Conheça, Yoga Clássico

Yoga Sutra 1:19-22: Esforços e Compromissos

Escolha seu nível de prática: Nos sutras 1:21 e 22 são descritos nove níveis de prática e compromisso, e três subdivisões para a prática intensa. Devemos escolher um dentre esses níveis de prática e compromisso. Todos podem progredir e ter a experiência direta. É muito útil se conseguirmos nos localizar nas nossas práticas pessoais, pois grande liberdade pode vir ao saber onde estamos.

· 6 mins de leitura >

Dois tipos de aspirantes: Nos sutras 1.19 e 1.20 são descritos dois tipos de aspirantes. Os dois tipos podem alcançar os objetivos do Yoga.

Primeiro tipo – Avançado: O primeiro tipo de aspirante é daqueles que fizeram enorme progresso em vidas anteriores e acham o samadhi fácil de alcançar (1.19).

Segundo tipo – Os Demais: A maioria das pessoas são do segundo tipo, o que implica em seguir cinco tipos de esforços e compromissos (1.20).

Cinco atitudes e objetivos centrais: Os cinco esforços para cultivar (1.20) são:

1 – Shraddha: Desenvolver a fé de estar indo na direção correta.

2 – Virya: Comprometer a energia necessária para chegar lá.

3 – Smriti: Cultivar a lembrança e a diligência.

4 – Samadhi: Buscar o estado de samadhi.

5 – Prajna: Aspirar a sabedoria superior.

Escolha seu nível de prática: Nos sutras 1.21 e 1.22 (abaixo), são descritos nove níveis de prática e compromisso, e três subdivisões para a prática intensa. Devemos escolher um dentre os nove níveis de prática e compromisso. Todos podem progredir e ter a experiência direta. É muito útil se conseguirmos nos localizar nas nossas práticas pessoais, pois grande liberdade pode vir ao saber onde estamos (1.21-1.22).

1.19 – Alguns que conquistaram níveis superiores (videhas) ou conheceram a natureza não manifesta (prakritilayas), são atraídos para o nascimento neste mundo pelas próprias impressões latentes remanescentes da ignorância, e mais naturalmente vêm a alcançar os estados de samadhi.

(bhava pratyayah videha prakriti layanam)

* bhava = existência objetiva, se tornar

* pratyayah = causa, princípio cognitivo, conteúdo da mente, cognição

* videha = desprovido ou desligado do corpo

* prakriti = causa criativa, causa material sutil, natureza

* layanam = dissolvido, absorvido

Os videhas são aqueles sem corpo, ou desencarnados, que alcançaram níveis elevados, e os prakritiyas são aqueles que tiveram experiências de consciência, e foram absorvidos em prakriti, que é a essência material sutil do universo. Embora possa ser um estado um tanto avançado, absorver-se em prakriti é um desvio, por assim dizer, pois não se tem a experiência da consciência pura, mas apenas a experiência do prakriti não manifesto. Absorver-se em prakriti não é o objetivo do Yoga.

Lembremos que este sutra é o seguinte aos sutras 1.17-1.18, que definem os quatro níveis de samadhi sobre um objeto, e o samadhi sem objeto. Este sutra descreve um dos dois modos básicos de aproximação destes samadhis.

Este sutra se aplica a muito poucas pessoas. A maioria precisa seguir o segundo caminho, que está no próximo sutra (1.20). Em outras palavras, se alguém não veio neste mundo como um yogi videha ou prakritilaya, então o caminho para ser seguido é o caminho quíntuplo descrito no sutra 1.20.

1.20 – Os demais seguem um caminho quíntuplo sistemático de 1- certeza fiel no caminho, 2- direcionar energia para as práticas, 3- lembrar constantemente do caminho e do processo de estabilizar a mente, 4- treinar a concentração profunda e 5- buscar o conhecimento real, pelo qual o mais elevado samadhi (asamprajnata samadhi) é alcançado.

(shraddha virya smriti samadhi prajna purvakah itaresham)

* shraddha = fé incondicional, confiança, segurança, crença, certeza

* virya = energia, força de vontade

* smriti = memória, lembrança atenta, diligência

* samadhi = absorção profunda na meditação, êxtase

* prajna = sabedoria, discernimento, super cognitivo

* purvakah = precede, vem antes, pré-requisito

* itaresham = de outra pessoa

Uma definição simples e clara: Os cinco princípios e práticas neste sutra formam um esboço muito simples e direto dos compromissos pessoais necessários para seguir no caminho da Auto-realização. É bastante útil memorizar estes cinco princípios e refletir sobre eles com freqüência. Estas cinco orientações trabalham em conjunto com os oito braços do Yoga, descritos no sutra 2.28.

Shraddha é a fé de estar indo na direção correta. Não é a fé cega em alguma organização, instituição ou professor. Pelo contrário. É um sentimento interno de certeza de estar indo na direção correta. Podemos não saber exatamente como nossa jornada está se desvelando, mas temos uma intuição interior de estarmos caminhando constantemente na direção do objetiva da vida.

Virya é a energia positiva do ego que dá o suporte para a fé de estar indo na direção correta. Esta energia de virya fornece o poder que está por traz de nossa sensatez, ou bom senso, quando sabemos o que estamos fazendo. Quando atuamos com muita energia naquilo que sabemos ser o caminho correto, isto é virya. Quando sentimos fraqueza ou incerteza e agimos pouco, isto é falta de virya. Virya é a convicção que diz – “Posso fazer isto!” , “Vou fazer isto!” , “Tenho que fazer isto!”.

Smriti é cultivar uma constante diligência ao trilhar o caminho, e de lembrar dos passos ao longo do caminho. Esta memória não é uma obsessão mental negativa. Pelo contrário. É uma consciência gentil, apesar de persistente, do objetivo da vida, da fé em nossa jornada, e em nossa decisão de comprometer nossa energia no processo. Smriti é também a prática diligente de observar nosso processo interno, sendo uma testemunha na meditação e na vida diária.

O samadhi é perseguido intencionalmente através de seus vários estágios, descritos nos sutras 1.17 e 1.18. Aqui significa o compromisso para se mover sistematicamente através dos níveis ou estágios do samadhi, e usar as habilidades da atenção inerentes a cada estágio do samadhi para discernir (2.26-2.29) as várias formas de ignorância (2.5).

Prajna é a elevada sabedoria que vem com a discriminação, e esta sabedoria é assiduamente procurada no processo de introspecção (2.26-2.29), usando-se a aguçada ferramenta do samadhi (3.4-3.6). Numerosos níveis de sabedoria são experimentados nas práticas dos capítulos 2 e 3. Este níveis de sabedoria são abandonados posteriormente com o não-apego (3.38).

Lembrança constante: Ao cultivar a lembrança constante destas cinco formas de esforços e compromissos, as práticas específicas são entendidas em um contexto simples, o que ajuda em muito a nos inspirar a continuar fazendo as práticas reais sugeridas por todo o Yoga Sutras.

1.21 – Aqueles que perseveram em suas práticas com intensidade de sentimento, vigor e convicção firme, conseguem mais rapidamente a concentração e os seus frutos, comparado com aqueles aplicam média ou pouca intensidade.

(tivra samvega asannah)

* tivra = alta velocidade, veloz

* samvega = momento, poder, vigor, convicção, entusiasmo

* asannah = muito próximo, perto, rápido

Intensidade e medida da prática: Para aqueles que avançam rapidamente em suas práticas, e as fazem com intensidade, os frutos destas práticas estão muito próximos. Aqui existem duas dimensões. Uma é a velocidade na qual nos movemos. A outra é a intensidade do esforço. Existem três níveis para cada, gerando ao todo nove níveis de prática.

Escolha um dentre nove níveis para praticar: Existe algo muito prático sobre estes nove níveis de prática. É importante estar atento a isto. Podemos achar que temos pouco treino e pouco tempo e assim não podemos progredir. Entretanto, isto lembra estória da corrida da tartaruga com a lebre. Embora o coelho seja mais rápido, a tartaruga vence a corrida por causa da persistência estável. Se sentimos que estamos lentos no caminho, e não rápido, a persistência gentil e amorosa pode trazer grandes recompensas.

Abaixo segue uma lista dos nove níveis de prática:

A melhor opção: Para a maioria das pessoas lendo esta lista, os níveis de prática Suave e Médio são os mais importantes, devido as atividades e obrigações da vida.

Com muito tempo para a Prática, mas com pouca Convicção: É fácil pensar que o único caminho para progredir é quando nos afastamos da vida comum, tal como um monge numa caverna no Himalaia. Simplesmente, isto não é verdade. Uma pessoa assim deve ter muito tempo disponível e conhecer muito bem algumas práticas. Entretanto, se tal pessoa tiver uma convicção suave, apesar de haver muito tempo disponível, pouco progresso pode ser feito.

Com pouco tempo para a Prática, mas com muita Convicção: Por outro lado, uma pessoa com pouco tempo talvez faça somente uma prática suave, mas com muita intensidade na convicção. Tal situação é um caminho muito superior para progredir no caminho da iluminação. Ter pouco tempo é compensado pela intensa convicção na hora da prática e pelo cultivo sincero da meditação em ação.

1.22 – Para aqueles com práticas intensas e convicção intensa (1.21), existem mais três subdivisões da prática: intensidade suave, intensidade média e intensidade forte.

(mridu madhya adhimatra tatah api visheshah)

* mridu = suave, lento

* madhya = médio, regular

* adhimatra = intenso, forte

* tatah = daquele

* api = também

* visheshah = diferenciação, distinção

Mais três subdivisões: Para aqueles com prática intensa e convicção intensa (célula 9 acima), existem mais três subdivisões. Lembremos que no sutra anterior (1.21) foi destacado que tal intensidade significa que a realização está perto. Com esta subdivisão posterior, a realização também possui três níveis:

* Para aqueles com intensidade suave, a realização é iminente.

* Para aqueles com intensidade média, a realização é mais iminente.

* Para aqueles com intensidade intensa, a realização é a mais iminente.

Todos podem praticar: Para a maioria das pessoas que praticam a meditação do Yoga, estas divisões ajudam a tornar claro que de fato existem vários níveis de prática, e que todos podem praticar. Não é algo que apenas o mais ascético meditador, que vive em uma caverna, pode realizar. A verdade é que qualquer um pode progredir na sua própria velocidade confortável.

————————————————————————————–

Próximos sutras: 1.23-1.29: Contemplação do Aum, ou Om

Sutras Anteriores: 1.17-1.18: Tipos de Concentração.

————————————————————————————–

Traduzido pelo yogi Rogério Maniezi do original “Yoga Sutras 1.19-1.22: Efforts and Commitment”, de autoria de Swami Jnaneshvara Bharati, disponível em SwamiJ.com.

Uma resposta para “Yoga Sutra 1:19-22: Esforços e Compromissos”

  1. Namastê Sr.Rogério,
    Copiei as principais idéias deste seu importantíssimo artigo nas primeiras páginas da minha agenda 2010 e seguirei a risca tudo por ti recomendado… sabendo assim evoluir rumo ao SAMADHI. Muito grata… acompanharei todos os próximos Sutras com os quais o senhor possa nos brindar…!!! Sigamos sempre com Deus em nossos corações e em nossas mentes…!!!
    Laline.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *