Āsana, Pratique

Matsyāsana, a Postura do Peixe

Esta é a compensação da postura invertida sobre os ombros (sarvangásana)

· 2 mins de leitura >

Tradução do nome desta postura: matsyāsana significa literalmente “postura do peixe”. Matsya é peixe em sânscrito.

Esta é a compensação da postura de inversão sobre os ombrossarvāṅgāsana.

No entanto, como postura de extensão dorsal, pode ser feita independentemente, ao longo de uma prática de āsanas.

Matsyāsana

Instruções para o matsyāsana

ॐ Deitado de costas, mantenha as pernas estendidas ou, se conseguir sem se esforçar muito, cruze as pernas em padmāsana, o lótus.

ॐ Inspirando, eleve o peito e apoie a parte posterior do crânio
no solo, formando um arco com o tronco.

É importante não colocar o topo da cabeça no solo para evitar a compressão indesejável das vértebras do pescoço nessa postura, que é uma extensão bastante intensa da coluna cervical.

ॐ Também é fundamental, para aliviar qualquer tipo de compressão na cervical, colocar o peso do torso sobre os cotovelos e/ou antebraços ao invés de deixar o peso na cabeça.

ॐ O cóccix volta-se para baixo.

ॐ Coloque a ponta da língua confortavelmente no céu da boca, fazendo jihvabandha.

matsyāsana

padmamatsyāsana

Contraindicações do matsyāsana

Evite fazer sarvāṅgāsana / matsyāsana nas seguintes situações:
a) durante o período menstrual;
b) se tiver uma infeção nos ouvidos ou sofer de glaucoma;
c) se tiver pressão alta ou outra cardiopatia;
d) se tiver hérnia ou qualquer outra discopatia na região cervical.
Nesses casos, consulte seu médico e trabalhe com um professor de Yoga qualificado, que possa lhe ensinar a conviver com essas condições e otimizá-las.

Donde vem o nome matsyāsana?

ॐ O peixe nos remete a Matsyendranātha ou Mīnanātha, o primeiro haṭhayogin, fundador da linhagem dos Nāthas, que nos legaram a tradição do Haṭhayoga.

ॐ Calcula-se que este grande yogin tenha vivido no século V d.C. no norte da Índia. Ele é associado a Avalokiteśvara, o Buda da Compaixão.

ॐ Matsyendranātha é um dos 84 mahasiddhas ou seres perfeitos. Ele também é homenageado na postura clássica de torção sentada, matsyendrāsana.

ॐ Matsya é a primeira encarnação de Viṣṇu (avatāra), que encarna na forma de um peixe com a missão de salvar Manu, o detentor do conhecimento, do grande dilúvio.

ॐ Manu constrói um barco, exatamente como é narrado também na epopéia de Gilgamesh (e posteriormente no mito bíblico da arca de Noé), que é conduzido por Matsya através das tormentas para terra firme.

ॐ Assim, os Vedas são salvos do dilúvio e preservados para as próximas gerações.

Preste atenção por favor a estas dicas

Estas dicas não substituem um professor de Yoga. São disponibilizadas apenas para que o praticante possa apreciar diferentes possibilidades e, se for o caso, aprimorar sua técnica e sua prática pessoal.

No início, a prática sob a supervisão cuidadosa de um instrutor preparado e competente é essencial para o sucesso na prática, bem como para evitar lesões.

O autor não se responsabiliza pelo mal uso que possa ser feito destes textos. Obrigado pela compreensão e o cuidado consigo mesmo. Boas práticas.

As imagens das posturas como este sarvāngāsana e outros que você vê neste site são apenas orientativas e têm como objetivo facilitar e inspirar a sua prática.

Da mesma forma que com as outras técnicas aqui descritas, não é aconselhável aprender estas posturas unicamente olhando para fotografias ou vídeos.

Aprenda-as com um professor competente. Faça as adaptações que for necessário para praticar com segurança. Não force. Evite exagerar.

Ao praticar āsanas, associe os exercícios e os movimentos entre eles com a respiração ujjayī e, se for possível, mantenha as ativações do baixo ventre o o períneo (uḍḍīyanabandhamūlabandha) todo o tempo.

Cultive a atentividade e a observação calma e consciente do corpo, da mente e das emoções ao fazer estes exercícios. Evite exagerar ou colocar sua saúde em risco. Obrigado.

॥ हरिः ॐ ॥

+ āsanas:
aqui (em português)
e aqui (em inglês)

॥ हरिः ॐ ॥

Pedro nasceu no Uruguai, 54 anos atrás. Conheceu o Yoga na adolescência e pratica desde então. Aprecia o o Yoga mais como uma visão do mundo que inclui um estilo de vida, do que uma simples prática. Escreveu e traduziu 10 livros sobre Yoga, além de editar as revistas Yoga Journal e Cadernos de Yoga e o website www.yoga.pro.br. Para continuar seu aprendizado, visita à Índia regularmente há mais de três décadas.
Biografia completa | Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *