Mantra, Pratique

O Significado do Símbolo Om

Em sânscrito, o significado de Om é avati ou rakshati. Rakshati significa "aquilo que protege, sustenta". Portanto, aquilo que sustenta tudo é Om e o que sustenta tudo é o que nós podemos ver como a ordem.

· 6 mins de leitura >
om

Oṁ é uma palavra muito bonita, de uma sílaba só. A Kaṭhopaniṣad diz sobre ela:

sarve veda yatpadamamananti
tapamsi sarvani ca yadvadanti |
yadicchanto brahmacarya caranti
tatte padam sagrahena bravimyoṁityetat ||

“Os Vedas falam sobre aquele objetivo: para conhecê-lo as pessoas entregam-se a uma vida de estudo e disciplina. Aquele, eu lhes direi resumidamente. Aquele é Oṁ.”

Então, desejando isto, as pessoas entregam-se a uma vida estudiosa, contemplativa e disciplinada, sacrificando muito. E o que é isto? Oṁ. Você não pode ser mais sucinto.

Significado lingüístico do Om

Em sânscrito, o significado de Oṁ é avati ou rakṣati. Rakṣati significa “aquilo que protege, sustenta”. Portanto, aquilo que sustenta tudo é Oṁ e o que sustenta tudo é o que nós podemos ver como a ordem.

Podemos ir mais adiante; esta ordem é a realidade de tudo. A própria ordem é uma realidade. E então, a essência da própria ordem é Oṁ.

Isto significa que Oṁ é o nome do Senhor que permeia o seu ser, que preserva tudo no mundo na forma de niyati, a forma da ordem que sustenta. Vamos ver como.

Quando dizemos que a ordem está por trás de tudo, isto não quer dizer “atrás” de alguma coisa que está aqui. É a própria coisa. Isto é um copo.

O que o faz um copo? Qual é o material do copo? Por que ele aparece nessa forma particular? Por que ele não tem outra forma?

Por que este material, aço inoxidável não enferruja? Por que outros aços enferrujam? Isto tudo é ordem e esta forma é conservada pela ordem. É a ordem que faz uma coisa como ela é.

O fato de cadeira ser cadeira é por causa da ordem. Tudo que está aqui é permeado por esta ordem. Esta ordem é Īśvara.

O que você vê é o objeto e o fato de você poder ver é a ordem. No próprio objeto há ordem, por isso você não está buscando “atrás” do objeto para encontrar a ordem.

Hoje isto é copo de aço, amanhã você poderá chamá-lo um copo de aço, portanto isso está em ordem. Se amanhã não for copo de aço, ainda assim estará em ordem. Isto também é visto.

Hoje vemos a forma de uma flor, amanhã nós descobriremos que a flor se foi e há um fruto, isto também é ordem.

Ordem significa a maneira como as coisas são como são. Tudo o que existe é mantido pela ordem chamada niyati. Este niyati é Īśvara, o Senhor.

sarvam oṁkarah eva yadbhutam yadbhavishyatam

“O que aconteceu antes, o que existe agora e o que existirá mais tarde – tudo isso é Oṁ”.

O ensinamento aqui é conectar aquele significado a esta palavra. Se o significado está em minha cabeça, quando levo esta visão para você, há então a transação total ou comunicação. Isto é ensinamento.

Uma palavra ou objeto, abhidhanam e seu significado abhidheyam são uma única e mesma coisa.

Quando eu peço a você para trazer um pote, você não escreve “P – O – T – E” e traz para mim. O nome e o objeto são idênticos, no sentido de que você não pode pensar na palavra sem pensar no significado.

Se você não conhece o significado, então não é uma palavra – ela torna-se somente um grupo de sons.

Uma vez que você saiba que para este grupo de sons existe este significado, então, sem pensar no significado, você não consegue pensar na palavra.

Assim, Oṁ é um nome do Senhor e o que Ele significa, a verdade do Senhor. Oṁ não é, como se diz, o som primordial. Isto é uma tolice.

Oṁ é o nome do Senhor que é tudo. Quando eu digo a palavra Oṁ, você vê o significado.

Significado védico do Oṁ

Oṁ é também usado como um símbolo (pratika em sânscrito) para tudo, o universo inteiro, porque Oṁ sustenta tudo.

O universo inteiro significa não somente o universo físico, mas também a experiência dele. Este é o significado que os Vedas depositam neste símbolo.

Sendo uma tradição oral, os Vedas explicam Om como feito de três partes. São partes fonéticas deste som Om e cada uma dessas partes carrega um certo significado.

Isto é chamado superimposição, adhyāsa. Você superimpõe um significado sobre estes sons.

No OM, há “A”, há “U”, há “M”. “A” é uma vogal, “U” é uma vogal, “M” é a consoante. Então este “A” mais “U” mais “M” juntos tornam-se “OM”. “A” mais “U” tornam-se “O”, um ditongo.

Se você percebe como “A” e “U” são pronunciados, como uma combinação no sthana, o local de onde o som vem, então você verá que “A” mais “U” só pode ser “O”. E com “M” no final, ele se torna “Oṁ”.

O vocábulo “A” representa todo o mundo físico de sua experiência. O experienciador, a experiência e o experienciado, todos três são cobertos pelo som “A”.

Quando você está acordado você está ciente de seu corpo físico e deste mundo físico – conhecido e desconhecido.

Você está também ciente da experiência do mundo físico. Ao mesmo tempo você está ciente do experimentador – que é você. Todos estes três dos quais você está ciente são “A”.

O vocábulo “U” é o mundo de pensamento que é distintamente experienciado como diferente do mundo físico.

Um mundo de pensamento, que é distintamente experienciado, como seu sonho, como sua imaginação e como abstrato ou sutil, sūkṣma, é representado por “U”.

O mundo de pensamento, o objeto do mundo de pensamento e sua experiência são o significado do som “U”.

Em seguida há “M”. Ele representa a experiência que você tem no sono profundo, a condição não manifesta. O que existiu antes e depois da criação é o significado do som “M”.

Então, aquele que dorme e a experiência do sono, o sonhador e a experiência do sonho, o acordado e a experiência do acordado, todos estes três constituem o que nós chamamos como tudo o que existe.

Todos estes três juntos representam Oṁ. Oṁ é completo: vidim aviditam sarvam oṁkaraḥ. 

Nós vimos que o que existiu antes, o que existe agora e o que existirá mais tarde, tudo é Oṁ.

Igualmente, tudo que é desconhecido, o que é experienciado, a experiência e o experienciador é também Oṁ. Isto é o Senhor, Bhagavān ou Īśvara.

Significado não lingüístico do Oṁ

Todo o jagat, o mundo manifestado, é visto como um, mas nós podemos dizer, diversamente, que ele tem muitas formas.

Você pode olhar cada uma delas como uma coisa, mas se você olhá-las diferentemente, descobrirá que é uma combinação de outras coisas. Cada uma tem uma forma, para a qual damos um nome.

Mesmo este corpo físico é um, mas diversamente, ele tem variadas formas. Nós temos duas mãos, duas pernas e em cada parte há muitas células.

As células são diferentes também. Se nós tomamos as células, há muitos tipos delas: células do fígado, células do cérebro, etc. Além disso há componentes da célula, DNA, etc.

Portanto, você descobre que vai continuamente usando novas palavras porque há diferentes formas dentro de cada forma. Todos os nomes e formas não estão separados do Senhor.

Mas, eu desejo dar um nome para o Senhor; assim, eu posso relacionar-me com Ele ou ver seu significado e então comunicar-me com Ele.

Então, que nome eu deveria dar – um nome que incluísse todas as formas? Quando eu digo “pote”, não é “cadeira”, não é “mesa”, não é “árvore”, nem “tapete”; “pote” é somente pote.

Mas o Senhor é pote, cadeira, mesa, tapete …. tudo, Então o que eu devo fazer? Nós temos que recitar o dicionário inteiro!

Mas isto não é suficiente. Você tem que fazê-lo em cada idioma! Cada idioma, cada dialeto, tem seus próprios nomes e formas.

Há uma quantidade de objetos no mundo que não são ainda conhecidos e nós continuamos inventando novos fatos para os quais nós descobrimos novos nomes.

Quando você vai ao idioma sânscrito há um outro problema. O dicionário é uma apologia ao idioma sânscrito.

Dicionário no idioma sânscrito não é em absoluto um dicionário, porque o idioma sânscrito é cheio de palavras compostas e você pode fazer palavras compostas o tempo todo e quando você faz uma composição, ela é uma palavra que é válida mas não está no dicionário.

Então, em sânscrito não pode haver um dicionário completo e abrangente. As possibilidades das palavras são infinitas.

Lingüisticamente, dar um nome ao Senhor – que é todos os nomes e formas – é uma tarefa impossível. Portanto, nós abandonamos os idiomas.

Assim, nós temos outra explicação para o Oṁ, que não é lingüística. Não olhe para ele como uma palavra. Olhe para ele como algo que é puramente fonético.

Todos os nomes são somente palavras. Todas as palavras são somente letras e todas as letras são somente sons.

Letras e alfabeto também diferem. Em inglês você tem de “A” a “Z”; em latim começa com “Alpha” e termina com “Omega”; em Sânscrito ele vai do “A” ao “H”.

Descobrimos que as letras são específicas para cada idioma. Portanto, vamos além das letras onde todas as particularidades dos idiomas são ultrapassadas.

Além das letras, um nome se torna um grupo de sons. O francês, o árabe, o membro de uma tribo africana, um erudito em sânscrito ou um brahmin de Boston, todos emitem alguns sons.

Especificamente, quando não conheço a língua escuto somente sons. Em cada idioma, certos sons se repetem, o que constitui a característica única daquele idioma.

Mas, se um francês ou um indiano ou qualquer pessoa abrisse a sua boca para fazer um som, o que seria?

Quando você abre sua boca e faz um som, o som que é produzido é A. Se você fecha sua boca e faz um som, esse som é M. Você não produz nenhum outro som posteriormente.

Todos os outros sons estão entre os sons A e M, sejam eles consoantes ou vogais.

Entretanto, há um som que pode representar todos os outros sons, no sentido de completar todos os sons, você o faz arredondando seus lábios. Ele é U.

Agora posso combinar esses três sons que representam todos os sons: A + U + M e fazer uma única palavra que se tornará Oṁ, o nome do Senhor. Uma vez que você diz Oṁ, você diz tudo.

Quando você conhece o significado, Oṁ torna-se o nome do Senhor para você. Então você pode chamá-lo, invocá-lo e orar para Ele. É por isto que muitas preces, cânticos e mantras começam com Oṁ.

॥ हरिः ॐ ॥


Publicado originalmente na edição de março/abril de 1999 do Informativo Vidya Mandir, do Vidyamandir – Centro de Estudos de Vedanta e Sânscrito, Rio de Janeiro, e digitado por Cristiano Bezerra.

Visite o site do Arsha Vidyā Gurukulam, Āśram de Swāmi Dayānanda Saraswati na Pensilvânia.

॥ हरिः ॐ ॥

Como fazer o mantra Oṁ?

॥ हरिः ॐ ॥

Swāmi Dayānanda Saraswatī (1930-2015) ensinou a sabedoria tradicional do Vedanta por cinco décadas, na Índia e em todo o mundo. Seu sucesso como professor é evidente no sucesso dos seus alunos: mais de 100 deles são agora Swāmis, altamente respeitados como estudiosos e professores.

Dentro da comunidade hindu, ele trabalhou para criar harmonia, fundando o Hindu Dharma Acharya Sabha, onde chefes de diferentes seitas podem se reunir para aprender uns com os outros.

Na comunidade religiosa maior, ele também fez grandes progressos em direção à cooperação, convocando o primeiro Congresso Mundial para a Preservação da Diversidade Religiosa.

No entanto, o trabalho de Swāmi Dayānanda não se limitou à comunidade religiosa. Ele é o fundador e um membro executivo ativo do All India Movement (AIM) for Seva.

Desde 2000, a AIM vem trazendo assistência médica, educação, alimentação e infraestrutura para as pessoas que vivem nas áreas mais remotas da Índia.

Havendo crescido em uma pequena vila rural, ele próprio entendeu os desafios particulares de acessar a ajuda enfrentada por pessoas de fora das cidades. Hoje, o AIM for Seva estima ter ajudado mais de dois milhões de pessoas necessitadas em todo o território indiano.

19 respostas para “O Significado do Símbolo Om”

  1. Adorei esse artigo.
    Estou recém conhecendo o Yoga. Se puderem gostaria de receber materiais com mais informações.
    Obrigada!

  2. Hare Krsna, Namaste.
    Amo o Vedanta e toda asua manifestação. Seu trabalho é digno de um puro mestre. Parabens e por favor me contate da proxima vez que Swamiji vier ao Brasil.
    Hare Krsna.

  3. Claramente lindo!
    filosóficamente impecável. É a manifestação do sem causa! Gostaria de convidá-los para conhecer um projeto de arte que prega a união espiritual. Chama-se Viva ele e pode ser acessado no http://www.vivaele.com.br Obrigado e mais uma vez parabéns pela séria e dedicada abordagem!
    Abraços.

  4. Acho importante mais uma pergunta: esse “senhor” é Jesus? Deus? Vou ficar grata se me responderem. Obrigada! xD

  5. Olá amo Yoga, e me apaixonei pela magia do Om, por isso gostaria de saber se existe alguma diferença de significado nas imagens que têm o círculo e a que tem o “balão” encima.
    Obrigada.

  6. Artigo maravilhoso!
    Como sou praticante novato de yoga e budismo vajrayana, ainda tinha na mente o velho e manjado conceito de Om como “o som primordial” e essa história toda.
    Fiquei deslumbrado em ver que seu verdadeiro significado nem pode ser apreendido em um sentido cognitivo.
    Nós, ocidentais, e nossa mania de tentar conceituar tudo… temos MUITO o que aprender com o Oriente.
    Muito obrigado pela publicação dessa dádiva!

  7. Simplesmente amei o significado do simbolo “OM”, afinal o procurei por vê-lo em várias imagens da Ganesha em sua tromba especificamente e fui atrás do significado pois vou fazer uma tatuagem com este símbolo e me surpreendi com toda essa matéria relacionada ao assunto veio somente a aprofundar a minha idéia da tatuagem agora só falta o local a ser desenhada!!! OBRIGADA PELA CONTRIBUIÇÃO na minha iniciação ao Yoga e a cultura indiana!!!

    Att,

    Emanuele Paranan – São Paulo – Designer de Interiores.

  8. Lindo esse artigo do Swami Dayananda. Ele clarifica tanto as coisas na mente da gente… Ler um texto dele é praticamente “meditar no texto”, integrar-se… No final, abrem-se portas e vem um ar novo, revigorado… Uma sensação de estar maior e mais livre. Adoro o site de vocês. Está cada vez mais bonito. Parabéns pela boa vontade, pelo bom coração e pela disponibilidade em dividir/unir todo esse material com a gente… Com carinho, Marceli.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *