Pratique, Yoga na Vida

Um olhar curioso

Yoga é assim. A gente começa e não sabe bem o que vai acontecer. É um ir em mistério porque é ir para um Si mesmo desconhecido. Mas nem isso a gente sabe no começo. O primeiro passo é abrir-se para ver no que vai dar

Escrito por Manuela Mendonça · 2 mins de leitura >

Um princípio pode ser um primeiro passo em direção a um objetivo bem estabelecido, ou pode ser um primeiro passo em direção à qualquer lugar. Mas é um primeiro passo necessário. Um sair do seu lugar, levantar da cadeira e ir.

Yoga é assim. A gente começa e não sabe bem o que vai acontecer. É um ir em mistério porque é ir para um Si mesmo desconhecido. Mas nem isso a gente sabe no começo. O primeiro passo é abrir-se para ver no que vai dar.

Aqui, o objetivo bem estabelecido é quase sempre enganoso. Começar querendo chegar em algum lugar imaginário e pronto fecha as possibilidades das descobertas. Descobertas que mostram o caminho e revelam um objetivo, antes turvo e nublado.

Yoga é assim, tem um monte de possibilidades. Várias práticas diferentes que servem de ferramentas para que possamos enxergar a estrada que vamos percorrer. Técnica de Yoga é como se fosse a lanterna que nos auxilia a ver por onde estamos andando.

Com o passar dos anos de prática é como se o céu fosse clareando. Podemos jogar fora a lanterna e olhar pra frente e ao redor. A visão se amplia e começa o reconhecimento desse “lugar” desconhecido e familiar. É retornar para casa, para a Sua casa.

O começo da prática é sentar no tapetinho e tentar encontrar essa disposição para estar na própria companhia e ver no que vai dar. Estar consigo, no próprio corpo, olhando para ele com carinho. Yoga começa no corpo porque é mais fácil para a maior parte das pessoas prestar atenção ás sensações do corpo.

É uma capacidade de olhar que começa a se desenvolver na pele e que se aprofunda cada vez mais. É necessário disposição para aceitar tudo aquilo que a gente não gosta na gente. É necessário um pouco mais de objetividade para não ficar julgando e projetando um ideal de como deveríamos ser.

Então começanos nesse corpo. Reconhecendo uma anatomia humana e uma anatomia nossa. Um corpo que é de todos e um corpo que é nosso, individual e preenchido por memória. O corpo é a memória da vida (ou das vidas). O corpo é carimbado por marcas. Guarda cada susto, e não esconde nada. Não é que nem a mente que dá voltas em si mesma.

O Corpo fala uma outra língua que a gente aprende a ler pra conseguir entender melhor os mecanismos da própria mente. O corpo é mais acessível. Está tudo ali. Então mesmo que já tenhamos feito várias atividades diferentes, começar no yoga simples, fácil, tranquilo, permite o aprendizado de uma nova linguagem.

Yoga não é somente conseguir fazer aquelas coisas todas. Não adianta fazer aquilo tudo sem saber “ler” o próprio corpo. A aplicação das técnicas acaba ficando aleatória e perde-se a inteligência da prática.

Os efeitos a gente sente fazendo o mínimo, mas o aprendizado gradual e desde a base nos dá um conhecimento precioso para o lidar consigo, para acessar o que parece inacessível e incontrolável.

A mera execução das técnicas de Yoga sem um trabalho de base não proporciona ao aluno a autonomia para saber usar o Yoga para si mesmo.

O trabalho de base é de reconhecimento. Olhamos para nós mesmos. Para o corpo, para cada articulação, para a respiração e para as tendências do nosso corpo individual. Aos poucos, a partir de um aprendizado do que seria uma anatomia humana inteligente, começamos a experimentar, com aquele estado de disposição tranquila, o que acontece quando fazemos cada uma das variadas técnicas de Yoga.

Assim vamos criando intimidade com o corpo para ir aos poucos aprofundando esse conhecimento para os níveis mais profundos e sutis. Mas é fundamental o estado de disposição e abertura. Um estado relaxado e tranquilo em relação ao que se está fazendo.

Entrar na sala de Yoga já determinando o que se quer é pura perda de tempo, é ignorar o próprio espelho. É aproveitar quase nada do potencial da prática e é perder o grande barato da coisa. Yoga mesmo começa com curiosidade e vontade de experimentar. O resto a gente organiza depois.

Desiderata

Desiderata

Manuela Mendonça em Pratique, Yoga na Vida
  ·   20 segundos de leitura

Āsanas para fortalecer a lombar

Manuela Mendonça em Āsana, Pratique
  ·   8 mins de leitura

2 respostas para “Um olhar curioso”

  1. Também estou nas trevas em busca da luz. Comecei o Yoga há apenas duas semanas, mas já sinto que é uma prática muito especial.

  2. Yoga e surpreendente , eu estava nas trevas e com a prática da hatha yoga, em pouco tempo vi uma pequena luz distante. Fui ao encontro e descobri um céu iluminado, realmente nao sabia o que ia acontecer, mas a transformaçao em mim aconteceu atravez das ferramentas que a yoga me forneceu. Conhecendo-me, conheci o PAI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *