Pratique, Yoga na Vida

O Yoga e a minha recuperação

'Meu nome é Roberto, sou um alcoólatra e dependente químico em recuperação. Hoje eu não bebi e não usei nada que alterasse o meu estado natural'.

· 2 mins de leitura >

‘Meu nome é Roberto, sou um alcoólatra e dependente químico em recuperação. Hoje eu não bebi e não usei nada que alterasse o meu estado natural’.

Normalmente é assim que eu me apresento e começo meus depoimentos nas reuniões de alcoólatras anônimos e narcóticos anônimos, as quais freqüento desde que senti necessidade de pedir ajuda para retomar o controle da minha vida, o qual já tinha perdido fazia tempo e nem sequer havia percebido.

Amanhã, 24 de maio de 2005, faz 3 anos e 8 meses que estou limpo. Pratico Yoga há dois anos e isso tem uma importância fundamental na minha recuperação. Estou aqui em Floripa desde o dia 30 de abril, já se passaram 24 dias e eu ainda não tive a oportunidade de freqüentar nenhuma reunião. O mais importante é que estou completamente à vontade em quanto a isso, totalmente tranqüilo e sereno graças às praticas de Yoga que temos realizado diariamente.

O período que antecedeu o meu ingresso no A.A. e N.A., foi sem dúvida nenhuma o mais conturbado da minha vida em relação às drogas e ao álcool. Nem mesmo os esportes que pratiquei durante a vida toda e que sempre ‘equilibraram esta vida louca’ estavam dando conta mais. Era um momento em que eu estava precisando de muita luz e principalmente muita paz e, por ironia do destino, só fui encontrar esta benção nessas duas irmandades, as quais eu e a sociedade como um todo tinhamos bastante preconceito por achar que jamais precisaríamos delas.

Foi o primeiro lugar em que eu realmente senti uma imensa paz dentro de mim. Nos meus dois primeiros anos de recuperação, elas foram crucias para mim. Foi ali que abri a mente para que novos caminhos pudessem surgir e o Yoga apareceu nesse momento, como que se alguém lá em cima falasse: ‘vai!agora você pode aproveitar esta benção’; oportunidade que tempos atrás, eu jamais teria tempo e vontade para apreciar. E foi aí que eu encontrei a paz pela segunda vez e venho desfrutando diariamente deste estado de espírito.

Resolvi traçar este paralelo entre a minha recuperação e o Yoga, porque foram as duas coisas que surgiram na minha vida sem pedir licença, que quando eu menos esperava, em uma única e pequena decisão de aceitá-las, transformaram e transformam diariamente a minha vida. E como tudo que aconteceu foi e é muito similar, não tem como eu falar de um sem falar do outro.

Os primeiros benefícios surgiram logo no começo, quando eu achava que Yoga era só asanas. A parte física foi muito importante e ainda é, ainda mais se tratando do Ashtanga Vinyasa Yoga, porque saio sempre das praticas muito mais relaxado e com o nível de ansiedade quase zero.Mas o pulo do gato foi mesmo quando descobri que havia muito mais riqueza e magia por trás daquelas duas horas na sala de prática. E o mais importante disso é que todas as sacações vieram naturalmente, como nas irmandades. Nada é obrigado e não existe proibição, tudo é sugerido e as fichas caem naturalmente. Tudo sem pressa e principalmente sem expectativa.

Minha vida tem sido muito fácil e feliz, porque tento levá-la como pratico, sem expectativa e sem pressa, um dia de cada vez. Lá na irmandade, nós temos um lema que diz o seguinte: ‘Só por hoje!!!’. Parece simples, mas tem salvado milhares de vidas e torna a minha muito mais fácil.

Dia desses, nos foi sugerido aqui no curso, durante uma meditação, que fizéssemos um Yogavrata, escolhendo um yama ou nyama para vivenciá-lo por um determinado período e a minha escolha, é claro, foi só por hoje, escolhendo renovar este voto a cada dia.

Como já disse Patanjali, o Yoga vem e vai. Tento, hoje em dia, vivenciar o Yoga cada vez mais e cada vez mais me parece ser esse o caminho que tanto procurei.

Esse mês faz dois anos que tive a benção do Yoga na minha vida e já posso perceber que tenho uma nova e poderosa ferramenta contra a minha dependência química. Já não sinto a necessidade de ir com tanta freqüência às reuniões. Beber e se drogar só por hoje, já não fazem parte da minha vida, são coisas que meu corpo hoje em dia diz não querer mais.

Mas, é bom também deixar bem claro, que jamais gostaria e deixaria de participar das reuniões, pois lá fiz grandes amigos e tenho uma gratidão imensa, por ter salvado a minha vida e aberto as portas para que o Yoga pudesse entrar.

20 respostas para “O Yoga e a minha recuperação”

  1. Olá Roberto.
    Faço um curso para ministrar práticas de yoga e até pouco tempo não entendia o porquê estava envolvida nisso. Ouvi o chamado e simplesmente o atendi.
    Hoje, 1 ano e meio depois, ao final do curso, tudo fez sentido. Logo que me envolvi com o yoga, me envolvi também com o meu marido. Desde o princípio eu soube que ele era usuário, mas acreditava que ele fazia o uso “recreativo” (hoje enxergo que uso recreativo é ilusão) como eu fazia na época.
    Passou o tempo e só percebi que ele precisava de ajuda profissional quando ele encontrou o fundo do poço e vi que minha ajuda era inútil, pois eu errava por amor. Então ele se internou. Lá na clínica, essa interação da filosofia yogui que ele conhecia e passou a se aprofundar mais com o tratamento em si, gerou muitos frutos e o renascimento foi pra valer.
    Toda essa história que vivemos, entre trancos e barrancos, me ensinou muita coisa também. Fui mudando junto com ele e, numa ressocialização dele, chegamos a conclusão de que foi bom eu passar por tudo isso ao lado dele porque acabei largando o meu vício, além de amadurecer e corrigir muita coisa em mim.
    E foi assim que entendi a razão pela qual eu iniciei o curso e me envolvi com ele. Começo agora a me especializar em yoga para adictos em recuperação. Seu depoimento foi uma chave fundamental para eu ter certeza absoluta de que minhas crenças têm fundamento. Pretendo passar adiante todo o ensinamento do yoga e ajudá-las a se ajudarem.
    Parabéns pelo depoimento, a força e as vitórias diárias. Só por hoje.

    1. Boa tarde CArla Sou o professor Eduardo Braune Guedes também de yoga e estou escrevendo meu trabalho de conclusão de minha pós graduação em yoga sobre o tema yoga e dependência química com enfase no alcoolismo, inicialmente. Gostaria de trocar experiencias e informações com vc. Caso tenha interesse em trocarmos idéias ficaria muito grato. [email protected]

    2. Boa tarde CArla Sou o professor Eduardo Braune Guedes também de yoga e estou escrevendo meu trabalho de conclusão de minha pós graduação em yoga sobre o tema yoga e dependência química com enfase no alcoolismo, inicialmente. Gostaria de trocar experiencias e informações com vc. Caso tenha interesse em trocarmos idéias ficaria muito grato. [email protected]

  2. Oi Roberto, veja só vc escreveu esse post em 2005, estamos em 2008 e ela ainda ajuda a pessoas como eu, sou uma Nar-Anon em recuperação, e posts como o seu me ajudam a ver a capacidade do ser humano em se modificar, e assim tenho mais esperanças na recuperação do meu amado adicto. Parabéns e Obrigada pelas palavras de esperança, bons momentos.

  3. E aí, Roberto? Meu nome é Daniel, tenho 24anos e sou um alcoólico em recuperação, e graças ao Poder Superior e a pessoas como você, que mostram que com boa vontade pode se conseguir uma vida plena e tranqüila. Parabéns, meu irmão, e muitas 24 horas serenas pra ti!

  4. Adoro praticar Yoga. Comecei há pelo menos 5 meses. Mudou muito minha vida. Eu era uma pessoa que estava sempre vivendo às presas e com muita ansiedade. Tinha medo de me perder. Enfim, estive um pouco fora de mim, acabei estragando um namoro de 2 anos e meu trabalho também não estava sendo satisfatorio. Agora, graças à união do Reiki com o Yoga, me sinto outra pessoa, e muito mais feliz, sem a sensação de estar sempre faltando algo.

    Cláudia.

  5. Fala, Roberto. Meu nome é Marcos, e sou um adicto em recuperação. Agora em novembro faço 15 anos limpo, e o Yoga é parte importante de meu 11º passo do meu programa de recuperação. Mas antes vêm os outros dez, e depois o décimo segundo, que vejo você também praticando ao deixar esta mensagem de força e esperança. Juntos podemos. Abraços.

  6. Muita paz e luz para você!
    Parabéns e boa sorte na sua jornada!
    Bjos,
    Sandra.

  7. Velho, você não sabe o bem que faz a todos. É um forte estímulo. E é assim… uma alma ali, outra aqui, e, quando nos dermos conta, seremos uma raça de despertados. Longa vida e Paz Eterna!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *