Miguel Homem

974 artigos por Miguel Homem

Os equívocos do vazio da mente e da mente impura

É importante reconhecer que aquilo que sou verdadeiramente não vai chegar numa experiência e ir embora noutra. É que eu não chego, nem vou embora. Eu estava antes de qualquer específica, estive durante e estarei depois, sou sempre o mesmo. Ātmā não chegará numa experiência especial mas será a testemunha de todas as experiências.

26/06/2015 · 2 mins de leitura >

Avidya e Maya

Daqui podemos constatar que esta avidya não é simples ignorância. Avidya é capaz de produzir, de criar. Assim, dizemos que avidya tem dois poderes, avarana sakti e vikshepa sakti. Um poder que encobre e outro que projecta. É um poder e por isso não podemos reduzir ao significado comum da palavra ignorância.

06/04/2013 · 10 mins de leitura >

Obstáculos à meditação

Os quatro grandes obstáculos são: 1. A tendência para adormecer (laya); 2. A agitação e vaguear da mente (vikshepa); 3. Latências inconscientes da mente (kashayam); 4. Tendência para usufruir a quietude (rasasvad). Deve acordar-se a mente que caiu no sono; deve trazer-se a mente dispersa de novo para a tranquilidade; deve conhecer-se a mente colorida com desejo.

27/02/2012 · 6 mins de leitura >

Eliminar pensamentos ou iluminar pensamentos?

A diferença entre reconhecer a minha natureza fundamental como livre de pensamentos e almejar uma mente livre de pensamentos é a diferença entre o conhecimento e a ignorância. Swami Dayananda.

20/03/2010 · 1 mins de leitura >

Acomodação em relação a quê?

A acomodação é necessária em relação a pessoas, mas não em relação a ideias. Uma pessoa que tem crenças que na minha percepção são engraçadas, ou equivocadas, não deve deixar de poder ser meu amigo. O direito ao livre pensamento deve existir. Podemos e devemos acomodar a pessoa, mas não podemos acomodar as noções erradas.

20/03/2010 · 1 mins de leitura >

O yogi e a bebida

Muito já se escreveu sobre o que o yogi põe no prato. Não tanto o sobre o que o yogi coloca no copo. Este texto não se destina aos praticantes não tenham um grau de compromisso elevado com a forma de vida do Yoga, mas àqueles que se dedicam a ensinar Yoga.

06/02/2010 · 4 mins de leitura >

Karma Yoga I – A acção correcta

O Karma Yoga é muitas vezes ensinado e entendido como o exercício da acção sem expectativas ou a acção desinteressada. Swami Dayananda ensina que não é possível praticar uma acção sem esperar um resultado. A negação desta verdade representa a não compreensão e não aceitação da natureza humana

17/06/2008 · 5 mins de leitura >

Karma Yoga II – A atitude correcta

Supor que Karma Yoga consiste em realizar acções sem expectativas, sem esperar resultados, é criar um conceito insusceptível de ser realizado. Como Krshna poderia tocar a flauta sem esperar que fosse produzido som e ele fosse ouvido?

16/06/2008 · 2 mins de leitura >

O Yoga Antigo, as Upanishads, os Vedas e o Vedanta

Outro dia veio parar às minhas mãos um livro que li em tempos idos. A curiosidade fez-me voltar a folheá-lo. O livro contém uma "cronologia histórica do Yoga" muito curiosa.

10/05/2008 · 4 mins de leitura >