Prāṇāyāma, Pratique

Bhastrikā prāṇāyāma

Esse respiratório ocupa um lugar muito importante dentro do Yoga. Produz uma oxigenação muito mais intensa que todos os outros, limpa os pulmões e as vias respiratórias e é altamente energizante e vitalizante, podendo eliminar o cansaço e a depressão em poucos instantes.

Escrito por Pedro Kupfer · 3 mins de leitura >

Bhastrikā, a respiração do fole

Bhastrikā, em sânscrito, significa fole. O nome provém da comparação entre o movimento do abdômen durante a respiração acelerada e o de um fole funcionando.

Esse prāṇāyāma ocupa um lugar muito importante dentro do Yoga. Produz uma oxigenação muito mais intensa que todos os outros, limpa os pulmões e as vias respiratórias e é altamente energizante e vitalizante, podendo eliminar o cansaço e a depressão em poucos instantes.

O bhastrikā é um exercício que também pode utilizar-se associado à permanência nos āsanas, para acentuar os seus efeitos. Sugere-se usá-lo nas posições que permitam uma permanência mais prolongada, como anteflexões, torções ou ainda exercícios musculares.

Sentado na postura da sua preferência com as costas eretas, faça por alguns instantes a respiração abdominal. Aos poucos, comece a acelerar o ritmo, contraindo ao máximo o abdômen a cada exalação. Isso deve produzir um ruído bem alto e forte. A inspiração acontece espontaneamente, quando o diafragma e o ventre se expandem.

Ao exalar, o diafragma se eleva e a musculatura reta abdominal se contrai vigorosa e rapidamente. Ao inspirar, o abdômen se projeta para fora. Ao exalar, ele se contrai com força.

Você poderá fazer vários ciclos desse respiratório, contando o número de exalações. No início serão algumas dezenas, que você irá progressivamente aumentando até vários centenares.

Após um certo tempo de prática, quando houver eliminado aqueles sinais de desconforto decorrentes do exercício (no início poderá sentir desconforto ou até algumas pequenas dores musculares nos flancos, na região abdominal ou nas costas), você conseguirá aumentar ainda mais a duração de cada ciclo.

É aconselhável fazer uma retenção com pulmões cheios combinada com bandha no final de cada ciclo de bhastrikā. Durante as primeiras vezes que o fizer, a fim de fortalecer e treinar a sua capacidade vital, sugerimos que você faça o kūmbhaka juntamente com jīhvabandha (contração da língua no céu da boca) e aśvinīmudrā (contração ritmada dos esfíncteres do ânus e da uretra).

Quando começar a fazer retenções prolongadas, utilize o jalāndharabandha, a suave compressão do queixo em direção ao tórax, combinado com mūlabandha, a ativação do assoalho pélvico.

Bhastrikā

“O bhastrikā prāṇāyāma seguido de um kūmbhaka, uma retenção da respiração com os pulmões cheios, é praticado especificamente para ativar a força kuṇḍaliṇī. De onde pode o medo da morte surgir ao yogi que realiza tapas (esforço sobre si próprio) e pratica diariamente com regularidade?” Haṭhayoga Pradīpikā, III:122.

Preste atenção para não contrair a musculatura da fisionomia nem movimentar os ombros durante o exercício.

Efeitos: fortalece a parede abdominal, aumenta a circulação sangüínea e tonifica o sistema nervoso.

Normaliza as funções dos aparelhos digestivo e excretor. Oxigena todo o organismo e revitaliza os tecidos.

No plano sutil, provoca um aumento relevante da consciência de si próprio e da força de vontade.

Contraindicações: evite praticar este prāṇāyāma se tiver alguma cardiopatia, hipertensão arterial, glaucoma ou estiver com gripe ou enxaqueca. Igualmente, esta prática deve ser evitada durante a gravidez.

॥ हरिः ॐ ॥

Instruções detalhadas sobre este respiratório aqui:

॥ हरिः ॐ ॥

O bhastrikā prāṇāyāma
na Haṭhayoga Pradīpikā 

A Haṭhayoga Pradīpikā, no seu segundo capítulo, introduz uma forma interessante de praticar o bhastrikā, onde a respiração acelerada é combinada com a alternância das narinas.

अथ भिस्त्रका
ऊवोर्रुपिर संस्थाप्य शुभे पादतले उभे ।
पद्मासनं भवेदेतत्सवर्पापप्रणाशनम् ॥ ५९॥
atha bhastrikā
ūrvorupari saṁsthāpya śubhe pādatale ubhe |
padmāsanaṁ bhavedetatsarvapāpapraṇāśanam || 59 ||

II:59. Ao adotar-se padmāsana, colocando-se os pés sobre as coxas opostas, eliminam-se os efeitos nocivos de todas as doenças.

सम्यक्पद्मासनं बदध्वा समग्रीवोदरः सुधीः ।
मुखं संयम्य यत्नेन प्राणं घ्राणेन रेचयेत् ॥ ६०॥
samyakpadmāsanaṁ baddhvā samagrīvodaraḥ sudhīḥ |
mukhaṁ saṁyamya yatnena prāṇaṁ ghrāṇena recayet || 60 ||

यथा लगित हृत्कण्ठे कपालाविध सस्वनम् ।
वेगेन पूरयेच्चािप हृत्पद्माविध मारुतम् ॥ ६१॥
yathā lagati hṛtkaṇṭhe kapālāvadhi sasvanam |
vegena pūrayeccāpi hṛtpadmāvadhi mārutam || 61 ||

II:60-61. Após ter adotado corretamente tal postura, com as costas e a nuca alinhadas, fecha-se a boca e exala-se com energia pelo nariz de forma tal, que se sinta a pressão no coração, na garganta e na cabeça; então, inala-se rapidamente, até que a força vital alcance o lótus do coração, anāhatacakra.

पुनिवर् रेचयेत्तद्वत्पूरयेच्च पुनः पुनः ।
यथैव लोहकारेण भस्त्रा वेगेन चाल्यते ॥ ६२॥
तथैव स्वशरीरस्थं चालयेत्पवनं धिया ।
यदा श्रमो भवेद्देहे तदा सूयेर्ण पूरयेत् ॥ ६३॥
punarvirecayettadvatpūrayecca punaḥ punaḥ |
yathaiva lohakāreṇa bhastrā vegena cālyate || 62 ||
tathaiva svaśarīrasthaṁ cālayetpavanaṁ dhiyā |
yadā śramo bhaveddehe tadā sūryeṇa pūrayet || 63 ||

II:62-63. Repete-se a expiração e a inspiração desta forma sucessivamente, como o ferreiro que maneja seu fole com força; assim, consegue-se uma circulação constante de prāṇa pelo corpo; ao sentir o corpo cansado, exala-se [vagarosamente] por piṅgalā, a narina direita.

यथोदरं भवेत्पूणर्मिनलेन तथा लघु ।
धारयेन्नािसकां मध्यातर्जनीर्भ्यां विना दृढम् ॥ ६४॥
yathodaraṁ bhavetpūrṇamanilena tathā laghu |
dhārayennāsikāṁ madhyātarjanībhyāṁ vinā dṛḍham || 64 ||

II:64. Após encher o interior do corpo com prāṇa, fecham-se ambas as fossas nasais com o polegar, o anular e o mínimo.

विधिवत्कुम्भकं कृत्वारेचयेिदडयािनलम्।
वातिपत्तश्लेष्महरं शरीरािग्निववधर्नम् ॥ ६५॥
vidhivatkumbhakaṁ kṛtvā recayediḍayānilam |
vātapittaśleṣmaharaṁ śarīrāgnivivardhanam || 65 ||

II:65. Faz-se então kūṁbhaka segundo a descrição anterior e exala-se [lentamente] através de īdā, [a narina esquerda]. Isto elimina os desequilíbrios causados pelo excesso de pitta, kapha e vāta e estimula o fogo gástrico do corpo.

कु ण्डली बोधकं क्षिप्रं पवनं सुखदं हितम् ।
ब्रह्मनाडीमुखे संस्थकफाद्य्अगर्लनाशनम् ॥ ६६॥
kuṇḍalī bodhakaṁ kṣipraṁ pavanaṁ sukhadaṁ hitam | brahmanāḍīmukhe saṁsthakaphādyargalanāśanam || 66 ||

II:66. Este procedimento desperta a kuṇḍaliṇī rapidamente, purifica as nāḍīs, é agradável e benéfico; desta maneira eliminam-se os obstáculos que obstróem a entrada de suṣumṇānāḍī.

सम्यग्गात्रसमुद्भतू ग्रिन्थत्रयिवभेदकम् ।
विशेषेणैव कतर्व्यं भस्त्राख्यं कु म्भकं त्विदम् ॥ ६७॥
samyaggātrasamudbhūtagranthitrayavibhedakam |
viśeṣeṇaiva kartavyaṁ bhastrākhyaṁ kumbhakaṁ tvidam || 67 ||

II:67. Este kūṁbhaka, denominado bhastrikā, deve ser praticado com afinco, pois faz com que o prāṇa atravesse os três “nós” (granthis) que estão ao longo de suṣumṇānāḍī.

[Esses três “nós” energéticos, chamados brahmāgranthi, viṣṇugranthi e rudragranthi, são obstáculos ao longo do canal central que a energia psíquica precisa percorrer após haver despertado. O primeiro está localizado no cakra básico, mūlādhāra, o segundo no cakra cardíaco, anāhata, e o terceiro, no cakra do intercílio, ājñacakra. Sua função é prevenir o despertar indesejado da energia potencial (kuṇḍaliṇī).]


Extraído do Guia de Meditação.

Desiderata

Desiderata

Pedro Kupfer em Pratique, Yoga na Vida
  ·   20 segundos de leitura

Āsanas para fortalecer a lombar

Pedro Kupfer em Āsana, Pratique
  ·   8 mins de leitura

4 respostas para “Bhastrikā prāṇāyāma”

  1. Saudações Fraternas Caro Pedro Kupfer
    Meu nome é Marcelo Kilca. Desde o dia 14/02, aproximadamente, sinto uma inexplicável vontade de fazer exercícios respiratórios. Aliás, sempre tive este interesse, porém, agora a vontade aumentou tremendamente. Procurei informações no YOUTUBE. Nada me chamou a atenção. Ao pesquisar no Dreamule, no entanto, encontrei material (Parte 1 e 2) que achei muito interessante. Inclusive posso enviar para você o material. Trata-se de aulas de respiração (pranayam) ministradas por PARAMPUJYA SWAMI RAMDEV JI MAHARAJ (até então nunca tinha ouvido falar dele!). Hoje, dia 22/02 fiz 02 exercícios após minha prática diária de Tai Chi Chuan Pa kua. Realizei BHASTRIKÁ e KAPALBHATI pramayama. O primeiro por 2 minutos e o segundo por 5 minutos, conforme Swami Maharaj explicou. Resultado: após os exercícios senti grande sensação de bem estar. Minha noiva percebeu que eu estava cheirando mal, como se eu estivesse suado bastante. Então, procurei material para conhecer melhor a técnica. Encontrei este sítio. Surgiram as seguintes dúvidas a respeito da BASTRIKÁ provenientes da leitura do texto infra transcrito: BHASTRIKÁ PRÁNÁYÁMA http://www.yoga.pro.br/artigos/309/3030/bhastrika-pranayama Sentado no dhyánásana da sua escolha, com as costas bem eretas, faça por alguns instantes a respiração abdominal. Aos poucos, comece a acelerar o ritmo, contraindo ao máximo o abdômen a cada exalação. Isso deve produzir um ruído bem alto e forte. A inspiração acontece espontaneamente, quando o diafragma e o ventre se expandem. MK: durante a explicação dos exercícios, Swami Maharaj não destaca a questão de acelerar o ritmo. Você poderá fazer vários ciclos desse respiratório, contando o número de exalações. No início serão algumas dezenas, que você irá progressivamente aumentando até vários centenares. MK: Swami Maharaj enfatiza que deve ser feito 2 min. no mínimo e no máximo 5 min. do exercício apenas 1 vez ao dia. aconselhável fazer uma retenção com pulmões cheios combinada com bandha no final de cada ciclo de bhastriká. Durante as primeiras vezes que o fizer, a fim de fortalecer e treinar a sua capacidade vital, sugerimos que você faça o kúmbhaka juntamente com jihva bandha (contração da língua no céu da boca) e ashwiní mudrá (contração ritmada dos esfíncteres do ânus e da uretra). Quando começar a fazer retenções prolongadas, utilize o jalándhara bandha (contração do queixo no tórax) combinado com múla bandha (contração dos esfíncteres). MK: tais detalhes eu já conhecia, todavia, Swami Maharaj não aprofundou a este nível a explicação. Preste atenção para não contrair a musculatura da fisionomia nem movimentar os ombros durante o exercício. MK: observa-se claramente que Swami Maharaj parece movimentar os ombros durante o exercício ou eu percebi errado.

Os comentários estão fechados