Buscar resultados por "satya"

Māṇḍukyopaniṣad

Temos, entre as principais dez Upaniṣads, a Māṇḍukya, que pertence ao Athārvaveda. Ela segue um prakriyā, um método de investigação que inclui um modo de resolver um problema que em verdade não existe. Na visão da Upaniṣad, não há problema. Quando se diz que você já é aquilo que quer ser, é porque não há problema algum para ser resolvido.

01/01/2017 · 9 minutos de leitura >

Kaṭha Upaniṣad

O Ser é o sol que brilha no céu, o vento que sopra no espaço, o fogo no altar e o hóspede no lar. Ele vive nos seres humanos, nos deuses, na verdade e no vasto firmamento. Ele está no peixe nascido das águas, na planta que cresce na terra, no rio que flui desde a montanha.

28/07/2016 · 56 minutos de leitura >

Integrando a Não-Possessividade

Fui-me apercebendo que, de facto, ao longo da nossa vida, desde bem cedo, a sociedade nos ensina a dizer “meu” como um direito começando nós a fortalecer essa possessividade sem real consciência do que ela representa. A própria educação é orientada para a competição e a comparação, e não para a cooperação e construção. Na minha vida isso aconteceu também e só o Yoga veio criar espaço em mim para esta reflexão e mudança.

29/09/2015 · 4 minutos de leitura >

Dharma e Ahiṁsā no Mahabhārata

Abster-se da crueldade é o Dharma mais elevado. Abster-se da crueldade é o mais elevado autocontrole. Abster-se da crueldade é o mais elevado presente. Abster-se de crueldade é a mais elevada austeridade. Abster-se de crueldade é o mais elevado sacrifício.

18/05/2015 · 29 segundos de leitura >

Trabalhando com Yoga

Quando comeceia a praticar não existia algo chamado “carreira de professor de Yoga”. Meu professor era engenheiro agrônomo e dava aula nas horas vagas, por devoção ao seu guru, Swāmi Satyānanda, que se tornou a minha referência em termos de Yoga por muito tempo. A ideia do professor de Yoga nos moldes que se compreende atualmente é algo novo, que deve ter surgido nas últimas décadas.

01/10/2014 · 2 minutos de leitura >

Gaṇeśa Mātrikā Nyāsa

Nyāsa é uma palavra sânscrita que significa “colocar”, “aplicar” ou “tocar”. Esse termo define uma série ampla de práticas tántricas. Nyāsa consiste em tocar ou colocar os dedos ou as mãos em diferentes lugares do corpo, obedecendo a uma certa seqüência ritual. Através desse passeio sagrado pelo corpo, chamado parikrāma ou pradakṣina, cada uma das partes do corpo é “animada” e “sacralizada” por um mātrikā bīja, uma dos “mães-sementes”, ou sílabas sagradas do alfabeto sânscrito. Isto se faz associando a cada um desses sons um mantra específico.

06/07/2014 · 11 minutos de leitura >

O Yoga Moderno versus o Yoga Tradicional

A típica percepção pública do Yoga tem mudado significativamente em anos recentes. Este artigo se refere a natureza destas mudanças, comparando o Yoga tradicional dos sábios da antiguidade com as revisões modernas. O artigo também inclui citações de nove diferentes professores cujos nomes são muito conhecidos

01/07/2014 · 41 minutos de leitura >

Seis práticas

Fazendo uma auto-análise poderemos observar que, muitas vezes, nos tornamos escravos da necessidade de reconhecimento por parte dos demais. Essa necessidade busca preencher a falta de auto-reconhecimento ou a falta de aceitação e acaba gerando uma série de condutas e situações indesejáveis nas quais ficamos muitas vezes enredados. Porém, existem práticas que podem nos libertar.

16/09/2013 · 5 minutos de leitura >

Ásana, rótulos, consumo e erros

As práticas do Hatha Yoga não se limitam a condicionar o físico para que possamos nos sentar com mais conforto para meditar ou para que possamos dormir melhor ou render mais no trabalho. O verdadero objetivo está em dissolver as couraças de tensão sutil, que determinam tanto as limitações do movimento do físico como os padrões mentais automâticos que regulam uma boa parte das nossas vidas.

15/09/2013 · 7 minutos de leitura >

Como lidar com os pensamentos

Não tente encontrar Brahman, o Ser, em algum pensamento. Tente, aliás, evitar a tentação de capturar Brahman num pensamento. Ao mesmo tempo, procure observar a presença do invariável em cada um dos pensamentos. Isso é a contemplação do real.

25/08/2013 · 1 minutos de leitura >