. Na coxa direita.

28. Ai Hrī Śrī ha nama para Aquele que produz deleite, com a Deusa da Terra, Bhumī. No joelho direito.

29. Ai Hrī Śrī a nama para Aquele com um Só Pé, com a Senhora do Poder, Śaktī. Na canela direita.

30. Ai Hrī ha nama para Aquele de Língua Dupla, com a Encantadora, Ramā. No pé direito.

31. Ai Hrī Śrī Ṇa nama para o Herói, com a Senhora da Humanidade, Manuṣī. Nos dedos do pé direito.

32. Ai Hrī Śrī Ta nama para o Guerreiro, com a Senhora do Rio Ganges, Makārādhvajā. Na coxa esquerda.

33. Ai Hrī Śrī Tha nama para O de Rosto Pacífico, com a Esposa do Criador, ViriṆī. No joelho esquerdo.

34. Ai Hrī Śrī Da nama para o Doador de Bênçãos, com a Senhora de Cabelo Castanho, Bhrūkuṭī. Na canela esquerda.

35. Ai Hrī Śrī Dha nama para o Deus da Mão Esquerda, com a Senhora da Timidez, Lajjā. No pé esquerdo.

36. Ai Hrī Śrī Na nama para Aquele da Tromba Curvada, com Aquela das Roupas Longas, DīrghagoṆā. Nos dedos do pé esquerdo.

IV) No tronco

37. Ai Hrī Śrī Pa nama para Aquele com Duas Presas, com a Portadora do Arco, Dhanurdharā. No flanco direito.

38. Ai Hrī Śrī Pha nama para o Chefe dos Exércitos, com a Senhora do Karma, Yaminī. No flanco esquerdo.

39. Ai Hrī Śrī Ba nama para o Senhor dos Vilarejos, com a Senhora da Noite, Ratrī. Nas costas.

40. Ai Hrī Śrī Bha nama para o Extático, com a Senhora da Lua, Chandrikā. No umbigo.

41. Ai Hrī Śrī Ma nama para o de Cabeça Clara, com Aquela que Brilha como a Lua, Saṣiprabhā. No ventre.

42. Ai Hrī Śrī Ya nama para o Veículo do Êxtase, com a Senhora da Mudança, Lolā. No coração.

43. Ai Hrī Śrī Ra nama para o Asceta, com a Senhora da Fortuna, Chapalā. Na clavícula direita.

44. Ai Hrī Śrī La nama para Aquele com o Cabelo em Tranças, com a Senhora da Prosperidade, Ṛddhī. Na parte posterior dos ombros, cruzando os antebraços frente ao pescoço.

45. Ai Hrī Śrī Va nama para Aquele com Uma Presa, com a Senhora da Boa Fortuna, Durbhagā. Na clavícula esquerda.

V) Os movimentos

46. Ai Hrī Śrī Śa nama ao Proeminente, com Aquela que é Prazerosa, Subhagā. Desde o coração à palma da mão direita.

47. Ai Hrī Śrī Ṣa nama para Aquele que Leva o Touro como Bandeira, com a Consorte de Śiva, Śivanī. Desde o coração à palma esquerda.

48. Ai Hrī Śrī Sa nama para o Senhor de Tudo, com a Inacessível, Durgā. Desde o coração ao pé direito.

49. Ai Hrī Śrī Ha nama para Gaṇeśa, com a Senhora do Tempo, Kālī. Desde o coração ao pé esquerdo.

50. Ai Hrī Śrī Ḹa nama para Aquele que é como o Trovão, com Aquela de Voz Encantadora, Kālākubjikā. Desde o coração aos genitais.

51. Ai Hrī Śrī Ka nama ao Senhor dos Obstáculos, com a Destruidora dos Obstáculos. Desde o coração até o topo da cabeça.

॥ हरिः ॐ ॥

+ sobre Tantra aqui
+ sobre nyāsa aqui

॥ हरिः ॐ ॥

Desiderata

Desiderata

Pedro Kupfer em Pratique, Yoga na Vida
  ·   20 segundos de leitura

Āsanas para fortalecer a lombar

Pedro Kupfer em Āsana, Pratique
  ·   8 mins de leitura

2 respostas para “Gaṇeśa Mātrikā Nyāsa”

  1. se les agradece muchismo y esto empieza a llegar a quienes quieren hacer mas completas sus practicas, es bueno que se publiquen tecnicas en las que convergen cuerpo y mente y se muestre el aspecto mas profundo del yoga (ultimamente en medios de comunicacion el yoga que se muestra empieza a confundirse con una simple gimnasia).
    esto si se aproxima a lo que se llamaria una armadura de dios
    saludos desde colombia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *