Meditação, Pratique

Dṛṣṭi, as Oito Fixações Oculares do Haṭhayoga

Os dṛṣṭis são técnicas de fixação ocular, muito úteis para auxiliar a prática de meditação ou durante os respiratórios. Possuem efeito estimulante nos músculos e nervos óticos e, através deles, no sistema nervoso central, auxiliando no processo de estabilização da mente.

· 4 mins de leitura >
agnidṛṣṭi

Dṛṣṭi deriva da palavra dṛṣ, que significa literalmente olhar. Os dṛṣṭis são técnicas de fixação ocular, muito úteis para auxiliar a prática de meditação ou respiratórios.

Possuem efeito estimulante nos músculos e nervos óticos e, através deles, no sistema nervoso central, auxiliando no processo de estabilização da mente.

São muito úteis contra depressão e ansiedade e melhoram a memória e a concentração. No plano sutil, estimulam o ājñacakra e promovem a sensibilidade em relação ao sūkṣmaśarīra, o corpo sutil.

No início você poderá sentir desconforto ou cansaço ao tentar imobilizar o olhar, mas à medida que conseguir aquietar os pensamentos, os olhos se adaptarão naturalmente.

Dṛṣṭi, trātaka e ekāgratā

Embora possamos utilizar as técnicas de dṛiṣṭi como ponto de partida para fazer ekāgratā, não devemos confundir dṛiṣṭi, trātaka e ekāgratā.

O dṛiṣṭi é apenas a fixação do olhar; já o trātaka é a concentração num objeto exterior, e está relacionado com a maneira em que a pessoa sente as suas percepções visuais.

O ekāgratā, por seu lado, é um processo que compreende a participação da atenção, que se concentra naquele mesmo ponto, mas inclui ainda uma reflexão sobre ele.

As oito fixações oculares

Os quatro exercícios de fixação ocular mais importantes nas práticas de Haṭhayoga são os seguintes:

1. nasāgradṛiṣṭi, a fixação na ponta do nariz;
2. bhrūmādhyadṛiṣṭi, concentração no intercílio;
3. bhūcarīdṛiṣṭi, fixação ocular no vazio; e
4. parśvadṛiṣṭi, fixação ocular nas laterais.

Depois temos ainda mais quatro, menos usados porém igualmente importantes:

5. agnidṛṣṭi, firmar o olhar no fogo,  de uma fogueira ou uma vela;
6. tāra ou tārakadṛṣṭi, fixação da visão numa estrela;
7. candradṛṣṭi, estabilização do olhar na Lua; e
8. sūryadṛṣṭi, fixação no Sol na hora do alvorecer ou no ocaso.

Pratique o agnidṛṣṭi, a concentração na chama, aqui:

Os nove dṛṣṭis do Aṣṭāṅga Vinyāsa Yoga

Na prática de Aṣṭāṅga Vinyāsa Yoga existe um outro grupo de nove dṛiṣṭis que são fixações oculares em diferentes partes do corpo ou do espaço ao redor do praticante.

Essas fixações oculares são as seguintes:

1. nasāgradṛiṣṭi, a fixação na ponta do nariz;
2. bhrūmādhyadṛiṣṭi, concentração no intercílio;
3. nabhicakradṛiṣṭi, fixação do olhar no umbigo;
4. hastagraidṛiṣṭi, concentração numa mão;
5. pādayoragraidṛiṣṭi, fixação nos dedos dos pés;
6 e 7. parśvadṛiṣṭi, olhar para os lados (esquerdo e direito);
8. aṅguṣṭhamadhyaidṛiṣṭi, olhar para os polegares; e
9. ūrdhva ou antaradṛiṣṭi, dirigir o olhar para o alto.

Como usar os dṛiṣṭis?

Esses exercícios podem fazer-se separadamente ou ainda combinados com outras práticas de prāṇāyāmaāsana e bandha.

É conveniente ressaltar que todas estes exercícios podem fazer-se tanto com os olhos abertos como com eles fechados.

Quando feitos com os olhos abertos recebem o nome de bahirāṅgadṛiṣṭi, ou dṛiṣṭis externos.

Quanto são feitos com eles fechados e visualizando o objeto em questão, recebem o nome de antarāṅgadṛiṣṭi, internos ou sutis.

Nasāgra dṛṣṭi

Consiste em fixar a visão na ponta do nariz. Esta técnica se usa durante o kūṁbhaka (retenção da respiração), em exercícios de prāṇāyāma. Desenvolve a capacidade de concentração e estimula o ājñacakra.

Deve fazer-se sentado em posição de meditação, com os olhos semi fechados e centrando o olhar no nariz de forma que você possa enxergar ambos os lados dele.

Os olhos convergem sobre este ponto, ficando levemente voltados para o centro, como se você tivesse estrabismo.

No início será um tanto difícil concentrar-se assim, por causa de desconforto natural que você sentirá, mas com um pouco de prática diária conseguirá dominar o exercício. 

Após dez minutos, feche os olhos e fixe-os no espaço interior da cabeça. Se neste ponto você observar um ponto luminoso diante de si, concentre-se nele até sentir que a sua consciência se absorve totalmente. 

Bhrūmadhya dṛṣṭi

Este dṛṣṭi se faz dirigindo o olhar para o ājñacakra, entre as sobrancelhas.

Esta técnica concentra os pensamentos e facilita enormemente a meditação, produzindo uma sensação de estabilidade e firmeza.

Para fazê-la, assuma uma posição confortável que lhe permita manter as costas eretas. Abra os olhos e dirija-os para o ponto do intercílio, ao centro e acima, ficando levemente vesgo.

Como no exercício anterior, será necessária uma adaptação gradual antes de conseguir fazer a fixação com total conforto, mas considere que o incômodo é sinal de que você está trabalhando e melhorando os globos e músculos oculares, áreas que normalmente são esquecidas.

Permaneça no exercício por uns dez minutos. Quando sentir que os olhos estão começando a ficar cansados, feche-os e observe as sensações no espaço à frente dos seus olhos fechados (cidākāśa).

Depois de alguns dias de prática você começará a perceber um ponto de luz diante de si, mesmo com os olhos abertos. Concentre-se nele. 

Bhūcarī dṛṣṭi

Este exercício é excelente como introdução para desenvolver e facilitar os estados meditativos.

Assumindo a atitude correta para meditar, coloque uma das mãos estendida na altura do rosto e a um palmo de distância dele.

Fixe o seu olhar em um ponto qualquer do dorso da mão. Após alguns instantes, já com a visão detida sobre ele, retire-a, mas permaneça olhando para aquele ponto.

Concentre-se no vazio durante dez a quinze minutos, abstraindo a sua atenção ao máximo.

Śāmbhavīmudrā, a concentração sobre um cakra

A consciência se volta para o interior, fixando-se sobre um cakra, à sua escolha. Os olhos permanecem entreabertos, fixos em um ponto à frente, sem movimentar as pálpebras.

Após um tempo de prática, você perceberá uma luz, mesmo com os olhos abertos. Praticando o dṛṣṭi ainda mais, essa luz aparecerá mesmo quando você os fechar.

“Quando o yogin permanece continuamente com citta e prāṇa absorvidos no alvo interior, embora o seu olhar de pupilas imóveis esteja dirigido para o exterior ou para baixo, como se visse, e contudo não vendo, esse gesto em verdade é chamado śāmbhavī.” Haṭhayoga Pradīpikā, IV:37.

Śāmbhavī é o nome de uma das esposas de Śiva. A palavra Śāmbhava alude a Śiva, a Consciência.

Śāmbhavīmudrā é uma técnica utilizada nas práticas tântricas para atingir estados elevados de consciência.

É o aperfeiçoamento dos dois dṛṣṭis anteriores. Devem observar-se os mesmos cuidados que neles durante a execução.

Às vezes, esse movimento do olhar para baixo ou para o intercílio pode acontecer espontaneamente durante a meditação profunda, sem que o praticante precise fazer esforço algum.

Se por ventura isso lhe acontecer, não se preocupe e deixe que seus olhos se movimentem naturalmente.

॥ हरिः ॐ ॥

Leia também
Ekagrātā, a concentração num ponto só.
Śūnya dhāraṇā, a concentração no vazio.
O Mito da Mente Vazia.

॥ हरिः ॐ ॥

agnidṛṣṭi


Extraído do livro Guia de Meditação.

Pedro nasceu no Uruguai, 54 anos atrás. Conheceu o Yoga na adolescência e pratica desde então. Aprecia o o Yoga mais como uma visão do mundo que inclui um estilo de vida, do que uma simples prática. Escreveu e traduziu 10 livros sobre Yoga, além de editar as revistas Yoga Journal e Cadernos de Yoga e o website www.yoga.pro.br. Para continuar seu aprendizado, visita à Índia regularmente há mais de três décadas.
Biografia completa | Artigos

2 respostas para “Dṛṣṭi, as Oito Fixações Oculares do Haṭhayoga”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *