Pratique, Yoga na Vida

Presente

Às vezes me pergunto como vim parar aqui, eu, tão cheia de ideais, tão amante da natureza, do Yoga, das artes, da filosofia, das causas humanitárias, viagens

· 2 mins de leitura >

‘Bom dia, aqui é L. da P. Por gentileza, eu poderia falar co …’

‘Um momento, por favor’

Coloco o telefone em viva voz. Sabia que a espera seria demorada. O meu chefe ainda não havia chegado, assim pude continuar o meu trabalho acompanhado pelo som digital de uma melodia que não me parecia estranha… Ah! Penny Lane!

Transportei-me no tempo e, por um momento, vivi em pensamento como aquela geração devia ter se sentido ao vibrar nos shows dos Beatles, vivendo um momento de revolução tão intenso de valores, uma abertura de tantos horizontes, a idealização de tantos sonhos… Quantos ideais… Cabelos ao vento, dormir na praia sob o céu de estrelas, liberdade… Ahh…

‘Em que posso serví-la?’

Respondo que, sim, a base de cálculo do valor do ICMS deveria ter sido igual ao valor total da nota fiscal e que, sim, faria uma nota complementar mais carta de correção. Claro, hoje, sem falta…

Para variar, estava tudo acumulado, e hoje ainda era dia de fechamento, o contador já havia me avisado que precisaria de todos os dados até o meio-dia… Nos últimos meses a minha lista de prioridades se multiplicara por três: a das prioridades prioritárias com urgência máxima, a das prioridades prioritárias com urgência e a das prioridades prioritárias. A das prioridades já nem olho mais. Foi rebaixada para o segundo escalão.

Às vezes me pergunto como vim parar aqui, eu, tão cheia de ideais, tão amante da natureza, do Yoga, das artes, da filosofia, das causas humanitárias, das viagens… ‘Pelo menos te dá uma estabilidade financeira!’ consolam-me os amigos. ‘Você tentou de outras formas e não conseguiu’ dizem os meus pais. ‘Com certeza é para eu aprender algo’ conforto-me.

‘Aceite tudo o que o destino te oferece como um presente’. Êpa, esta é nova! Foi o meu professor de Yoga que nos disse isto na aula de ontem.

Há muito tempo tento aceitar as coisas como são, mas somente hoje me dei conta que aceitação de verdade também inclui a gratidão, senão significaria somente agüentar uma situação, sem realmente viver cada momento em toda a sua intensidade e riqueza. Viver a vida como uma dádiva, aceitando o fato de que a nossa consciência é limitada demais para compreender todas as circunstâncias ao nosso redor.

Saber apreciar cada momento, seja ele de prazer ou de dor, como parte de um crescimento maior que nos induz cada vez mais a obter clareza e sensibilidade, possibilitando-nos a agir com mais humildade e compaixão…

Ter em mente que somos infinitamente pequenos diante de um Universo infinito, ou então, de infinitos Universos, de um Mundo regido por uma Ordem Divina, sem palavras para expressar a sua beleza e inteligência, permeada pelo eterno movimento de transformação e criação, do qual fazemos parte e dentro do qual podemos co-criar como partes do Ser…

O nosso presente é estarmos vivos, termos um corpo, uma mente e um coração, de termos o livre arbítrio para podermos agir em harmonia com a grande sinfonia do Universo e permanecermos em paz…

Esta é a verdadeira aceitação…

E, de repente, ao traçar as linhas separando cada item do extrato bancário, ouço-me cantarolando… Cantarolando? Há quanto tempo! Penny Lane is in my ears and in my eyes! Mm m m m mm suburban skies. I sit and meanwhile back. Penny Laane is in my ears ?

Foi tão bom sentir esta vibração surgindo de dentro do meu peito, expandindo-se pelo corpo e para fora dele, permeando toda a sala…

Entrara em harmonia e vivi o presente com toda a felicidade…

Lîla é yogini e professora de Yoga em São Paulo. Seu email é [email protected].

Uma resposta para “Presente”

  1. Lembra desta?: “E deixa a vida me levar / Vida leva eu / Tô feliz e agradeço / por tudo que Deus me deu”.
    ….
    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *