Conheça, Sociedade

Yoga é religião?

Certa vez, na escola onde trabalho como professora de educação física, ensinei aos alunos alguns asanas durante a aula. Foi, além de uma atividade significativa para os jovens, muito divertido e pensei em repetir a dose. Mas para minha surpresa algumas mães não gostaram e uma delas foi até a escola reclamar comigo. O que ela alegava era que sua religião não permitia que a filha praticasse nada relacionado ao yoga e que não gostaria que eu a ensinasse mais nas minhas aulas.

· 4 mins de leitura >
Yoga é religião? 1

Certa vez, na escola onde trabalho como professora de educação física, ensinei aos alunos alguns asanas durante a aula. Foi, além de uma atividade significativa para os jovens, muito divertido e pensei em repetir a dose. Mas para minha surpresa algumas mães não gostaram e uma delas foi até a escola reclamar comigo. O que ela alegava era que sua religião não permitia que a filha praticasse nada relacionado ao yoga e que não gostaria que eu a ensinasse mais nas minhas aulas.

Yoga é religião? 3

Sem querer que o assunto terminasse em discussão, mas interessada nos argumentos da mãe, perguntei em que sentido sua crença se confrontava com o yoga. E a resposta foi mais ou menos essa: “Yoga é uma religião fora de Deus, as pessoas oram por uns deuses esquisitos – um elefante, um bicho azul que anda pelado – e cantam músicas estranhas. Além de tudo isso, as pessoas são orientadas a parar de pensar e mente vazia é oficina do diabo!”, explicou.

A resposta da boa mulher, em sua sinceridade e forma de expressão, me fez refletir. Mesmo levando-se em consideração o desconhecimento do que é meditação e os equívocos inspirados pelo preconceito e noções equivocadas em termos conceituais e históricos, suas considerações mereciam atenção.

Concordei em não ensinar mais yoga na escola para evitar aborrecimentos dessa natureza. Afinal manter um clima de colaboração é fundamental para a prática pedagógica e o tema poderia ser abordado mais adiante, depois de um trabalho consistente de informação. Mas a questão se manteve viva para mim: afinal, yoga é religião?

Quando me deparei com esta pergunta, minha resposta imediata e pré-fabricada foi negativa, seguida da clássica afirmação, igualmente mecânica e irreflexiva, de se tratava de uma filosofia de vida. A sensação de insuficiência e a necessidade de esclarecer de forma mais fundamentada minha dúvida abriram portas para vários níveis de questionamento.

Para enfrentar a pergunta, precisaria, além de reconhecer minhas limitações, lançar mão de um diálogo humilde aberto com textos, com a tradição e com outras reflexões pessoais inspiradas pela mesma busca.

A palavra religião deriva do latim, religare, que significa religar. Neste sentido trata-se de uma noção que nos chega marcado pela visão da cultura do Ocidente, com suas características próprias de crença (cosmologia), organização intelectual (teologia) e práticas (liturgia). Não existe nenhum termo em sânscrito que possa ser traduzido como religião, o que de antemão mostra a diferença que essa noção assume no âmbito da espiritualidade da Índia.

No entanto, se yoga significa união, não deixa de trazer em seu sentido primordial, a noção de religação ou que poderia indicar que são visões de mundo que habitam, ainda de que forma poética, o mesmo projeto espiritual. Religar e unir seriam metáforas de uma mesma busca pessoal, independentemente dos deuses ou das normas de cada tradição.

De acordo com Feuerstein, “o yoga não é uma religião no sentido convencional, mas uma espiritualidade, um esoterismo e um misticismo. Quando examinamos com atenção o hinduísmo, o budismo, o jainismo e o sikhismo, vimos que o yoga, via de regra, não se vincula apenas às cosmologias, mas também as crenças e práticas dessa religião”.

Já Cláudio Roberto Freire defende que “o yoga é uma forma de religião, mas no sentido que há uma transmissão de conhecimentos, a criação de um código de conduta ética e uma prática espiritual. O yoga é uma forma de ver o mundo”.

Levando-se em consideração essas definições, acredito que existem questões que apontam diferenças entre o yoga e as formas mais clássicas de religião. Na visão do Ocidente, a partir sobretudo da influência judaico-cristã, o culto de Deus é sempre marcado pela experiência da separação e da exterioridade.

As grandes religiões monoteístas abrâmicas (judaísmo, cristianismo e islamismo) falam sempre de um Deus que está fora, que tem uma relação vertical com o homem, a quem cobra devoção e obediência à Lei, e que promete a salvação após a morte.

Nessas religiões, o homem é uma criação de Deus, que o faz merecedor ou não de sua misericórdia por meio da graça do cumprimento das normas emanadas dos dogmas que são, por sua natureza, inquestionáveis. A noção de julgamento exterior é uma permanente ameaça, que se eterniza até o juízo final.

No yoga, as pessoas são manifestação do Ser Absoluto, Brahman, e não a criação de um demiurgo. Não há separação entre criador e criatura. O que buscamos ao praticar o yoga é trazer de volta esta consciência de unidade, que vai se perdendo ao longo do tempo.

Os condicionamentos sociais e psicológicos e outros desvios no caminho nos tornam ignorantes da existência plena em liberdade que nos constitui. O yoga é senda da reconquista da unidade originária.

Este caminho do yoga, independe de religião, mas está ligado ao dharma, a uma lei universal e a formas de conduta, que nos fazem agir de forma ética com todos os seres, visando sempre no bem-estar das pessoas e o ambiente a nossa volta.

A diferença entre o dharma e os preceitos das religiões do Ocidente são sutis, mas significativos. Para Miguel Homem, “o dharma assenta-se, entre outras coisas, na observação, respeito e reverência pelas leis naturais do universo.

Já na religião católica ou muçulmana existe um conceito central – o dogma. Dogma é um fato ou acontecimento assumido como verdadeiro por uma religião que, não só não pode ser demonstrado e provado, como, as mais das vezes, é até negado pela razão e conhecimento.”

Embora o Yoga apresente práticas religiosas – presença de rituais, adoração a deuses e código de conduta similar aos mandamentos -, há algo que o distingue da religião de forma profunda: a busca pelo autoconhecimento.

Diferentemente da maioria das grandes religiões, que propõem uma separação entre o universo do homem e a dimensão do sagrado, no yoga o deus está dentro de nós, ele nos habita.

É por essa via que a idéia de uma instituição “yoga”, que seria comparável com a organização “igreja”, deixa de ter sentido. O que existe são yogues que fazem a sua própria prática independentemente da formas ou métodos.

Yoga é religião? Minha resposta continua sendo não, yoga não é religião! Só que agora com argumentos para permitir uma conversa esclarecedora e respeitosa com a mãe de um aluno preocupada em oferecer o melhor a seu filho. Ou com qualquer interlocutor interessado num diálogo aberto e franco.

O praticante de yoga, independentemente da religião que decida seguir, precisa ter em mente que suas ações fazem a diferença nas suas relações com as pessoas e com o universo.

Que cada ação vai gerar outra que pode interferir no seu caminho em busca da liberdade e que não há castigo ou julgamentos para essas ações, embora seja responsável por elas.

O que devemos seguir como praticantes de yoga é algo muito singelo, que minha avó sempre dizia: Só faça aos outros aquilo que você gostaria que fizessem a você. União, o outro nome do yoga, pode ser simples assim.


Jeane é professora de Yoga em São Paulo. Seu email é [email protected]

22 respostas para “Yoga é religião?”

  1. Livro Genesis. 14Declarou Deus: ?Haja luminares no firmamento do céu a fim de separar o dia da noite; e sirvam eles de sinais para definir as estações, dias e anos; 15e que sejam também luzeiros nos céus, para iluminar toda a terra!? E assim aconteceu. 16Deus fez os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia e o menor para regular o andamento da noite. E formou também as estrelas. 17Deus colocou todas essas luzes nos céus a fim de iluminarem toda a terra, 18para dirigirem o andamento do dia e da noite e fazerem separação entre a luz e a escuridão. E observou Deus que isso era bom. 19Passaram-se a tarde e a manhã: esse foi o quarto dia. Quando faço a saudação ao Sol, eu não estou adorando o Sol, tratando-o como o deus sol, estou simplesmente agradecendo, como creio que toda pessoa um tenha feito este agradecimento. Que linda luz do sol, que lua maravilhosa, e o vendo, o mar, as aves, os peixes e tudo que habita a terra. Cabe ao homem que é o templo do espírito, cuidar deste templo, mante-lo limpo, saudável e em harmonia. Lembremos que Deus é supremo Senhor de todas as coisas. Ele é o soberano absoluto a quem devemos tudo, e para reconhecer que Ele é a fonte de todos os bens que possuimos devemos oferecer-lhe o melhor do que temos.Os pastores e os reis encontraram o menino Jesus com Maria sua mãe, para mostrar que só encontra a Cristo que o busca e os pastores levaram ao Deus menino, suas melhores ovelhas e seus melhores cabritos, enquanto os reis levaram a mirra da penitência, o incenso da adoração e o ouro do poder. Todos, levando esses dons, reconheciam que Ele era Deus, o Senhor de todas as coisas, Ele que dá todas as ovelhas e cabras aos pastores, Ele que dá aos reis o poder e o ouro.

  2. Olá, sabe esse seu texto e os comentários me fizeram pensar porque as pessoas tentam camuflar as coisas…. Vi o preconceito contra a mãe zelosa e sábia dentro da sua perpectiva religiosa, e várias pessoas criticando as religiões monoteístas…. Entrei nesse texto justamente para saber se a prática do yoga afrontaria algum preceito religioso em que creio e a resposta é SIM. Uma vez que nessa prática (ou outro nome qualquer) há o culto ou a veneração a outros deuses. Afronta diretamente a crença Cristã: ?Então, falou Deus todas estas palavras: Eu sou o YHWH, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim? (Êx 20.1-3) Então cara professora a cada saldação que se fala numa aula de yoga referendando algum “deus”, a criança estaria sim, desobedecendo as ordens do nosso Deus. Creio que a palavra de ordem aqui é respeito, eu respeito os praticantes da yoga porque são livres e tem direito legítimo as suas escolhas, mas é preciso que os senhores(as) também respeitem a nossa fé. Não somos ignorantes, cada um e cada uma de nós (milhões de pessoas em todo o mundo) tem suas experiências de fé que nos fazem continuar adorando a um só DEUS. Forte abraço!

    1. Pois é Carla, uma pergunta que gostaria de fazer pra Geane, baseado no seu texto, seria:-Geane, você gostaria de descobrir que sua filha(filha de yoguini) estivesse tendo nas aulas de artes, aprendizado das “músicas de louvores ao Senhor Deus”, cuja letra apontasse para a fé cristã, ensinando um Deus que existe fora de sua filha?(lembrando da sua finalização do texto :”O que devemos seguir como praticantes de yoga é algo muito singelo, que minha avó sempre dizia: Só faça aos outros aquilo que você gostaria que fizessem a você. “)Deus dentro ou deus fora, “conhecimento” ou crença , há sempre uma fé!Fé = religião???!!!

    2. Pois é Karla, uma pergunta que gostaria de fazer pra Geane, baseado no seu texto, seria:-Geane, você gostaria de descobrir que sua filha(filha de yoguini) estivesse tendo nas aulas de artes, aprendizado das “músicas de louvores ao Senhor Deus”, cuja letra apontasse para a fé cristã, ensinando um Deus que existe fora de sua filha?(lembrando da sua finalização do texto :”O que devemos seguir como praticantes de yoga é algo muito singelo, que minha avó sempre dizia: Só faça aos outros aquilo que você gostaria que fizessem a você. “)Deus dentro ou deus fora, “conhecimento” ou crença , há sempre uma fé!Fé = religião???!!!

  3. bom dia …. jeane a palavra religião como disse um irmão vem do latim \\\’religar\\\’ por que religar? simples, por esta conexão com Deus foi peritda, por isso estamos neste mundo .. procurando reconectar com Deus através de várias práticas, seja ela qual for, desde que foi pregada por enviados de Deus como Jesus, Maomé, Moisés ou Mahaprabhu ….. a palavra sanscrita yoga tem o mesmo significado \\\’conexão\\\’, conectar-se com Deus, não há diferença entre as palavras e seu significado ….
    Quando alguém procura se reconectar com Deus isto pode ser chamado yoga ou religião …. como há várias religiões há tb vários tipos de yoga .. porém o destino é o mesmo .. Deus.. jeane, esta senhora pensa como a maioria dos ocidentais … infelizmente a mente ocidental esta impregnada com a pregação da Inquisição Católica onde qualquer coisa vinda do orinete é demôníaca etc …. Aliás foi esta a razão de os portugueses e espanhóis virem destruírem os templos dos sol, da lua etc… e contsruirem igrejas .. simplesmente para manipular a mente de pessoas como esta senhora ignorante no assunto ….. outra coisa importante é que união, ou conexão deve ser feita entre duas pessoas, o ser e Deus.
    Um não pode se fundir no outro, assim o ser perderia sua individualidade e a fortuna e extase de se relacionar com Deus, estaria em um estado de pedra …. o objetivo da vida e da religião ou yoga é ser feliz ao lado de Deus, como servo, amigo ou até o mais amado …. como Jesus disse: “Deus criou o homem como sua própria semelhança” soignifica que Deus é uma pessoa, pessoa essa que outras religiões hoje não aceitam pela falta de tradutores qualificados para os textos sagrados ….
    Então, quando mostra Vishnu, ou Shiva etc… as pessoas já estão manipuladas a pensar que isto é do capeta …. assim ofendem o Senhor Supremo e vão ao inferno por ofender a pessoa que eles um dia pensaram amar ….. hari bol!!!! baladeva brahmachari

    1. Baladeva, veja bem…; Vc e muitos, alguns líderes religiosos e membros das tais religiões que existam sobre este ” mundo “, e os ateístas; deveriam antes de defender suas crenças e teses, raciocinar um pouquinho mais, pois cada ser que veio regulamentando e pondo seus pensamentos como fonte de sabedoria e elucidação, foram baseados alguns nos princípios do bem ao outro e para a religação do SER MAIOR; concretizando assim para estes o seu legado, sua história, onde eles próprios não passaram de ser enganados pela busca de si mesmos e dos poderes deste universo pelo seu imperador (maior e agentes).Veja que em todas as histórias das religiões e a fundamentação em seus deus e deuses, nenhum dos tais nunca foi e nunca será igual, semelhante, como UM que é e está acima de tudo e todos, o único ENCARNADO pela fusão espiritual, transformando se menor para maior, voltando se ao seu LUGAR, para que a religação fosse concluída, pela sua palavra de justiça aos primórdios das criações, DEUS é único e é LUZ MAIOR; nós somos sua imagem e semelhança, sendo esta tal semelhança a ” inteligência “, isto para apenas a descendência feita por suas próprias mãos e não À por através da corrupção das ações do imperador deste universo, portanto, com esta inteligência humana natural pode se sim, chegar ao mais próximo de todas as probabilidades de verdade, que resultam todo este desentender das culturas dos povos e dos deuses… e é assim que esta dimensão vai passando…

      1. Concordo, existe apenas um deus supremo e não varios, hinduísmo priginal ie. Vaishnavismo adora apenas este deus e não varios como muitos pensam, porém limita Deus para uma simples inteligência suprema é negar todos outros atributos é negar sua onipotência e forma. várias coisas não podem vir do nada, algo cria algo. A pessoa Divina Deus criou todos os seres. Ele é onipotente e pode ter milhões de formas, e ainda sim ser apenas um.

  4. Generalizando,todo mundo fala que “religião vem do latim religare……..” “religar-se a deus…………” Eu acho que “não precisa” se religar ao que já se é, portanto, creio no yoga como o caminho para manter algumas de nossas qualidades divinas mais apuradas e fluentes…

    1. P/ COMO BETO “DOUTOR” EM RELIGIAO É SIM… MAS SERÁ ELE O AUTOR E CIENTISTA??? OU UM ???

    2. Uai, Caetano, vai dizer então que milhões de pessoas que fazem yoga pelo mundo , fazem por quererem” manter suas qualidades divinas mais apuradas e fluentes”
      Pensa bem, se este foi o seu caso, tipo , de nascer ligadão, vamos combinar que você faz parte de um grupo raro na humanidade, porque o resto dos mortais se desligaram em algum ponto da jornada e precisaram sim se religar, precisaram se ligar novamente ao que são… …se desligaram de sua natureza e adoeceram de alguma maneira….e procuraram o yoga pra se religarem, não entendo a problemática de enxergar esse fato!
      Assim, além do caminho para nos manter em nossas qualidades divinas apuradas e fluentes, o yoga também ACORDA nossa testemunha pra isso, e assim, nos religa.
      Outrossim, posso também concordar com sua afirmação, pois não é errada, mas solta desse jeito, traz um romantismo cego para nossa realidade, confundindo pessoas.
      Abraço

  5. Muito bom esse artigo, profa.! Realmente é um tema difícil de ser explicado e muito bom para reflexão!

  6. Assunto delicado … Passa pelo entendimento do campo energético que símbolos, mantras e hábitos geram e estimulam e também por uma formação profunda, de valores humanos que permitam a flexibilidade de linguagem e convivencia, para transitar nesses campos. Como boa parte disso no Brasil se aprende na família, não é simples.

    Mas nos tempos de hoje onde essa interação global é tão forte, deveria ser pauta das escolas tornar todos meio diplomatas políticos-culturais e religiosos. A melhor escola para isso é o intercâmbio entre pessoas de diferentes culturas, religiões e formações.

    Saudações de dentro para fora!

  7. Jeane,
    Gostei muito do seu texto!
    Também já me fiz essa pergunta algumas vezes.
    Acho que vc colocou as diferenças fundamentais entre religião e yoga de uma forma bem clara.
    Parabéns, um abraço!

    1. Daniela, Eu já tive a impressão oposta …. Senti que por mais que se tentou diferenciar religião e yoga fica nítido que não há diferença.
      Digo isso olhando para a verdadeira acepção da palavra religião=religare, e não á instituição.Se religare é religião e yoga é união… não vejo diferenças entre yoga e religião, além das ferramentas para se chegar á essa religação.
      Mas para mim yoga não é religião como as existentes , as quais tornaram-se uma instituição vazia, que só aumentou a distância entre nós e Deus.
      Giane, para mim yoga é religião , talvez uma das únicas que teve sucesso de realizar a união com Deus. Quer mais união do que a psique com o si mesmo transcendental?
      É uma religação e tanto, não acha?Mas entendo que para a mãe do seu aluno, e para muitas pessoas, afirmar que yoga é religião, vão imediatamente colocá-la nos moldes das instituições… melhor dizer numa resposta rápida que não… e tentar conversar depois!
      Namaste!

  8. Oi Jeane. Seu texto é bem oportuno para se debater esse assunto. Sempre achei muito parecido o pensamento e comportamento dos devotos de Hare Krisna com o universo de praticantes de yoga. Não fosse a cabeça raspadinha com aquele rabinho na nuca, além da indumentária, eu diria que um se confunde com o outro.

    Veja abaixo, um anúncio que encontrei no jornal Hare Krisna de Salvador (http://www.jornalharekrishna.com/2011/06/templo-hare-krishna-salvador-palestras.html):

    O Templo Hare Krishna de Salvador convida a todos para palestras, gratuitas, de Bhakti-Yoga, realizadas aos Domingos. Fique por dentro da programação nos meses de Junho e Julho.

    As palestras começam sempre às 18h00 e são baseadas no Bhagavad-Gita Como Ele É. Nesse último domingo, 12 de junho, Purushottama Dasa abordou o tema: “A vida vem da vida – Ponto de vista transcendental da bologia e a ciência da reencarnação

    Certa vez. pratiquei hatta yoga num lugar em que havia praticamente todas as deidades hindus. Ao final da aula, para quem quisesse ficar, havia uma cerimônia do fogo. Eu achei mais uma pajelância do que outra coisa.

    Por essa e outras é que existe esse sentimento geral de que yoga é religião. Acho que o Pedro Kupler já escreveu sobre isso e, se não me engano, ele esclareceu bem que yoga pode ser várias coisas, inclusive religião.

    Gostei da sua atitude em relação ao acontecido com a mãe. Não sei qual a idade dos seus alunos, mas se me permite sugerir … a professora de yoga dos meus filhos pequenos brincava de pique pega (pique yoga) com eles da seguinte forma: para não serem pegos, eles deviam assumir uma postura de yoga. Enquanto estivesse na postura ninguém podia pegá-los. Ao desfazer a postura, tinham de correr. Já brinquei muito com eles e é muito divertido.

    Tudo de bom.

    Paulo

  9. Gostei desse artigo, tenho lido e companhado alguma coisa obre filosofia e religião, portanto. quase se pode dizer que a civiliazão greco – Roma Judaica Cristã formatou a mente das pessoas de conceito absudos em torno de Deus e, assim, impede que se reflita e se medite de forma a vislubrar esse Deus que esta em toda parte, e. até mais no próprio homem.

    agradeço pelo oportunide de conhecer o artigo e poder manifestar sobre o mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *