Āsana, Pratique

Praticar com Segurança e Sucesso: 16 Dicas

Como praticar? 1)  Tenha sempre um plano de sādhana, mesmo que você o adapte ou modifique ao longo do caminho. Não improvise. Use o bom-senso. 2)  Respeite as regras para montagem e sequenciamento de posturas que sugerimos neste artigo, para construir uma prática equilibrada, saudável e completa. 3)  Considere a prática de āsanas como uma meditação […]

Escrito por Pedro Kupfer · 2 mins de leitura >
prática

Como praticar?

1)  Tenha sempre um plano de sādhana, mesmo que você o adapte ou modifique ao longo do caminho. Não improvise. Use o bom-senso.

2)  Respeite as regras para montagem e sequenciamento de posturas que sugerimos neste artigo, para construir uma prática equilibrada, saudável e completa.

3)  Considere a prática de āsanas como uma meditação em movimento: um momento sagrado de contemplação, que você dedica a si mesmo.

4) Visualize-se em cada postura antes de executá-la. Se você tem alguma dificuldade, tente modificar sua ideia sobre como ela pode ser feita, ao invés de tentar forçar o corpo para que se encaixe dentro de uma posição que possa não ser saudável para si mesmo.

5)  Nunca force, deixe que a respiração lhe ajude a se mover e aprofundar progressivamente nos āsanas. As posturas não são fósseis; existe sempre um movimento sutil que aprofunda a vivência.

6)  Mantenha o foco na respiração e traga a consciência nas áreas que estiverem sendo mais trabalhadas ou exigidas. Se a respiração não estiver fluindo adequadamente, pode ser sinal de que você está forçando. Nesse caso, seja mais suave.

praticar

7)  Seja paciente consigo próprio e perceba que, com o tempo, cada postura irá tornando-se mais fácil e cômoda, até eventualmente se estabilizar numa sensação de conforto e firmeza.

8)  Ao praticar āsanas, observe seus pensamentos, mas deixe-os passar como se fossem nuvens no céu. Se surgir algum pensamento que possa lhe distrair, observe-o, mas volte a atenção para a respiração e os bandhas. Note o quão persistente a mente consegue ser.

9)  Observe o que acontece com as sensações ao longo da coluna vertebral quando você conecta a respiração com o mūla e o uḍḍīyanabandha. Veja o que acontece se você não asociar essas duas técnicas. Recomendamos que aplique os bandhas o tempo todo, na medida do possível. Distrações e esquecimentos são inevitáveis, mas é sempre possível voltar a se engajar nesses recursos, que aliás são muito úteis.

10) Um dos grandes obstáculos nas posturas é o medo. Deixe o corpo abrir-se. Entregue-se à prática, mas permaneça sempre consciente dos seus limites genéticos, sem forçá-los. Não é sábio querer fazer alguma ação com o corpo que este não nasceu para fazer.

11) Use sempre o equilíbrio entre não-violência e esforço sobre si mesmo, ahiṁsā tapasya. Excesso de esforço é contraproducente pois pode machucar ou levar a uma atitude interior de tensão. Excesso de autoindulgência, por outro lado, pode nos deixar em estado letárgico e tornar a prática inócua.

12) Estabeleça uma duração razoável para a prática. No mínimo, uma hora e 20 ou 30 minutos no caso das práticas para iniciantes, e até duas horas e 30 minutos para práticas mais intensas.

13) Certifique-se de que você esteja à vontade e seguro: não tente praticar o que você não sabe ou ainda não aprendeu com seu professor.

14) Dentro do possível, fique imóvel na postura de meditação. Dentro do bom-senso, cultive o livre arbítrio. Isto é, se você sente por exemplo que um pé adormeceu depois de alguns minutos imóvel, movimente-o suavemente para desentumesce-lo se for o caso, mas sempre evitando perder a concentração.

15) Após 18 meses de prática constante, você já vai ter desenvolvido toda a mobilidade, alongamento e flexibilidade possíveis, dentro dos seus limites naturais biológicos. Portanto, a partir desse período, precisa se focar mais em estabilizar e fortalecer articulações e músculos, por um lado, e em cultivar a aceitação e o contentamento por outro.

16) Dedique igualmente um momento diário ao estudo da visão do Yoga. Lembre que praticar na sala de nada vale se não conseguirmos aplicar na vida cotidiana aquilo que aprendemos. Boas práticas.

॥ हरिः ॐ ॥

Leia também:
1) Elementos para Montar uma Prática de Yoga
2) Recomendações Importantes para Praticar
3) Como Montar uma Série Equilibrada de Āsana
4) How to Create a Practice that Works for You

॥ हरिः ॐ ॥

Pedro nasceu no Uruguai, 54 anos atrás. Conheceu o Yoga na adolescência e pratica desde então. Aprecia o o Yoga mais como uma visão do mundo que inclui um estilo de vida, do que uma simples prática. Escreveu e traduziu 10 livros sobre Yoga, além de editar as revistas Yoga Journal e Cadernos de Yoga e o website www.yoga.pro.br. Para continuar seu aprendizado, visita à Índia regularmente há mais de três décadas.

Escrito por Pedro Kupfer
Pedro nasceu no Uruguai, 54 anos atrás. Conheceu o Yoga na adolescência e pratica desde então. Aprecia o o Yoga mais como uma visão do mundo que inclui um estilo de vida, do que uma simples prática. Escreveu e traduziu 10 livros sobre Yoga, além de editar as revistas Yoga Journal e Cadernos de Yoga e o website www.yoga.pro.br. Para continuar seu aprendizado, visita à Índia regularmente há mais de três décadas. Perfil
prática completa

Haṭha Yoga: 1 Prática Completa

Pedro Kupfer em Āsana, Pratique
  ·   1 mins de leitura
primeiro passo

Sexualidade ativa ou celibato?

Pedro Kupfer em Pratique, Ética
  ·   5 mins de leitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *