Conheça, Literatura

Glossário Sânscrito da Bhagavadgītā

Glossário da Gītā A Acārya – mestre, preceptor. Acyuta – firme, forte, imutável, eterno, imortal. Um dos títulos de Viṣṇu e de Kṛṣṇa. Adharma – injustiça, impiedade. Ver dharma. Adhibhūta – Ser supremo. Adhidaiva – Divindade suprema. Adhiyajña – sacrifício supremo. Ādhyātman – Espírito supremo. Āditya – o Sol. Ādityas – filhos de Āditi, mãe dos deuses. As […]

· 13 mins de leitura >

Glossário da Gītā

A

Acārya – mestre, preceptor.

Acyuta – firme, forte, imutável, eterno, imortal. Um dos títulos de Viṣṇu e de Kṛṣṇa.

Adharma – injustiça, impiedade. Ver dharma.

Adhibhūta – Ser supremo.

Adhidaiva – Divindade suprema.

Adhiyajña – sacrifício supremo.

Ādhyātman – Espírito supremo.

Āditya – o Sol.

Ādityas – filhos de Āditi, mãe dos deuses. As doze personificações do Sol em cada signo do Zodíaco, que presidem os doze meses do ano. Seu chefe é Viṣṇu, que preside o mês em que começa a primavera.

Agni – fogo ou deus do fogo.

Ahaṅkāra – egotismo, ou consciência do ser pessoal. O princípio graças ao qual adquirimos o sentimento da própria personalidade, e a ilusória noção de que o não-Eu (corpo) é o Eu (Espírito), a atribuição de todas as ações do Eu que é inativo e imutável.

Airāvata – rei dos elefantes, cavalgadura do deus Indra.

Ākaśa – espaço, éter.

Amṛta – néctar dos deuses, ambrósia ou alimento da imortalidade.

Ananta – rei dos nāgas. Serpente de mil cabeças, sobre cujo corpo descansa Viṣṇu. Ao fim de cada kalpa, vomita um fogo devorador que destrói toda a criação. É símbolo da eternidade.

Antaḥkaraṇa – as faculdades internas: buddhiahaṅkāra e manas, que, consideradas em conjunto, constituem o “orgão interno”, ou alma, cuja atividade se estende ao passado, presente e futuro.

Antarātman – ser.

Aparaprakṛti – a natureza inferior da divindade.

Glossário

Arjuna – terceiro dos príncipes Pāṇḍavas. Filho de Pāṇḍu e Priṭhā, ou Kuntī. Na verdade, Arjuna foi misticamente engendrado pelo deus Indra.

Ārya – nobre.

Āryaman – chefe dos pitṛs.

Asat – não-ser. A natureza objetiva considerada ilusória.

Asita – um dos ṛṣis.

Asuras – demônios, inimigos dos suras (deuses).

Ātman – o Eu Supremo, Espírito. Significa também: natureza, essência, caráter, vida, coração, mente, inteligência, pensamento, etc.

Avatāra – equivale a encarnação, especialmente de um deus que desce à Terra assumindo uma forma visível.

Avyakta – imanifesto, invisível.

Avyaya – imutável, imperecível.

Aśvattha – figueira sagrada.

Aśvatthāma – filho de Drona, um dos comandantes do exército Kaurava.

Aśvins – gêmeos filhos do Sol, chamados Nāsatya e Dasra.

B

Bhagavadgītā – Canto do Senhor.

Bhakti – adoração, devoção, amor divino.

Bhakti Yoga – caminho da devoção.

Bhārata – suposto primeiro rei da Índia.

Bharatīya – descendente de Bhārata.

Bhima – segundo dos príncipes Pāṇḍavas, engendrado misticamente por Váyu, deus do ar. Comandante do exército Pándava.

Bhīsma – cunhado de Vicitravīrya, chefe do exército Kaurava.

Bhṛgu – chefe dos grandes rishis.

Bhūtas – espíritos elementares. Segundo a fantasia popular, são larvas, vampiros, duendes, fantasmas ou espíritos maléficos que freqüentam cemitérios, animam os corpos dos mortos e devoram seres humanos.

Brahman – o Ser Supremo, o Absoluto, o Espírito Universal e Eterno; o Impessoal, Supremo e inconcebível princípio do Universo.

Brahmā – divindade material e perecível, personificação do poder criador de Brahman.

Brahmacarya – voto de castidade.

Brahmasītra – aforismos relativos ao Ilimitado, Brahman.

Brāhmaṇa ou Brâmane – indivíduo da casta sacerdotal, a primeira das quatro castas da Índia. Comentários ou interpretações de certas partes dos Vedas.

Bṛhaspati – sacerdote de Indra, preceptor dos deuses. O planeta Júpiter.

Bṛhat Saman – o grande hino. Faz parte do Sama Veda.

Buddhi – intelecto, razão, juízo, entendimento, conhecimento. O poder pensante em si mesmo, independente das impressões recebidas pelos sentidos; a faculdade de julgar, discernir e decidir.

Buddhi Yoga – caminho do conhecimento.

C

Caitanya – mente, entendimento, inteligência, consciência.

Cakra – disco, arma de arremesso.

Cara – móvel, animado.

Cekitāna – rei dos Pándavas.

Cela – discípulo, neófito.

Ceta – mente, pensamento, ânimo, coração, alma.

Citraraṭha – chefe dos Gandharvas, ou músicos celestes.

Citta – mente, inteligência, pensamento. Ver Antaḥkaraṇa.

D

Daityas – gigantes descendentes de Diti. Lutaram com os deuses pela soberania dos céus; vencidos, refugiaram-se no inferno.

Dānavas – gigantes ou demônios descendentes de Dánu.

Deva – ser celestial, divindade inferior.

Devala – um dos filhos de Vishwamitra. Por sua grande sabedoria, chegou a ser um dos sete Rishis.

DevaṛṣisRishis divinos. Semideuses que habitam o céu de Indra.

Dhanañjaya – que acumula riquezas.

Dharma – lei, religião, justiça, dever, piedade, virtude, prática. Deus da justiça.

Dhriṣṭadyumna – filho de Drupada, um dos chefes do exército Pándava.

Dhṛṣṭaketu – rei de Cedi, aliado dos Pāṇḍavas.

Dhritarāṣṭra – rei de Hastināpura. Cego de nascença, teve que renunciar ao trono em favor de Pāṇḍu, seu irmão menor. Teve cem filhos com Gāndharī. O mais velho era Duryodhana.

Draupadī – nome de família da filha do rei Drupada, esposa comum dos cinco príncipes Pāṇḍavas.

Drona – sábio brāhmaṇa, preceptor militar dos príncipes Kauravas e Pāṇḍavas, um dos chefes do exército Kaurava.

Drupāda – rei dos Pancālas, um dos chefes do exército Pāṇḍava.

Duryodhana – primogênito dos príncipes Kaurava, filho de Dhritarāṣṭra. Dominado pela inveja e pela ambição, foi causa da guerra entre Kauravas e Pāṇḍavas.

Dvandva – pares contrários. É a suscetibilidade ao prazer e à dor, a luta das paixões, a ilusão nascida das simpatias e antipatias.

Dvīja – duas vezes nascidos. Título dado em geral aos brāhmaṇas.

G

Gandhārvas – seres celestiais, músicos ou cantores dos deuses. Habitam o paraíso de Indra.

Gāndīva – que fere no rosto. Nome do arco de Arjuna, presente de seu pai, o deus Indra.

Gītā – canto, poema, hino.

Govinda – vaqueiro. Kṛṣṇa recebeu esse qualificativo por ter sido criado na família de um vaqueiro chamado Nanda.

Guḍākeśa – senhor do sono, ou “de cabeleira redonda”, sobrenome de Arjuna.

Guṇas – os três modos, qualidades ou atributos que constituem a matéria: sattva, rajas e tamas.

Guru – qualquer pessoa venerável ou digna de respeito. Mestre espiritual.

H

Hari – um dos nomes de Viṣṇu. O que dissipa a ignorância.

Hṛṣikeśa – senhor dos sentidos, “o de cabeleira frisada”. Sobrenome de Krishna.

I

Ikṣvāku – filho do legislador Manu; primeiro rei da Dinastia Solar e um dos ṛṣis reais.

Indra ou Vāsava deus do firmamento, rei das divindades siderais.

Indrīyas – Os cinco órgãos de sensação ou percepção e os cinco órgãos de ação.

Īśvara – Deus, Senhor, Soberano.

J

Jāhnavī – filha de Jahnu, o rio Ganges.

Janaka – rei de Mithila, um dos grandes ṛṣis, célebre por sua sabedoria e santidade.

Janārdhana – sobrenome de Vishnu e de Kṛṣṇa. Significa “perseguidor de inimigos”, “o adorado pela humanidade”, etc.

Japayajña – sacrificlo que consiste na recitação em voz baixa, fórmulas, orações ou textos sagrados.

Jiva – vida, ser vivente, o Eu ou espírito individual.

Jivātman – espírito individual encarnado em um ser.

Jñāna – conhecimento, saber, inteligência. Conhecimento adquirido através dos livros, ou de ensinarnentos orais dos mestres.

Jñāna YogaYoga da sabedoria ou conhecimento.

Jayadratha – rei dos Sivis, ou Sindhavas, um dos chefes do exército Kuru.

K

Kāla – tempo, morte.

Kalpa – um ciclo, ou seja, um Dia de Brahman.

Kāma – Deus do amor e senhor das ninfas celestes. É representado como um belo rapaz, armado de arco e cinco flechas enfeitadas com flores, com que fere os sentidos. Significa também: desejo, amor, prazer, inclinação, etc.

Kāmadhenu – vaca da abundância, da qual se podia extrair o que se quisesse.

Kandarpa – outro nome de Kāma.

Kapila – célebre asceta (muni), fundador do sistema Sāṅkhya.

Karma – ação, obra, função, ofício, cargo, dever, etc. Também significa o destino que surge da natureza de cada indivíduo, moldado por suas palavras, ações, pensamentos e desejos (da existência atual ou das anteriores).

Karma Yoga – devoção através das obras. Caminho da ação.

Karmendrīyas – Os cinco órgãos ou poderes de ação.

Karṇa – rei de Anga e um dos chefes dos Kurus.

Kavi – poeta, sábio.

Kṣatrīya – guerreiro. Indivíduo pertencente a segunda casta da Índia.

Kṣetra – matéria, ou seja, o campo, meio, veículo ou corpo em que reside o espírito.

Kṣetrājña – conhecedor de kṣetra, o espírito.

Keśava – outro dos nomes de Kṛṣṇa. Significa “o de abundante cabeleira”.

Kṛṣṇa – oitava encarnação de Viṣṇu; o Salvador; o deus mais popular da Índia. Filho de Vasudeva e Devakī, era primo de Arjuna. Para escapar da perseguição de seu tio Kaṇsa, foi entregue aos cuidados de uma família de pastores, que vivia do outro lado do rio Yamuṇā. Percorreu a Índia com seus discípulos, predicando.

Kṛpa – rei dos Pancalas, um dos chefes do exército kaurava.

Kroḍha – ira, cólera, furor, ódio, paixão.

Kumāras – Sanaka, Sanandana, Sanātana e Sanatkumāra. Nasceram da mente de Brahmā.

Kuṇṭī ou Pṛthā – uma das esposas de Pāṇḍu, mãe de Yudiṣṭīra, Bhīma e Arjuna, engendrados misticamente pelos deuses Dharma, Vāyu e Indra.

Kuru – antigo rei, antecessor comum dos Kurus e dos Pandavas.

Kurukṣetra – campo de Kuru. Lugar santificado pelos atos piedosos de Kuru.

Kuvera – deus das riquezas. Habita as regiões das trevas como rei dos Yakṣas e Rākṣasas, que são os guardiães de seus tesouros.

Kuśa – erva sagrada da Índia.

L

Liṅgaṁ – corpo sutil constituído pelo buddhiahaṅkāra, manas e pelos dez indriyas, unidos pelos cinco elementos sutis (tanmātras).

Loka – mundo, região, lugar, geração, humanidade.

M

Mādhava – sobrenome de Krishna.

Madhu – gigante morto por Krishna.

Mahābāhu – “o de braço poderoso”, título dos príncipes ários.

Mahabhārata – a grande guerra dos Bhāratas. Epopéia indiana. A Bhagavadgītā é um dos seus episódios.

Mahabhītas – Os cinco elementos compostos: espaço, ar, fogo, água e terra.

Mahaṛṣis – grandes ṛṣis.

Mahātma – grande alma.

Mahākalpa – período de tempo que compreende cem anos de Brahmā.

Mahāyuga – grande idade. Consta de quatro yugas (idades).

Makra – monstro marinho, montado por Varuṇa, o deus do oceano.

Manas ou Manaḥ – o sentido interno, que comanda a ação dos sentidos e analisa, sintetiza e elabora as impressões transmitidas por estes.

Mantra – oração, hino ou canto religioso.

Manu – personificações do pensamento divino, presidem os diversos ciclos da existência.

Manvantāra – Dia de Brahmā.

Mārici – chefe dos Maruts, personificações dos ventos. Um dos antecessores solares da Humanidade, um dos sete ṛṣis originais.

Maruts – deuses ou personificações dos ventos.

Māyā – ilusão. O poder mágico do pensamento, capaz de criar formas ilusórias, criador do mundo dos fenômenos.

Medhā – inteligência, conhecimento, sabedoria.

Mokṣa – Libertação, salvação. Libertação de todo nexo com a matéria. União do espírito individual com o espírito universal.

Mīlaprakṛti – matéria primordial, informe e indiferenciada, da qual surgem todas as formas materiais do Universo.

Muni – santo inspirado, asceta que observa o voto do silêncio e vive isolado, entregue à contemplação.

N

Nāgas – serpentes com rosto humano, dotadas de grande sabedoria e linguagem.

Nakula – quarto dos príncipes Pāṇḍavas, filho de Madrī, engendrado por Nāsatya.

Nara – homem.

Narada – um dos dez progenitores da Humanidade, nascidos de Brahmā.

Nāraka – inferno, lugar onde os mortais expiam suas culpas, sofrendo o castigo que merecem.

Nirvāṇa – completa absorção do Eu, ou espírito individual no espírito universal, de que é uma parte. O homem deixa de existir como homem para existir como Deus em um estado de repouso consciente na onisciência, em eterna bem-aventurança.

O

Oṁ – Apontador para o Ilimitado.

P

Pāṇḍava – nome derivado de Pāṇḍu, designa seus descendentes.

Pāṇḍita – professor, sábio.

Pāṇḍu – segundo filho de Vyāsa, irmão do rei cego Dhritarāṣṭra, pai adotivo dos cinco príncipes Pāṇḍavas.

Parabrahman – supremo Brahman.

Paramātman – espírito supremo.

Parameṣvara – Senhor suprerno. Um dos nomes de Viṣṇu.

Parantapa – perseguidor de inimigos.

Paraprakṛti – a natureza superior da divindade.

Pārṭha – nome de família de Arjuna, filho de Prithā.

Pāvaka – fogo, ou deus do fogo.

Piṣācasasuras inferiores, gênios maus, ou vampiros.

Pitṛs – deuses manes, deuses lunares, antecessores da Humanidade. Manes dos antepassados.

Prahlāda – rei dos Daityas.

Prajapáti – progenitor, criador.

Prakṛti – natureza material em oposição a Puruṣa, ou Espírito. Eterna e incriada como o Espírito, diferencia-se deste por ser inconsciente, ativa e sempre sujeita a transformações.

Pralaya – dissolução, destruição, fim, morte. A noite de Brahmā, ou período de dissolução do Universo.

Prāṇa – princípio de vida, alento vital.

Prāṇāyāma – um dos exercícios preparatórios do Yoga.

Pranava – lisonja, ou expressão laudatória.

Pretas – seres humanos desencarnados que habitam as regiões das sombras.

Puruṣa – homem, ser masculino, princípio criador, espírito divino. Espírito em contraposição à matéria (Prakṛti), princípio espiritual, eterno consciente, incriado, inativo e imutável.

Puruṣottama – princípio supremo, espírito ou ser. Título da divindade suprema.

Purujit – aliado dos Pāṇḍavas.

R

Rājaṛṣis – ṛṣis reais.

Rajas – segunda qualidade da matéria. Paixão, agitação, mobilidade, atividade, ambição, dor, etc.

Rakṣasas – espíritos malignos inimigos dos deuses e dotados de grande poder.

Rāma – sétima encarnação de Viṣṇu.

Ṛṣis – sábios que, mesmo depois de completar sua evolução como homens, permanecem em contato com a Humanidade, ajudando-a a progredir.

Ṛgveda – o mais antigo dos Vedas.

Rudras – seres celestiais, semideuses, senhores dos três mundos celestiais. São onze e personificam os onze atributos de Śiva. Seu chefe é Hara, ou Śaṅkara, que é o próprio Śiva, terceira pessoa da trindade hindu.

S

Sādhyas – santos, perfeitos. Divindades inferiores ou deuses cósmicos que habitam a região intermediária entre o Céu e a Terra.

Sahadeva – quinto dos príncipes Pāṇḍavas. Filho de Madrī, engendrado por Daśra.

Samādhi – absorção meditativa.

Saṁsāra – ciclo de nascimentos e mortes, a vida transmigratória, existência terrena.

Sāṅkhya – um dos seis Darśanas, ou sistemas filosóficos da Índia, fundado por Kapila.

Saṁnyāsa – renúncia, abandono. Renúncia à ação relacionada com os desejos.

Saṁnyāsin – renunciante. Asceta que vive isolado, dedicando-se exclusivamente a contemplação e ao conhecimento do Espírito.

Sañjaya – śutā (condutor da carruagem do) do rei Dhṛtarāṣṭra. Dotado por Vyāsa da percepção celeste, para poder informar o rei cego dos detalhes da batalha, inclusive do diálogo entre Kṛṣṇa e Arjuna.

Sarga – emanação, criação.

Sat – Aquele que é, o Ser, a Realidade Única.

Sattva – a primeira das três qualidades da matéria: bondade, pureza, verdade, luz, placidez, estabilidade, energia, etc.

Siddhas – seres humanos que por seu saber e santidade chegam a uma condição semidivina.

Śābdabrahman – literalmente “Palavra-Brahman”, os Vedas, ou seja, a palavra divina.

Shankara – “o que causa a felicidade”; um dos nomes do deus Śiva.

Śāstra – escritura, livro sagrado, ensinamento, lei, preceito.

Śiva – terceira pessoa da trindade hindu, o deus destruidor, que destrói para regenerar.

Śraddhā – confiança.

Śruti – revelação.

Śūdra – indivíduo da casta inferior, a dos servos.

Śvapāka – pária, homem degradado. Literalmente, “o que come carne de cachorro”.

Skanda – segundo filho de Śiva, o deus destruidor. Deus da guerra, o planeta Marte.

Sloka – estância, versículo.

Soma – a Lua, a seiva, bebida sagrada.

Subhadrā – irmã de Kṛṣṇa, esposa de Arjuna.

Suras – deuses inferiores em luta contínua com os asuras (demônios). São chefiados pelo deus Indra.

Śuṭā – condutor de carro.

Svārga – céu, paraíso de Indra, situado no monte Meru.

T

Tamas – terceira das qualidades da matéria. Escuridão, trevas, torpeza, ignorância, apatia, negligência, inércia, insensatez, etc.

Tanmātras – Os cinco elementos sutis, correspondentes aos cinco sentidos.

Tat – Aquele, o Universo.

Tattva – essência, realidade, verdade. A realidade absoluta.

Trimurti – trindade composta pelas três divindades: Brahmā (criador), Viṣṇu (conservador) e Śiva (destruidor ou regenerador).

Tyāga – renúncia ao fruto das ações.

U

Uccaiśravas – cavalo branco de Indra.

Ucmapas – uma classe de pṛtis.

Upādhi – condição, limitação, base, veículo, corpo.

Upaniṣad – doutrina secreta. Exposição do sentido místico dos Vedas.

Uragas – serpentes divinas, dotadas de grande sabedoria.

Uśana – sábio preceptor dos asuras.

V

Vāda – a principal forma de argumentação. Palavra.

Vainateya – ave sagrada de Viṣṇu.

Vaiṣya – indivíduo pertencente à terceira casta, a dos comerciantes e agricultores.

Vārṣṇeya – descendente de Vṛṣṇī. Nome de família de Kṛṣṇa.

Varuṇā – deus do oceano.

Vāsanās – impressões deixadas pelas experiências vividas no buddhi. Constituem a memória, o instinto, as aptidões e as tendências de cada indivíduo.

Vasanta – primavera.

Vásava – um dos nomes de Indra.

Vasus – seres semidivinos, personificações dos fenômenos cósmicos.

Vásudeva – nome herdado por Krishna de seu pai.

Vāsuki – rei das serpentes do inferno.

Vāyu – deus do ar; o ar.

Vedānta – o sistema de interpretação dos Vedas. Uma das seis escolas filosóficas da Índia.

Vedas – Escrituras sagradas. Antiquíssirnos, supostamente revelados pelo próprio Brahmā. Inicialmente transmitidos por tradição oral, foram rnais tarde compilados por Vyāsa.

Vibhāga – separação, distinção, diferença, divisão, distribuição, participação.

Viṣṇu – segunda pessoa da trindade indiana, o deus conservador. É manifestação da energia solar e, por isso, chefe dos Ādityas.

Vijñāna – conhecimento superior, intuitivo, percepção imediata e clara da verdade.

Vikarna – terceiro filho de Dhṛtarāṣṭra.

Vivasvāt – o que tudo ilumina. O deus-Sol.

Viśvas – deuses inferiores relacionados com as cerimônias fúnebres.

Vṛṣṇi – filho de Yadu e um dos antecessores de Kṛṣṇa, que por isso leva o nome de Varṣṇeya (descendente de Vriṣṇī).

Vyākta – manifesto, visível, diferenciado.

Vyāsa – compilador. O mais conhecido é Kṛṣṇa Dvaipāyaṇa, que compilou o Mahabhārata e o Vedānta.

Y

Yajña – adoração, devoção, culto, sacrifício.

Yakṣas – demônios ou espíritos malígnos.

Yama – juiz dos mortos.

Yoga – união, conexão, meio, caminho, obra, prática, exercício, esforço, poder, aplicação, atenção, aquisição, harmonia, equilíbrio, recolhimento, concentração mental, meditação, contemplação, devoção, regra, doutrina, ensinamento, livro, tratado, discurso, etc. Designa também o sistema filosófico de Patañjali. Na acepção de “caminho”, ou meio de conhecimento, comporta três divisões: 1) Karma Yoga, caminho da ação, ou devoção através das obras; 2) Jñāna Yoga, caminho do conhecimento, que consiste no domínio dos sentidos e da mente, fazendo com que esta se concentre na contemplação do espírito, para receber dele a iluminação; 3) Bhakti Yoga, caminho da devoção amorosa ao Ser Supremo. No sistema de Patañjali, Yoga designa a união do eu humano com o Eu divino, através da prática assídua da meditação. Graças a essa união mística, o homem adquire um domínio completo sobre o corpo, que lhe permite gozar da percepção das verdades eternas do mundo visível e invisível e desenvolver faculdades maravilhosas, latentes no gênero humano.

Yogamāyā – o poder criador de ilusão.

Yogayukta – consagrado ao Yoga, imerso em meditação.

Yogeśvara – Senhor do Yoga.

Yogi – devoto, asceta, místico.

Yudiṣṭīra – o maior dos príncipes Pāṇḍavas, filho de Kuntī, engendrado por Dharma, o deus da justiça.

Yuga – idade ou vasto período de tempo. Os yugas anteriores ao atual foram: Kṛta Yuga, ou Idade de Ouro; Treta Yuga, ou Idade de Prata; e Dvāpara Yuga, ou Idade de Bronze. Atualmente nos encontramos no Kali Yuga, Idade Negra, ou Idade de Ferro, iniciada há uns cinco mil anos.


॥ हरिः ॐ ॥

Saiba mais aqui:
1. O Yoga da Bhagavadgītā
2. A História da Bhagavadgītā
3. Introdução ao estudo da Bhagavadgītā

Traduzido do castelhano para o português por Eloísa Ferreira.
Publicado originalmente pela Editora Três, de São Paulo, em 1973, na Biblioteca Planeta, Volume 7.

Digitado por Cristiano Bezerra.

Uma resposta para “Glossário Sânscrito da Bhagavadgītā”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *