Pratique, Yoga na Vida

Profissão: Guru

? Próximo! Sim, pode entrar. Deixe-me ver aqui no computador... Nome, 'Grande Guru Divino'. Idade, 'nunca nasceu'. Humm, talvez seja mesmo verdade... Bom... Profissão, 'Guru'. Acho que já chega

Escrito por Rodrigo Gomes Ferreira · 7 mins de leitura >

? Próximo! Sim, pode entrar. Deixe-me ver aqui no computador… Nome, ‘Grande Guru Divino’. Idade, ‘nunca nasceu’. Humm, talvez seja mesmo verdade… Bom… Profissão, ‘Guru’. Acho que já chega.

? Sim, não se preocupe, deve ter sido um engano eu ter que parar aqui. A não ser que seja uma parada obrigatória também para os iluminados.

? Iluminado? Você? Deixe?me apagar as luzes. [click] Humm, não o vejo. Muito menos a sua iluminação. Ou será que você precisa de uma tomada? [click]

? Por favor, eu…

? Sim, sim, sei, mas preciso verificar melhor o seu histórico. Vamos lá, o que temos aqui… Ops, acho que fiz besteira…

? O que foi? Eu posso ajudá?lo?

? Droga!

? Calma, pelo amor de Deus, calma… Não vai adiantar bater no computador…

? Vocês são todos iguais mesmo, sempre muito calmos e prestativos. Só que eu perdi o seu cadastro quando desliguei a luz. Acho que desliguei a energia do computador também.

? O que você fará agora?

? Bom, eu continuarei o meu trabalho e tentarei ficar mais calmo. Você, que já está calmo e quer ajudar, irá preparar uma autobiografia para me entregar em sete dias. Só assim poderei terminar o seu caso.

? Como assim? Você criou o mundo, administra tudo e precisa de uma droga de computador para saber da minha vida? Acho que você é um farsante e…

? Eu criei tudo sim, incluindo os computadores. Eles ajudam muito, principalmente depois que vocês começaram a se multiplicar tanto. Agora, voltando a sua questão, serão sete dias que já começaram a contar. É melhor você se agilizar, pois se você nasceu antes da história da humanidade, acho que precisará lembrar?se de um bocado de coisas. Porém, não se preocupe, sete dias são o suficiente para se fazer, literalmente, tudo.

? Será que você não poderia ler os meus livros? Eu coloquei tudo sobre a minha vida lá, que é um livro aberto, como o meu coração, devotado a Você…

? Não temos como fazer isso. Por favor, nos econtraremos novamente daqui a pouco menos de sete dias. Próximo!

Que cara grosso. E eu que recitei tantas vezes o Seu nome, abriguei?me no Seu amor. Aquelas eram experiências reais! Eu tenho certeza. E agora esta, de autobiografia…

? Guru, como é que foi lá, com Deus?

? Acho que nada bem.

? O que aconteceu?

? Ele quer que eu faça uma autobiografia e a entregue em sete dias.

? Bom, pelo menos você tem tempo.

? Você sabe se eu posso usar lápis, ou deve ser a caneta?

? Tá brincando? Com ele, tudo deve ser feito no computador e entregue por email!

? Então é melhor eu começar logo, pois, com o teclado, eu pareço galinha ciscando milho. Tenho dúvida também se devo escrever a minha história por ordem cronológica e se ele quer saber desta minha última vida ou de todas elas. É que sou uma luz que sempre existiu…

? Olha, vai por mim, ele quer saber desta sua última vida, como Grande Guru Divino. As outras já estão resolvidas no sistema. Até mais e boa sorte!

? Obrigado.

‘O amanhecer de um sol’. Será este um bom título? Acho que sim. É melhor eu dividir em partes e resumir bem, pois Deus não parece ter muito tempo. Além do mais, os grandes sábios sempre escreveram num estilo sucinto e profundo.

‘O universo aguardava ansiosamente por uma grande alma, e há tempos não via uma tão grande e capaz de trazer tamanha paz às pessoas. Em um dia auspicioso, numa hora astrologicamente perfeita, tomava corpo o futuro líder espiritual da humanidade.’

Acho que isto está bom, uma grande abertura. No entanto há um ‘porém’, pois se eu sou o universo, como é que ele estava a minha espera? Ah, as palavras, sempre limitadoras e incapazes de expressar as questões divinas com precisão. Acho que Deus vai entender, pois foi ele quem criou as palavras e deve saber muito bem das limitações que elas carregam.

‘Desde o primeiro momento em que o ar pôde sentir o aconchego dos seus pulmões, Romualdo Clayton ? como era chamado antes de assumir a sua missão espiritual ? já radiava tanta luz que atrapalhava o sono de seus pais humanos. Sua presença era forte. Acolher um ser tão iluminado, numa época de tantas trevas, não foi uma tarefa fácil para a sua família.’

‘Mesmo com a mais tenra idade, Guru possuía um ávido desejo por conhecer Deus em todas as coisas. Comia muito, pois o prazer, principalmente em relação aos doces, é divino. Já nesta época começava a consolidar a sua mensagem para a humanidade: o mundo é Deus e Deus é o mundo.’

‘Quando adolescente, desenvolveu outro traço marcante de sua divina personalidade: o conhecimento da verdade absoluta, sem possibilidade de questionamentos. Era impossível convencê?lo com idéias contrárias as suas, pois estas eram defendidas pelo fogo divino, com argumentos precisos e fundamentados na sua experiência holística. É claro que também o questionavam, visto a sua pouco idade. O que não sabiam, era que ele sempre vivera.’

‘Ainda jovem, aproveitando a flor da idade, codificou, através dos ensinamentos de sábios que o inspiravam, o Supremo Yoga Divino. A recepção desta profunda doutrina teve o mesmo impacto do seu poder: imenso. Guru compreendia que as pessoas estavam muito longe da verdade e, por isso, viam o seu trabalho como algo muito distante da realidade.’

‘Porém, não demorou muito, e várias pessoas inteligentes e sensíveis aos seus divinos ensinamentos apareceram. Assim, Romualdo assumiu o seu nome espiritual, que sintetiza o seu mais profundo Ser, bem como seu papel neste mundo.’

‘Anos passaram?se, muitas pessoas abriram os seus corações e mentes para a divina luz do Grande Guru. Muitas almas foram libertadas e o mundo começava a mostrar indícios de cura.’

‘Muitos temiam o seu trabalho e o perseguiam ? certamente inspirados pelos seres da escuridão, que só queriam saber da desgraça do universo. Contudo, Guru já possuía muitos soldados espirituais e recursos para se proteger, e não conseguiram impedi-lo de prosseguir com a sua missão. Era uma pessoa que aproveitava tudo na vida como um meio para realizar a presença divina. Levava uma vida desapegada, não se importava por ser milionário. Convivia perfeitamente com isso. Viajando por todo o mundo levando a mensagem do amor, através do desfrute de todos os prazeres possíveis. Afinal, Deus se mostra por todas as coisas’.

Talvez eu devesse parar por aqui. É como um final sem fim, infinito e, portanto, super divino. Acho que Deus vai se identificar e gostar. Caramba! Já está quase na hora de levar minha autobiografia a Ele! Sete dias passaram-se muito rapidamente. Só mesmo Ele para fazer literalmente tudo neste espaço de tempo.

? Próximo! Ah, você. Guru, certo?

? Sim, eu mesmo, e com a autobiografia que você pediu.

? Mas eu não recebi nenhum email seu. Eu só aceito por email.

? Putz, desculpe-me, pelo amor de Deus. Quero dizer, Seu amor. Eu esqueci. Mas eu tenho o arquivo em Word neste disquete, serve?

? Caramba, esse pessoal que pára no tempo… Sorte a sua eu não ter jogado fora este drive para ler disquetes. Bem que eu intuía que apareceria um Zé Mané com estas antigüidades quadradinhas. Mas…, vamos lá: ‘A’ dois pontos, autobiografia ponto dóqui… Pô, essa versão do Word é de 97! Eu não sei se vai abrir direito aqui na minha máquina. Você sabe em que ano nós estamos? Bom, deixe pra lá que já abriu aqui. Mas fica o aviso: atualize o seu programa. E nada de desculpas com o preço, pois há versões craqueadas à vontade na internet.

? Que isso, meu Deus, pregando a pirataria? E o dharma, a lei da retidão?

? Oh, meu Eu, isso é tudo relativo! Será que vou ter que mandar mais um Einstein para cair a ficha de vocês? Bom, vamos lá que eu estou lotado de trabalho hoje.

? Eu caprichei e acho que você vai gostar.

? É só isto?

? Como assim ‘só isto’?

? Você fez um parágrafo por dia?

? Bom, é que eu procurei colocar bastante profundidade em poucas palavras. Sabe como é, eu me acostumei com o sânscrito e…

? Cara, isto está em português. Se estivesse em sânscrito seria outra coisa. Não tente me enrolar.

? Meu Deus, imagine, nunca! Sou Seu servo!

? Eu não me lembro de ter dado nenhuma ordem a você. Não invente. Acho que você vai ter que nascer novamente para ver se cresce.

? Impossível.

? Você sabe com quem está falando?

? Sim, meu Deus, mas é que o fato de Você ser Deus não o impede de… de, não saber de todos os detalhes.

? Como o quê?

? É que eu já me iluminei nesta última vida, como Grande Guru Divino, e devo ir para a dimensão de vida dos deuses. Só assim poderei crescer e ajudar ainda mais pessoas.

? Você acha mesmo?

? Tenho certeza. Absoluta.

? Você vai voltar e ponto final.

? Mas não dá! Eu já estou iluminado. As escrituras são claras: iluminados estão fora do ciclo de renascimentos. Aliás, Você é quem deve ter escrito isto…

? Não fui eu, mas a idéia é minha. Bom, porém eu tenho que desapontá?lo e lhe dar mais um nascimento. Pelo menos… Você não está totalmente iluminado.

? Acho que isso é um teste. Eu vou sentar aqui em padmásana e cantar um dos seus nomes 108 vezes, contados com o meu japamala, para lhe mostrar minha firme devoção à Deus, quero dizer, à Você.

? Meu Eu, onde é que eu errei?

? Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam…. shivaya…

? Levante?se, seu energúmeno, eu já estou aqui!

? Eu não vou sucumbir, Om namah shivaya, Om namah shi…

? Vou chamar os seguranças. Levante?se e fale comigo.

? Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam….

? Guru, quem é que você está chamando?

? Shiva, a realidade absoluta do universo e não adianta tentar tirar a minha atenção que eu não me desfocarei do japa, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam….

? Eu vou gravar isso. Não, melhor, eu filmarei e depois mostrarei a você.

? Fale com o meu advogado, pois tenho contratos sobre o uso da minha imagem. Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam….

? Você está mesmo concentrado no seu japa?

? Totalmente, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam….

? Segurança! Por favor, levem?no daqui. Tenho mais pessoas para atender.

? Para onde Senhor? – perguntaram os seguranças.

? Deus, você pode chamar até o Papa, mas nada irá tirar?me da plena concentração em Deus, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om namah shivaya, Om nam….

? Levem-no para a Terra, de novo. Pode ser como um indiano, numa família de sacerdotes. Ele provavelmente vai querer fugir novamente da sua realidade e se transformará num rebelde. Só que desta próxima vez ficará contra a cultura vêdica. Irá beber coca-cola, comer hambúrguer etc. Quando voltar aqui, mostrarei a ele esse vídeo. Acho que assim vai se dar conta…


Rodrigo é Editor dos Cadernos de Yoga. Seu e-mail é [email protected].

Visite o seu website em www.comunidadedosaber.com.br/rodrigo.

Desiderata

Desiderata

Rodrigo Gomes Ferreira em Pratique, Yoga na Vida
  ·   20 segundos de leitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *