Quando olhamos para a Criação, o que vemos? Formas e mais formas por todos os lados. Coisas e mais coisas, que usando substantivos e qualificamos através de adjetivos. O mundo é palavra e significado.

Namarūpaḥ. O Universo é uma miríade de nomes e formas. Inteligência manifestada. O Absoluto é a origem, o fundamento; o Relativo é a manifestação, os miríades de nomes e formas.

Na “Canção do Conhecimento do Ilimitado”, Brahmajñānavālī, um linda composição em dezenove estrofes de Śrī Śaṅkarācārya, o incrível professor do século VIII, deu uma definição belíssima dessa peculiar relação entre o Ser e a manifestação:

ब्रह्म सत्यं जगन्मिथ्या जीवो ब्रह्मैव नापरः ।
अनेन वेद्यं सच्छास्त्रमिति वेदान्तडिण्डिमः ॥ २०॥

brahma satyaṁ jaganmithyā jīvo brahmaiva nāparaḥ |
anena vedyaṁ sacchāstramiti vedāntaḍiṇḍimaḥ || 18 ||

"O Ser é Verdade, Satya. O Universo é Relativo, mithyā
A crença da separação (jīvaḥ) não é mais que o Ser.
Aquele através do qual esta Verdade é conhecida é
o śāstra mais elevado. Assim ruge o Vedānta". || 18 ||

 

O Absoluto não tem atributos. As palavras que se usam para apontar para o Ilimitado não são o Ilimitado, nem são atributos dele. São apontadores que indicam o Absoluto.

Você pode compreender o Ilimitado através da compreensão do Universo como um atributo circunstancial dele. O Ilimitado é manifestado na forma do Universo, transitoriamente. Existia antes, existe agora, existirá depois.

Antes, sem forma. Agora, nas formas visíveis. As que conhecemos e as que desconhecemos. Depois, sem forma novamente. 

O mundo é muito vasto, variado e múltiplo. Toda forma é forma do Ser. O tempo é Brahman. O espaço é Brahman. Jagat, o Universo, como diz o verso de Śaṅkara, não precisa ser medido.

Para nós, basta considerar esse Universo como o que conhecemos dele, desde a nossa experiência humana. Universo, para nós, é aquilo que experienciamos. E viver o que temos para viver, plenos e felizes.

Jagat é o que você é em termos de corpomente, é o que você vê, o que você ouve, o que você cheira, o que você sente e o que você toca. É a suma de todas as suas experiências sensoriais.

Este é o modelo dos cinco sentidos, dos cinco elementos, pañcabhūta: terra, água, fogo, ar e espaço. O espaço traz implícita a presença do tempo. Portanto, tempo e espaço são, perceptualmente, a mesma coisa.

O universo fenomênico inclui, através da presença do espaço, o tempo. E, através da presença do tempo, a do movimento, a da atividade. A pessoa do mundo adora o mundo.

Canta canções para o mundo, para o desfrute. Para o cantor, o mundo é real. Segundo Śaṅkarācārya ensina, Brahman é Satyam; o mundo é mithyā, Brahman é Realidade, o mundo é relativo.

Quando você toca o colar, você toca o ouro. Quando você vê o colar, você vê o ouro. Quando você pesa o colar, você pesa o ouro.

Tente tirar o peso do ouro do colar: quanto vai pesar o colar sem o ouro? A Verdade é simples. E a beleza da Verdade é que ela é o que é.

Quantas coisas há: um colar por um lado e um ouro pelo outro? Você pode escolher um sobre o outro? Só há ouro. O colar é relativo. O ouro é o que é. Ouro é a Realidade. O colar é o atributo circunstancial do ouro.

A pulseira é outro atributo circunstancial do ouro. Nenhuma dessas formas, nenhum desses nomes, colar, pulseira, existe separado do material com o qual os objetos são feitos. Não há colar nem pulseira sem a presença do ouro.

Viva feliz e calmamente, então, pois não há outra possibiidade a não ser a da entrega. É isso.

 

Leia também

  • A grandeza do professor e do ensinamento

    Bênção é uma palavra e um sentimento que vêm sempre à minha mente quando penso sobre a forma em que fui parar na Índia, com a esperança de aprender Vedanta, que na realidade eu nem sabia o que era exatamente. Eu poderia ter encontrado qualquer professor, que poderia ter me ensinado algo que me fizesse mais confusa, ou então me orientado para uma devoção fanática. Algo que me fizesse perder a objetividade. E como poderia eu fazer algum julgamento e escolha?! Dentro da ignorância, como se pode discriminar para onde ir e com quem estudar?! Considero, portanto, que somente bênção, ou muito punya, levou-me ao Swami Dayanandaji.


    Gloria Arieira
  • Palestras sobre Vedanta

    Novamente por gentileza do nosso amigo Gustavo André, de Portugal, apresentamos aos caros yogis do Brasil uma seleção de palestras de Vedanta, em inglês, disponíveis no Youtube. Os mestres palestrantes são: Swami Chinmayananda, Swami Dayananda, Swami Pratyagbodhananda, Swami Suddhananda e Swami Tattvavidananda


    Staff yoga.pro.br
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Débora Orrú

    Oi Pedro, tudo bem!? Você não me conhece, eu te conheço apenas dos textos do yoga.pro! Tenho uma dúvida, e sei que você, com o seu currículo, pode me ajudar se tiver um tempinho... Estou em busca de um símbolo que possa memorizar para não conseguirem invadir minha mente e não consigam invadir meu campo meditando... Sou iniciante no yoga e na meditação, e meu trabalho está sendo o de fortalecer o meu campo espiritual fechando todos os meus chacras. Estou precisando evoluir nesse fortalecimento para não invadirem o meu campo energético, para fortalecer meu campo espiritual..que não verdade está tudo interligado... Aceito sugestões de livros, sites, tudo o que puder me ajudar...super agradeço!!! E quando conseguir farei algum curso seu! Super tks ::gratidão:: Débora


    Responder