Conheça, Vedānta

Descobrindo o Amor

O Amor é um assunto muito antigo. Sábios védicos, dramaturgos, músicos e poetas glorificaram a palavra “amor” e o significado da palavra “amor”. Amor não é uma emoção que está junto das outras: não é que existam muitas emoções e uma delas é o amor. É precisamente por isto que temos de descobrir o amor.

· 2 mins de leitura >

O Amor é um assunto muito antigo. Sábios védicos, dramaturgos, músicos e poetas glorificaram a palavra “amor” e o significado da palavra “amor”. Amor não é uma emoção que está junto das outras: não é que existam muitas emoções e uma delas é o amor. É precisamente por isso que temos de descobrir o amor.

Porque em certas ocasiões é chamado de compaixão, empatia e simpatia, é o mesmo amor que acomoda outra pessoa, é aquele amor que também entende a outra pessoa. É aquele amor que realmente se torna ódio e aversão, é o amor que vira desamor, raiva e assim por diante. O amor que surge para sufocar e estrangular, mais doloroso que enobrecedor.

Poetas e artistas freqüentemente falam ou expressam amor como dor e angústia. É a angústia do amor não correspondido, do amor perdido, do amor saudoso, o amor que não pode ser encontrado.

O amor surge para desafiar toda razão e lógica visto que induz a pessoa até mesmo destruir a si mesma e aos outros. É uma emoção, que tem várias expressões positivas e negativas. Não algo para ser digerido como temos digerido muitas coisas. O amor tem que ser descoberto.

Como nós todos sabemos, emoções não tem nem nacionalidade, nem procedência, nem cultura ou história, nem gênero ou idade. Tais fatores não impedem de qualquer forma a natureza da emoção compartilhada.

Por exemplo, se nós temos raiva, seja nobre ou plebeu, seja criança ou adulto, sua natureza e visão não diferem, é raiva. Emoções tais como raiva, ódio, compaixão, simpatia, amor, em suas formas simples, sempre existiram.

Um gato é sempre carinhoso assim como o cão, eles expressam suas emoções, expressam o quanto eles tem saudades de você e assim por diante, se animais podem expressar emoções, mais ainda podem os seres humanos.

Somos os mais conscientes de nós mesmos entre todas as formas de vida. Naturalmente então no coração humano emoções são muito bem acentuadas.

Quando você encontra o mundo, você não permanece uma testemunha muda, você ativamente responde as pessoas, aos objetos e as situações. A resposta não é sempre imparcial ou totalmente objetiva, como é a do computador.

A pessoa emocional que você é sempre impede a resposta. Emoções, portanto formam o tema básico de uma biografia individual.

Emoções levam você à realização, sem dúvida, mas elas sempre te sujeitam ao um senso de falha e depressão. Existe tempo em que você simplesmente quer desistir, em resumo emoções enlouquecem você. Ter domínio sobre nossas próprias emoções permanece um sonho.

Emoções constroem a pessoa, mais ainda que a cognição, de fato, ambos varrem a pessoa cognitiva para um lado e assumem o comando. Emoções são o que você é, o que você tem.

O emocional da pessoa é seu íntimo e é onde a ela se sente inútil, é também essa mesma pessoa que complica sua própria vida e a dos outros.


Introdução ao livro Discovering Love. Traduzido por Humerto Meneghin: http://www.yogaemvoga.blogspot.com/.

Swāmi Dayānanda Saraswatī (1930-2015) ensinou a sabedoria tradicional do Vedanta por cinco décadas, na Índia e em todo o mundo. Seu sucesso como professor é evidente no sucesso dos seus alunos: mais de 100 deles são agora Swāmis, altamente respeitados como estudiosos e professores.

Dentro da comunidade hindu, ele trabalhou para criar harmonia, fundando o Hindu Dharma Acharya Sabha, onde chefes de diferentes seitas podem se reunir para aprender uns com os outros.

Na comunidade religiosa maior, ele também fez grandes progressos em direção à cooperação, convocando o primeiro Congresso Mundial para a Preservação da Diversidade Religiosa.

No entanto, o trabalho de Swāmi Dayānanda não se limitou à comunidade religiosa. Ele é o fundador e um membro executivo ativo do All India Movement (AIM) for Seva.

Desde 2000, a AIM vem trazendo assistência médica, educação, alimentação e infraestrutura para as pessoas que vivem nas áreas mais remotas da Índia.

Havendo crescido em uma pequena vila rural, ele próprio entendeu os desafios particulares de acessar a ajuda enfrentada por pessoas de fora das cidades. Hoje, o AIM for Seva estima ter ajudado mais de dois milhões de pessoas necessitadas em todo o território indiano.

5 respostas para “Descobrindo o Amor”

  1. Que artigo simples e profundo.
    Adorei o site! Estudo Vedanta, e pretendo voltar aqui muitas vezes!
    Beijos.

  2. Namastê Pedro!! Tudo bem? Creio que tenha dado algum problema com este artigo pois só aparece o título. Grande abraço, Arlindo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *