Começando, Pratique

Como Escolher um Bom Professor de Yoga?

Antes de mais nada, é preciso ter claro o que você quer da prática. Os objetivos mudam de pessoa para pessoa. Lembre que existem muitas formas diferentes de Yoga.

· 5 mins de leitura >
Como Escolher um Bom Professor de Yoga? 1

Para saber como escolher um bom professor, antes de mais nada, é preciso ter claro o que você quer da prática. Os objetivos mudam de pessoa para pessoa. Lembre que existem muitas formas diferentes de Yoga. Você pode querer praticar impelido por uma destas motivações:

1) para melhorar a qualidade de vida ou combater o estresse
2) para se manter em forma usando um método não convencional
3) buscando um treinamento físico rigoroso, exigente e energético
4) para tratamento terapêutico ou por indicação médica
5) procurando um caminho para o auto-conhecimento e a transcendência

É lógico que, quanto maiores forem as suas expectativas, mais fundo e com mais cuidado você deverá procurar. Se você quiser praticar para manter a forma ou combater o estresse, algumas sessões semanais de āsanas, prāṇāyāma, relaxamento e meditação farão o trabalho.

Nesse caso, ou se você tiver algum problema de saúde ou ficou parado por um tempo, é aconselhável fazer um exame médico antes de iniciar.

escolher

Se estiver procurando uma atividade desafiante e energética, onde possa explorar e extrapolar seus limites físicos através de uma malhação consciente, o Power Yoga, o Aṣṭāṅga Vinyāsa Yoga, o Iyengar Yoga e algumas formas de Haṭha Yoga podem ser extremadamente exigentes, adequadas para atletas e pessoas que gostem de trabalhar o corpo com disciplina e intensidade.

Se você tiver praticado durante um tempo, sentido os benefícios do Yoga e quiser continuar sozinho, é recomendável mesmo assim que, de tempos em tempos, faça um workshop ou aula para corrigir eventuais erros que você mesmo possa não estar percebendo.

Se for o caso de usar yogaterapia por indicação médica, se recomendam uma ou duas sessões diárias de exercícios específicos que incluam āsanaprāṇāyāma e yoganidrā, bem como aconselhamento alimentar.

O professor, nesse caso, precisa ter muito estudo e experiência no assunto. Há professores que prefiram negar os efeitos terapêuticos do Yoga, o que é muito mais fácil que estudá-los.

Uma das perguntas que podem surgir sobre este assunto é se você pode aprender Yoga sozinho ou se é necessário achar um professor competente.

A resposta é que, a diferença de atividades unicamente intelectuais ou físicas, que tal vez possam aprender-se por livros, fitas ou vídeos, o Yoga não pode aprender-se somente por esses meios.

Já aconteceu de pessoas aprenderem sozinhas por livros e, após anos de repetir e ensinar os mesmos erros, acabarem com hérnia de disco, bico de papagaio ou hipertensão.

E hérnia de disco, bico de papagaio ou hipertensão não são coisas que você queira pegar fazendo Yoga, não é mesmo?

Livros, fitas ou vídeos são muito úteis para estimular o sadhana e estudar detalhes e técnicas depois que você já tem experiência com a prática.

A presença do professor na sala é fundamental para corrigir o alinhamento e o encaixe nas práticas que mexem com o corpo e dar o acompanhamento adequado na meditação ou no prāṇāyāma, assim como para detectar necessidades pessoais que você possa ter.

Por motivos éticos, nós não podemos nem devemos recomendar um único tipo de Yoga, pois as abordagens e os métodos variam muito.

A modalidade de Yoga escolhida deve estar em função das expectativas e necessidades do praticante.

Diferentes formas de Yoga não dão os mesmos resultados com as mesmas pessoas, e não há consenso sobre o que deveria ser ensinado em uma aula de Yoga.

escolher

Não existe um Yoga superior ou melhor que os demais. Cada método se adapta melhor para objetivos diferentes.

O melhor Yoga é aquele que funciona para você mesmo, satisfaz as suas necessidades e preenche suas expectativas, sejam elas quais forem. É questão de procurar até achar algo que lhe satisfaça.

Aqui damos algumas diretrizes para lhe ajudar na escolha:

1) fale com o professor antes de iniciar: não se acanhe em fazer perguntas como com quem ele aprendeu, qual é a sua formação e a linhagem de Yoga à que ele pertence. 

2) se for o caso, fale dos cuidados especiais que ele precisará ter com você na aula. 

3) dê uma olhada nas instalações e veja como você se sente no lugar. 

4) observe se você se sente confortável com as pessoas que lá estão. 

5) veja se você se identifica com a proposta do trabalho do instrutor ou do tipo de Yoga. 

6) use o bom senso, a observação e a intuição para escolher. 

Para escolher um bom professor: 6 qualidades

Dentre as qualidades do bom professor, independentemente do tipo de Yoga que ele ensine, destacamos as seguintes dicas para avaliação. O professor deve:

1) ser verdadeiro em suas palavras e atitudes. 

2) ter bom-senso do humor e saber brincar. 

3) demonstrar respeito e compaixão por tudo e por todos. 

4) ser capaz de ensinar através do próprio exemplo, evitando a atitude “faça o que eu digo mas não faça o que eu faço”.

5) não ter medo de expor as próprias emoções. 

6) ter liderança sim, mas sem autoritarismo. 

Escolher um professor é diferente de escolher um guru

Há uma diferença fundamental entre um professor e um guru, um mestre que possa nos ajudar no processo de mokṣa, a libertação.

Não concordamos com aquele adágio popular que diz que “o mestre aparece quando o discípulo está pronto”.

Escolher um mestre, escolher um guru, é algo que pede muito espírito crítico e bom-senso.

É uma decisão deliberada e proativa da pessoa que compreende que, se tivemos mestres que nos ensinaram a andar e comer (os nossos pais), e mestres que nos ensinaram a escrever  e contar (os nossos professores), poderíamos igualmente ter mestres que nos esclareçam sobre os temas fundamentais da espiritualidade.

Evidentemente, a escolha de um guru depende da definição que cada um der para a palavra espiritualidade. Algumas pessoas alimentam fantasias em relação aos gurus que nem sempre coincidem com a realidade. 

Gurus não levitam, não materializam objetos, não adivinham o pensamento alheio e não realizam milagres.

Gurus esclarecem. A própria palavra diz isso, como ensina o Guru Vandanam:

गुकारस्त्वन्धकारो वै रुकारस्तन्निवर्त्तकः ।
अन्धकारनिरोधित्वाद्‌ गुरुरित्यभिधीयते ॥ ४ ॥

gukārastvandhakāro vai rūkarastannivarttakaḥ
andhakāranirodhitvād gururityabhidhīyate || 4 ||

A sílaba gu denota as trevas [da ignorância].
A sílaba ru aponta, de fato, para sua remoção.
O guru é assim chamado pois dissipa a escuridão. || 4 ||

Portanto, um guru é um apontador, uma pessoa que está disponível para esclarecer dúvidas sobre como aplicar o ensinamento no cotidiano, e faz isso da maneira mais compassiva, amorosa e desinteressada.

Quem não devemos escolher?

Por uma questão óbvia de ética e bom-senso, não recomendamos professores de Yoga ou instituições que sustentem atitudes ou afirmações como estas:

1) o nosso Yoga é o melhor e mais completo que existe. 
2) nosso método é o único verdadeiro, nenhum outro funciona. 
3) o Yoga ensinado pelo professor Fulano não presta. 

Quem diz se um Yoga é melhor que outro não é o folheto de propaganda, mas o praticante, e isso vale unicamente em relação a si próprio, à sua prática pessoal e ao seu momento. Se você se ofendeu ao ler isto, cuidado! Você pode estar vestindo uma carapuça ou, pior, sendo manipulado.

Como escolher? Situações a evitar

Evite fazer prática com professores que:

1) não gostem de responder perguntas: a recusa a responder pode ocultar uma ignorância lapidária sobre o assunto que você quer conhecer. 

2) excluam praticantes de qualquer credo, raça ou estrato social. 

3) ostentem atitudes arrogantes para com a tradição ou o trabalho dos demais. 

4) prometam coisas demais e em prazos muito curtos: o Yoga é um processo que leva tempo conhecer e dominar. 

5) usem a mentira institucionalizada como arma de propaganda. 

6) tenham excessivo apego pelo dinheiro e o poder. 

7) se coloquem num pedestal por serem praticantes do Yoga X, Y ou Z. 

8) tentem controlar os alunos, o que eles fazem, com quem eles falam ou o que eles comem. 

O Yoga serve para eliminar o saṁskāra, queimar os condicionamentos e nos libertar das aflições. Se o professor falar mal dos demais ou ficar obsessionado tentando controlar os praticantes, isso é um péssimo sinal.

Na dúvida, leia por favor os artigos sugeridos abaixo. 

O professor que sabe e confia não tem medo de que seus praticantes procurem outras formas de Yoga. E se os praticantes optarem pela outra, não se ofende.

Se você tiver a sensação se estar sendo olhado como se fosse um monte de R$ ambulantes, desconfie! Numa palavra, essas são coisas do ego, que supostamente todo professor deve ter sob controle.

Escolher mais do que um professor ao longo do tempo não é apenas normal, mas saudável e recomendável, pois diferentes práticas com diferentes professores produzem um estímulo neurológico interessante. 

॥ हरिः ॐ ॥

Se você achou útil esta leitura sobre como escolher um professor, sugerimos também O Teste do Guru, bem como o artigo Estou numa Seita?

Mais sobre o perigo dos falsos gurus aqui: Abusos Sexuais no Yoga

O excelente website GuruMag, da jornalista Anke Richter, tem vários dossiers e informação relevante sobre muitos desses falsos gurus.

Leia também este ótimo texto de Matthew Remski: Recent Notes on Somatic Dominance in Yoga, Buddhism, and How to Know When You’re Doing It

॥ हरिः ॐ ॥

Pedro nasceu no Uruguai, 54 anos atrás. Conheceu o Yoga na adolescência e pratica desde então. Aprecia o o Yoga mais como uma visão do mundo que inclui um estilo de vida, do que uma simples prática. Escreveu e traduziu 10 livros sobre Yoga, além de editar as revistas Yoga Journal e Cadernos de Yoga e o website www.yoga.pro.br. Para continuar seu aprendizado, visita à Índia regularmente há mais de três décadas.
Biografia completa | Artigos

4 respostas para “Como Escolher um Bom Professor de Yoga?”

  1. Acho muito válido ter na net um site tão rico e com tanta credibilidade. Obrigada por partilhar conosco esta nobre filosofia de vida que é o yoga. Sou formada em Hatha yoga e pretendo percorrer este nobre caminho, ajudando os outros e a mim mesma.
    Namastê,

    Ana Clara

  2. Ola,
    Me desculpe a invasao, mas estou desesperada a procura de um lugar na India onde eu possa receber ensinamentos gerais sobre o verdadeiro yoga.
    Sendo bem direta, eu tenho 21 anos, e nao consigo pensar em seguir uma profissao egoista, que nao propoe nada de bom para a sociedade. Leio muito sobre yoga, sou vegetariana há um ano, mas tive poucas chances de praticar asanas e meditacao, devido ao meu trabalho atual. Por isso estou decidida a ir a India onde eu poderia me dedicar completamente e conhecer realmente o verdadeiro yoga e consecutivamente a mim mesma, Com o ideal de ser uma pessoa hiperconciente e futuramente poder ensinar para as pessoas os ifinitos beneficos que o yoga pode trazer para nossas vidas.
    Pedro, vc poderia me indicar com clareza onde eu poderia encontrar tal lugar?
    Creio que na interenet o que mais se encontra sao lugares comercias…
    Eu ficaria eternamente agradecida se vc pudesse me enviar um email. [email protected].
    Com amor,
    Sara.

  3. Gostaria de parabenizar a equipe de Pedro Kupfer por este site, pelos cursos, entrevistas, traduções das escrituras e tudo de bom que este site oferece.

    Fico feliz em ver o Yoga sendo levado a sério e com respeito. Fazer Yoga hoje é mais vaidade do que busca de autoconhecimento. Não devemos esquecer que estamos aqui em uma jornada espiritual na busca da suprema união, e o Yoga se torna, a meu ver, o meio mais rápido e direto para a nossa emancipação final.

    Um abraço a todos, desejando muita luz em seus caminhos,

    Maria Tereza Andrade Silva.

  4. Obrigada, este site yoga.pro.br ajudou-me muito, pois há 10 anos estou querendo fazer Yoga e tenho receio de encontrar um professor deslumbrado. Agora já tenho uma certa elucidação. E espero com isso saber distinguir um verdadeiro mestre de Yoga de um falso. Dilma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *