Pratique, Yoga na Vida

Do Surf

Imagine que você é um surfista. Você chega na praia e vai em direção ao mar. Deita-se na prancha e rema até passar a arrebentação. Quando você fura a onda, não pensa em mais nada, a não ser na onda

· 2 mins de leitura >
Do Surf 1

Imagine que você é um surfista. Você chega na praia e vai em direção ao mar. Deita-se na prancha e rema até passar a arrebentação. Quando você fura a onda, não pensa em mais nada, a não ser a onda. Naquele momento, você está completamente presente, não há memórias, não há projetos. Apenas o agora!

Yoga é estar presente no momento presente. Se não ficamos atentos, vem uma onda e depois outra, e outras mais e se a atenção não for total, um caldo nos leva de volta ao começo da rebentação e temos que começar tudo de novo. Precisamos aproveitar ao máximo o tempo que temos para ficar na água, não temos tempo a perder na vida…

Todo esforço que fazemos, resulta em punya, mérito, que é acumulado quando lutamos com todas as forças para passar as ondas. Sentamos na prancha e aproveitamos a calmaria depois do esforço. Respiramos, relaxamos, contemplamos o mar e não pensamos em como seria se estivéssemos em outro lugar. Somos mar…

Então vem a onda e você se prepara. A chegada da onda é o foco da sua vida naquele momento. Você por acaso pensa no que deixou de fazer ano passado, mês passado, ontem? Você lembra das contas que tem para pagar? Do trabalho que vai ter que entregar? De todas as obrigações que a vida insiste em te cobrar? Não. Você surfa!

E só… Vai ao sabor do vento, dança de acordo com a música, segue a corrente. A onda é a sua obra de arte! Você espera, constrói, sente e vai. Totalmente entregue, totalmente presente. E a cada onda, a mesma entrega, o mesmo preciosismo, a mesma vontade de acertar, de fazer melhor.

Yoga é perfeição na ação. Cada onda é diferente da outra, assim como você é diferente em relação a cada uma delas. Você não espera que uma onda seja melhor do que a outra. Assim como não esperamos que uma pessoa seja melhor do que a outra, um trabalho melhor do que outro, um amor maior do que outro.

Você recebe o mar do jeito que ele é a cada momento, com toda entrega e aceitação. Recebe a onda que chega e faz o melhor que pode para que seja a melhor onda que você já pegou. Você também não se apega a onda, querendo que ela seja sua para sempre, você aceita a impermanência, pois sabe que a onda vai passar e se transformar em mar. Você não espera que o mar corresponda as suas expectativas.

Você dá o seu melhor e não exige nada em troca. Cada onda é um novo desafio que vai te ensinar algo diferente. Mesmo aquelas assombrosas que você escolhe não pegar, te ensinam respeito e responsabilidade. E as que estouram no meio do caminho, não te frustram porque você aprende a ter paciência, a ser tolerante e, principalmente, a ter humildade para se relacionar com aquele tipo de onda.

Aquele tubo que o outro pegou antes de você, não lhe incomoda, porque você vibra com a realização do outro, pois se somos todos um, somos nós que estamos naquele tubo e o prazer do outro é nosso prazer também. Quando você perde uma onda boa porque estava distraído olhando o céu, não fica sofrendo pensando que esta poderia ter sido a onda da sua vida.

Você sabe que todas as ondas são as da sua vida porque tudo que nos acontece, é sagrado, sejam as ondas boas ou aquelas que quebram no meio do caminho. Entregar-se, aceitar a onda e surfar! Isto é Ishvara pranidhana, render-se diante da vida, entregar os frutos e confiar.

Você simplesmente segue surfando, porque este é seu dharma naquele momento. Seu dharma é agir! Você não fica parado na praia esperando a melhor onda para entrar no mar. Você vai para o mar! Porque sabe que a vida é um milagre e este momento é o melhor presente que recebemos de Deus. Por isso, se chama presente!

Namaste!

A autora dedica este texto ao Vicente e ao Pedro, que a inspiraram para entrar no mar por primeira vez…

6 respostas para “Do Surf”

  1. Linda! Que maravilha! Enquanto instrutora de Yoga e bodyboarder, é exatamente isso que sinto quando entro no mar: que a vida é um milagre, e que cada onda é um presente. Cada onda é um momento do infinito, seja ela como for. Tem uma música de Paramahansa Yogananda que diz assim: “faz assim, ó meu senhor… tu e eu, sempre unidos…A onda do mar dissolve no mar…EU SOU A ONDA, FAZ DE MIM O MAR ! Nós somos ondas nesse oceano cósmico da criação, e um dia todos nós vamos quebrar na praia, mas sempre, sempre, voltaremos para o oceano, somos parte dele ! A impermanência e a beleza da onda sintetizam a nossa própria essência. Obrigada pelo texto tão lindo, vou divulgar pra galera do surfyoga de João Pessoa.
    Bjs,
    Lucia.

  2. Parabéns pelo artigo, está muito bom. Sou ex-aluno do YogaShala e atualmente pratico na Casa de Yoga Shanti Om, em Joinville/SC. Gostaria, se possível, do contato da autora ou que ela entre em contato, para saber se permite a republicação do artigo no blog Surf4ever.
    Obrigado, Gustavo Otto. http://www.surf4ever.com.br.

  3. Aloha Tereza, Lindo texto, espero que contemple bons momentos no mar e absorva toda sua força, profundidade e transparência dele. Dentro de um tubo de preferência. Namastê, Mario Silvestri.

  4. Tereza, esse seu texto veio para mim como uma onda perfeita..!! Adorei, onda certa no momento certo. Beijo muito grande! Parabéns pelo blog, relendo com muito prazer cada um daqueles seus momentos!

  5. Tereza, é ótimo seu texto. Você soube traduzir fielmente o que nós sufistas sentimos e a relação estreita com o Yoga! O surf assim como o Yoga é um estilo, uma escolha de vida e os ensinamentos que podemos tirar dessas práticas são realmente muito enriquecedores. Parabéns! Parece que foi escrito pra mim. Obrigada! Namaste.

  6. Muito bom Tereza! Falar sobre o surf…ahhhhhhhhh o surf! Quem ja ficou em pé numa prancha sabe que é a melhor sensação do mundo!
    Mas tenho que confessar que a maior parte de nós, como surfistas, ainda tem que aprender muito sobre o desapego.
    Todo o surfista quer a onda perfeita! Quer aquela máquina de ondas que manda uma atrás da outra…iguaizinhas…como vemos em algumas fotos de picos espalhados pelo mundo.
    Nunca queremos partilhar ou revelar aquela nova onda que descobrimos, escondidinha.
    Ainda existe esta sensação de guardar a onda só para si mesmo.
    Queremos o fundo perfeito, a ondulação, o tamanho…a temperatura da água.
    Claro, nunca é possível, mas eu desafiaria qualquer surfista a dizer o contrário.
    Que o yoga possa nos ajudar, e tem ajudado, sim, a aceitar a onda que fecha, o caldo sufocante, o vento maral e o crowd.
    Porque no fim das contas, é fato, mesmo sem ondas perfeitas, nada melhor que compartilhar com amigos um fim de tarde dentro da água!
    Bjs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *