Āsana, Pratique

Moksha e o apego ao corpo

Na atual onda de popularidade que o Yoga está vivendo, constatamos que uma grande ênfase é dada à prática dos āsanas, em detrimento do real objetivo: mokṣa, a liberdade. Āsanas são os exercícios: posturas que vitalizam, dão flexibilidade e fortalecem o corpo, além de movimentarem de forma variada o fluxo de energia, preparando a estrutura para o despertar da potencialidade.

Escrito por Patrícia de Abreu · 3 mins de leitura >

Na atual onda de popularidade que o Yoga está vivendo, constatamos com facilidade que uma grande ênfase é dada à prática dos āsanas, em detrimento do real objetivo, que é mokṣa a liberdade. Āsanas são os exercícios do Yoga: posturas instigantes e desafiadoras que vitalizam, dão flexibilidade e fortalecem todo o corpo, além de movimentarem de forma intensa e variada o fluxo de energia, preparando a estrutura para o despertar da energia potencial. São definidos por Patañjali como “firmes e agradáveis”, sthirasukham.

O Yoga Sūtra, II:47 diz que “a posição é dominada quando se elimina a tensão e se medita no infinito”. Segundo Pedro Kupfer no Dicionário de Yoga, “É através deles que o praticante faz do corpo um instrumento para o crescimento pessoal”. Mas o crescimento muitas vezes é deixado de lado e o cuidado com o corpo acaba se tornando um fim em si mesmo. Pedro complementa ainda: “é preciso ter muita consciência e saber exatamente o que se busca ao fazer āsana, e para que se pratica. Se não for assim, corre-se o risco de que o ego cresça em proporção direta ao aumento da flexibilidade”.

Mas essa consciência parece ter sido esquecida e o que vemos é um apego demasiado ao corpo. Mokṣa então torna-se impossível, já que os valores são deixados de lado. Segundo o Dicionário Houaiss, a palavra apego significa “dedicação constante e excessiva a algo”, nesse caso ao corpo, e se existe um apego demasiado ao corpo um dos yamas do Yoga clássico não está sendo considerado, aparigraha, a não possessividade, que também é traduzida por desapego e que se não levada a sério nos tira da sintonia necessária para praticar.

Parigraha é ambição, é apego. Será que ter – nesse caso, um corpo perfeito – é ser? Para o praticante apegado se o corpo não for perfeito ele não consegue ser feliz e apenas experimenta a felicidade em momentos da valorização do corpo, mas essa experiência se perde, pois é momentânea e passageira.
Vyāsa, comentarista do Yoga Sūtra, em comentário ao aforismo II:38 diz que aparigraha significa “desistir de cobiçar, considerando que a cobiça e o acúmulo causam problemas, que as coisas estão sujeitas à decadência e que a associação com elas causa desconfiança e rancor”.

A Enciclopédia de Yoga de Georg Feuerstein indica que a palavra corpo, em sânscrito, se diz sharīra, que vem do radical shri, “desintegrar-se”, ou seja, “aquilo que decai”. Então por que o apego a algo que irá inevitavelmente desintegrar-se? Vaidade?

Sim, apego ao corpo aponta vaidade excessiva, outro fator que impede o praticante de caminhar em busca da liberdade. Mas, igualmente, há o medo da morte, e a identificação com o corpomente, que faz com que pensemos que, na hora da morte do corpo, o Ser que somos também deixa de existir. Isso é chamado avidyā, ignorância existencial.

Amanitvam é ausência de vaidade, um valor, uma qualidade da mente que é importante estar presente para o conhecimento do Ser, lembrando que é um valor a ser reconhecido e não forçado. Segundo Swāmi Dayānanda no livro O Valor dos Valores, “Amanitvam vem da palavra Sânscrita manah, que significa auto-respeito, auto-estima, estendendo-se a vaidade e arrogância”.

Logo, se existe apego confirmamos então que é decorrente a vaidade exagerada. Swāmijī complementa, “não quer dizer que a pessoa seja sem qualificações, mas quaisquer qualificações que a pessoa tenha aparecem amplificadas com exagero em sua mente como merecedores de respeito e valorização dos outros”.

Quando esse indivíduo não é elogiado ou reconhecido acaba sofrendo e esse sofrimento o distancia de sua verdadeira natureza, o que muitas vezes o deixa ainda mais apegado e obsessivo em relação aos resultados de sua prática, este passa então a praticar mais, no sentido de fazer mais āsanas, e assim forma-se um ciclo vicioso, um condicionamento que muitas vezes pode levar a uma lesão.

O indivíduo que cultua o corpo, julga a si mesmo de forma errada e com base em um estado momentâneo da mente. Swāmi Dayānanda diz no livro Liberdade: “o estado vigente da mente pode ser de tristeza, depressão, frustração, arrependimento, desapontamento ou simplesmente reação a um fracasso. Na medida em que você se julga a partir de um estado da mente, você é um samsārī (o que está enredado no mundo relativo de começos e términos)”.

Assim caminhando contra a libertação, indo em outra direção que não seja a do Yoga. A mente que está preparada para o autoconhecimento deve estar relaxada, deve haver esse valor básico que é amanitvam, o Yoga não é para o corpo, o nível de flexibilidade ou força não indica que você é um praticante avançado.

Swāmijī afirma ainda: “quando você se recusa a se julgar pelo estado da sua mente, você é um mumukṣu (o que busca a liberdade de toda aparente limitação)” Quando há compreensão, desapego e valores reconhecidos você para de se julgar, de se identificar com o corpo e então você está livre!

Āsanas para fortalecer a lombar

Patrícia de Abreu em Āsana, Pratique
  ·   8 mins de leitura
Ashtānga Yoga mantra

Versos de Meditação sobre Patañjali

Patrícia de Abreu em Mantra, Pratique
  ·   44 segundos de leitura

12 respostas para “Moksha e o apego ao corpo”

  1. Adorei o texto Paty. Serviu muito bem com um puxãozinho de orelha para mim que ando um pouco afoito na minha prática.
    BeijOm!

  2. Parabéns Patricia!
    Gostei muito. Este texto será revisitado muitas vezes por mim. Está muito verdadeiro.
    Saudades, grande abraço.

  3. Pati,
    Parabéns pelo texto! Ótima reflexão: é sempre bom estarmos atentos para as questões que você abordou aqui.
    Beijos.

  4. Pati,
    Parabéns pelo texto! Bela reflexão sobre um tema importante.
    Beijos!

  5. Sempre penso em como será minha prática de yoga com o passar dos anos. Temos sempre na mente a ideia de que com a prática ficamos mais fortes e flexíveis, mas como isso ocorre se o corpo está envelhecendo??? Recentemente, sofri uma lesão no músculo posterior da perna esquerda e perdi, ainda que momentaneamente, a flexibilidade ideal para fazer alguns dos asanas que eu adoro…como eu aprendi com isso!!!

  6. Muito bem escrito e esclarecedor. Não devemos deixar que a vaidade sobressai ao alcançarmos ãsanas mais avançados, é necessário priorizarmos a mente.
    Parabéns pelo artigo, é de extrema relevância para nossa evolução como seres humanos.
    Beijos, Saudades.
    Érica.

  7. Parabéns, Paty, esse texto foi brilhante!!!!! E não é brincadeira, viu?! Está muito bem escrito, aplicando o conhecimento de maneira prática. Fico muito feliz por você!!!!

  8. Oxeeee Paty que texto maravilhoso……..
    Parabéns garota, você é boa nisso também hem!!!!!…..
    Bjo Naty

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *